Home / António Guerreiro

António Guerreiro

Natural de Silves, nascido em 1962, é doutor em Educação Matemática, professor e diretor da Escola Superior de Educação e Comunicação da Universidade do Algarve. Os seus interesses atuais nos tempos livres são a escrita, a leitura e a fotografia.

Talvez devagarinho

Na sociedade Comendador Vilarinho, a noite do Festival da Canção era especial. Em mil novecentos e setenta e um, lá estava eu a ouvir a Menina interpretada pela Tonicha, com música de Nazaré Fernandes e letra de Ary dos Santos. Lembro-me de ter assistido, na referida sociedade, ao Festival da Canção desse ano, acredito que na versão nacional, tinha oito anos, sentado defronte da televisão partilhada por todos, como se se tratasse de uma tela de cinema. Era o tempo em que ainda acreditávamos que poderíamos vencer o certame da eurovisão, talvez no próximo ano. Foi quase nossa a vitória …

Ler Mais »

Aparições

Acho que fui à catequese uma vez, ainda andaria na escola dita primária. A catequese era logo a seguir à missa (ou seria antes) na sé. A catequista distribuiu uma folha branca com o presépio por colorir (aquelas gravuras que só têm contorno e que são denominadas para colorir, são essas mesmas). Foi há tantos anos que, agora, acho estranho, mas estou a presenciar uma folha com as figuras do presépio e lápis de cor. Os lápis azuis eram insuficientes para as jovens mãos e a catequista disse-nos que podíamos pintar o céu de distintas cores (podíamos ser criativos). O …

Ler Mais »

Na essência

Neste últimos dois meses, em que me ausentei desta escrita, senti que percorria os fios duma trama ou rede fina, podendo a qualquer momento desequilibrar-me e esvaziar-me de lucidez. A sincronização de acontecimentos nada relacionáveis engendraram uma enorme fadiga e um indispensável apego à objetividade para percorrer essa trama sem mergulhar na demência. Os meus pais ficaram em simultâneo a necessitar de permanente atenção, tolhidos de autonomia: as laranjas apodreceram no pequeno quintal de minha mãe, a única laranjeira ali plantada lastimou a sua ausência momentânea e a inexistência dos carinhos de quem sempre viveu a ruralidade; os jogos de …

Ler Mais »

Sem rumo

Iniciei o ano de 2017 em Armação de Pêra. Uma festa familiar com todos, desde crianças até idosos, passando por jovens, adultos e turistas ou residentes estrangeiros nas nossas terras. Todos presentes, todos festejando a chegada do ano de dois mil e dezassete, para o mundo ocidentalizado. Foi curioso presenciar (não necessariamente por esta ordem) a inquietude inicial dos mais idosos com a hora marcada para a abertura dos festejos, a alegria dos jovens adolescentes locais no reescrever de canções, alterando a letra d’ Os Filhos da Nação para Os Filhos de Armação, em função de vivências e de irreverências, …

Ler Mais »

2 Perros e 1 coche

Os meus pais, particularmente a minha mãe, possuíram alguns cães rafeiros, raramente mais do que um em simultâneo. Ao último cão, membro de uma ninhada de cães de uma cadela da minha tia Elvira, demos-lhe o nome de Felini (nome não ficcionado, associado ao cineasta italiano Federico Fellini). O Felini era um cão caseiro (fundamentalmente não o deixávamos fugir), com muito mau génio em relação aos estranhos, especialmente aos carteiros. Todos os cães que minha mãe possuiu já morreram faz algum tempo, mas ainda recordo as suas imagens rafeiras, especialmente a do penúltimo, um cão branco e preto muito dócil …

Ler Mais »

Habla del Silencio

Ofereceram-me uma garrafa do melhor tinto de Espanha do ano de 2014 pela Asociacion Española de Periodistas e Escritores del Vino que se denomina Habla del Silencio… (as reticências fazem parte do título). A caixa com a forma de um paralelepípedo, neste caso de um prisma quadrangular, é elegante em tons de branco e preto. Digo tons, porque verdadeiramente existem brancos que sobressaem no branco e pretos que não se afundam no preto. O nome deste vinho parece um contrassenso ao juntar duas palavras aparentemente incompatíveis, fala e silêncio. Descobri que não, num destes dias, numa rua deserta da cidade, …

Ler Mais »

Conversa de homens

Quando eu era miúdo ia ao barbeiro, cortar o cabelo. Nessa época, não tinha barba e nem tamanho para me sentar na cadeira de barbeiro. O barbeiro, que também cortava o cabelo, colocava uma prancha de madeira, sustentada pelos braços da cadeira de (e do) barbeiro, para eu e para os restantes clientes da minha estatura se sentarem. Imagino que a cadeira era sua, dele barbeiro, como o restante mobiliário e recheio da barbearia. O recheio, porque o invólucro (neste caso o imóvel) não sei, nem desconfio, de quem seria a pertença da barbearia. Nessa época, quando eu colocava os …

Ler Mais »

Roteiro para uma festa

A Feira Medieval terminou ontem. Um pouco longa para moradores, trabalhadores e demais locais. A marca Feira Medieval de Silves está consolidada, mas requer permanente inovação e arrojo. Hoje, saí para ir caminhar na passadeira vermelha (duas voltinhas) e já desmontavam o pano de muralha que se estendia junto a minha casa. No início do circuito encontrei um idoso da minha idade que é professor de educação física que aludiu ao começar da semana com movimento. A uns mil metros, duas funcionárias da autarquia extraíam a natureza bravia de um dos alegretes enquanto interagiam. Estive no facebook a ver a …

Ler Mais »

Amarelão

Quando esbarro nos media com esta gentalha amarelenta e escuto frases exclusivas – «força, força colégio, colégio. (…) Cá não há misturas é tudo boa gente» – com grafias denunciadoras de outros intentos – «em nome do meu, filho» – fico revoltado e ao mesmo tempo divertido. Reassumo a essência da minha rebelião contra as gentes privilegiadas que contribuíram para a minha (extensível à generalidade da população) segregação económica, social e cultural – um rico gera sempre milhares de pobres. Não tenho pejo em defender a escola pública para todos, a saúde pública para todos, a justiça pública para todos, …

Ler Mais »

Gente cristalina

Ao assumir um elevado código moral da esquerda, tenho erradamente assumido como natural e desculpável a prática de crimes económicos, sociais e políticos da direita. Com a força da superioridade moral da esquerda, condeno duplamente os seus ilícitos e absolvo com crescente indiferença os ilícitos da direita. Algo está duplamente errado, os crimes económicos, sociais e políticos devem ser exemplarmente punidos, com consequências pessoais e politicas dos protagonistas sejam eles (ou elas) da esquerda ou da direita. O furor da condenação criminal da esquerda e da desculpabilização inconsciente da direita não é só uma característica típica das gentes de esquerda, …

Ler Mais »