Francisco Martins

Natural de S. Bartolomeu de Messines, nascido em 1957. Licenciado em Economia, Membro Efetivo da Ordem dos Economistas. Professor e vice-presidente da Escola Secundária de Silves; vereador permanente e não permanente da Câmara Municipal de Silves (eleito da CDU); dirigente associativo em várias entidades. Fundador do Terra Ruiva.

Desafios em tempo de crise

Portugal sofre de escassez de recursos humanos, mão-de-obra não-qualificada e qualificada em diversas áreas da atividade económica, do turismo e atividades afins até à construção civil e obras públicas. Este último setor é considerado um motor ou barómetro do crescimento económico, que incorpora uma cadeia de valor muito extensa e gera efeito multiplicador significativo a montante e jusante, com fortes repercussões no emprego e no produto. A dureza do trabalho e as remunerações pouco atraentes são um dos fatores da escassez de mão-de-obra, que levam os trabalhadores portugueses a procurarem outros empregos e a saída da emigração, a par de …

Ler Mais »

Orçamento e Grandes Opções do Plano aprovados pela Assembleia Municipal

O Orçamento e as Grandes Opções do Plano (GOP) da autarquia silvense para o ano de 2023 foram aprovados por maioria em sede de Câmara Municipal de Silves (CMS) e de Assembleia Municipal de Silves (AMS). Na reunião de câmara de 25 de novembro e na sessão da Assembleia Municipal, realizada em 27 de dezembro, os documentos foram aprovados por maioria, apenas com os votos favoráveis da CDU. A apresentação dos documentos da Câmara foi feita pela vice-presidente Luísa Conduto Luís que se focou nas principais linhas de atuação para 2023 e nos investimentos considerados prioritários. Destacou algumas dificuldades inerentes …

Ler Mais »

A cada um o que é seu

A política fiscal, em conjunto com as políticas monetária e cambial, integram a política económica do governo, que a executa através do Orçamento de Estado (OE), que orienta a economia num determinado sentido, tendo em conta a conjuntura interna e externa e a estratégia adotada. O OE não deve perder de vista a justiça social, uma melhor repartição do rendimento nacional entre o trabalho e o capital e o desenvolvimento económico do país. Nada é neutro na política económica. Tudo depende de escolhas e conceções ideológicas ou da (in)existência de uma visão progressista e transformadora da sociedade contemporânea, cada vez …

Ler Mais »

Empobrecimento

A espiral inflacionista  é um duro fenómeno económico que atinge os trabalhadores e as famílias portuguesas, que veem os seus salários e pensões perderem poder de compra, principalmente os estratos de mais baixos rendimentos. Face à subida dos preços dos produtos alimentares em 18,9% e à inflação homóloga fixada nos 10,2% – dados reportados a outubro de 2022 -, obviamente, ninguém conseguirá em 2023, um aumento do seu salário ou pensão, próximo de tais valores. É comummente aceite que a atual escalada de preços, inflação importada, é causada pelo efeito de ricochete da aplicação de sanções à Rússia, por esta …

Ler Mais »

Falsa descentralização

O processo de transferência de competências da Administração Central para os municípios e entidades intermunicipais, ao abrigo da Lei 50/2018 e dos vinte e dois diplomas sectoriais que se seguiram, foram desde logo, objeto de contestação por um conjunto de municípios, cujo leque foi crescendo com o tempo, à medida que cada um se confrontou com a realidade do desequilíbrio entre os meios e recursos previstos e os encargos a suportar. É curioso constatar as queixas recentes do Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas (PSD), denunciando um défice de 15 milhões de euros, no processo de transferência de …

Ler Mais »

Boas e más notícias

A escalada de preços, que é anterior à guerra na Ucrânia, foi agravada, essencialmente, pelo conflito, em resultado das sanções impostas pelo Ocidente à Rússia, que fizeram disparar os preços da energia, produtos alimentares e o incremento das falhas nas cadeias de valor e no fornecimento de bens, que já vinham do período da pandemia de Covid-19, causando acentuada disrupção no comércio internacional. Toda esta conjuntura afeta as economias nacionais, e trava, naturalmente, o volume do investimento privado e público.  Pese, embora, o contexto macroeconómico que se repercute negativamente na capacidade orçamental das autarquias, o Município de Silves mantém, mesmo …

Ler Mais »

Inflação

A inflação está de volta e parece que veio para ficar, afetando tanto a economia nacional como a internacional, refletindo-se na redução da taxa de crescimento económico e no agravamento da pobreza e das desigualdades sociais. A subida generalizada dos preços prejudica, sobretudo, os rendimentos fixos, i.e., salários e pensões (trabalho), já de si, degradados, ao contrário dos detentores de rendimentos variáveis (capital), sendo que podem subir os preços quando querem. Veja-se o exemplo das petrolíferas que aumentam os preços todas as semanas (a GALP em 2021 obteve 614 milhões de euros de lucros, e só no 1.º trimestre de …

Ler Mais »

Dualidade

A autarquia silvense de maioria CDU mantém a sua linha de coerência, apostando no diálogo e na concertação com a oposição local e os executivos das freguesias, valorizando a cooperação mútua e a democracia participativa. Foi o que aconteceu com o processo de negociação da delegação de competências do Município para as Uniões e Juntas de Freguesia (UF/JF) do concelho, cujo acordo estabelecido se alarga ao mandato autárquico 2022-2025, conferindo estabilidade à governação das freguesias. A delegação de competências vai de encontro ao princípio da subsidiariedade, proporcionando que as decisões sejam decididas o mais próximo possível dos cidadãos, com ganhos …

Ler Mais »

Neo(liberalismo)- Parte II

“Nos últimos tempos o liberalismo ressurgiu no panorama político português – foi constituído um partido sob a designação de “Iniciativa Liberal” – tentando a sua liderança, fazer crer, que nos confrontamos com algo novo e supermoderno, com ideias frescas e soluções inovadoras, que são necessárias ao desenvolvimento do país. Objetivamente, falamos de neoliberalismo, cuja doutrina económica é antiga (“A Riqueza das Nações”, Adam Smith, 1776), trazem-nos ideias de séculos anteriores – que note-se – têm sido aplicadas nos últimos 40 anos em Portugal, tornando-se hegemónicas, pouco a pouco, desde 1972.” (Parte I – TR – março de 2022) No plano …

Ler Mais »

Neo(liberalismo) – Parte 1

Nos últimos tempos o liberalismo ressurgiu no panorama político português – foi constituído um partido sob a designação de “Iniciativa Liberal” – tentando a sua liderança, fazer crer, que nos confrontamos com algo novo e supermoderno, com ideias frescas e soluções inovadoras, que são necessárias ao desenvolvimento do país. Objetivamente falamos de neoliberalismo, cuja doutrina económica é antiga (“A Riqueza das Nações”, Adam Smith, 1776), trazem-nos ideias de séculos anteriores – que note-se – têm sido aplicadas nos últimos 40 anos em Portugal, tornando-se hegemónicas, pouco a pouco, desde 1972. Não é pura coincidência que a maioria dos seus fundadores, …

Ler Mais »