50 aniversário do 25 de Abril, pelo almirante Martins Guerreiro

Em boa hora o jornal Terra Ruiva decidiu celebrar este aniversário especial do 25 de Abril, quando surgem no horizonte nuvens negras que pretendem obscurecer a luz da liberdade, a participação ativa, a cidadania plena e a democracia que nos entraram pelas portas e janelas que Abril abriu.

São Bartolomeu de Messines, terra rural do interior algarvio, entre a serra e o barrocal, onde as condições naturais e as dificuldades da vida forjaram gente resistente com grande capacidade de iniciativa e luta por melhores condições de vida e pela liberdade, foi berço de homens e mulheres ilustres.

Terra republicana de opositores ao salazarismo, como Teófilo Fontainhas Neto, é também a terra de capitães de Abril como José Inácio Costa Martins, homem audaz que sozinho tomou o aeroporto de Lisboa,  e  a torre de controle, interditou o espaço aéreo, prendeu os polícias do aeroporto até à chegada da força militar que vinha de Mafra, que se atrasou devido a um imprevisto ,apesar disso aguentou firme , manteve sempre o controle da situação

O então major Costa Martins foi ministro do Trabalho do II ao V governos provisórios do general Vasco Gonçalves, foi também membro do Conselho de Estado e do Conselho da Revolução.

Importa prestar hoje a devida homenagem a tão ilustre filho da terra, que durante anos, depois do 25 de Novembro de 1975, foi caluniado nas Forças Armadas e no país e, sem desfalecimento, lutou bravamente nos tribunais e na opinião pública para que fosse reposta a verdade, o que alcançou plenamente, desmontou as várias calúnias ao conseguir a sua reintegração na Força Aérea, sendo promovido ao posto de coronel.

Agora que festejamos os 50 anos de Abril, da liberdade e democracia, não posso deixar de nomear também outro capitão de Abril, filho da terra, o capitão-de-mar-e-guerra Rui Coelho Cabrita que continua hoje sem descanso a prosseguir a luta pela cidadania plena, pelos ideais e valores de Abril, por um Portugal mais justo, solidário e livre.

Manuel B Martins Guerreiro  (Almirante)

Manuel Beirão Martins Guerreiro natural de S. Brás de Alportel.
É Almirante, Engenheiro, Construtor Naval, reformado da Marinha.
Participou ativamente na organização do movimento político na Marinha desde 1970 e na preparação do 25 de Abril de 1974. Integrou os vários órgãos do MFA – Movimento das Forças Armadas. Fez parte do Conselho de Revolução desde a sua criação, 1975, até à sua extinção em 1982

É sócio de diversas Associações de natureza profissional, cultural e humanitária e movimentos cívicos e desempenhou funções nos órgãos sociais dos CMN – Clube Militar Naval, da Amnistia Internacional, do Círculo Teixeira Gomes e da Associação 25 de Abril. Pertence ao Grupo 1/Lisboa da Amnistia Internacional Portugal.

 

Veja Também

Dois minutos

Nesta conversa de dois minutos, que mantenho mensalmente com os leitores, debato-me, em cada mês, …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *