Frederico Mestre

É natural de Moura, no Alentejo, licenciado em Biologia, mestrado em Biologia da Conservação e doutorado em Biologia pela Universidade de Évora. Desenvolve a sua actividade profissional como investigador pós-doutorado na mesma universidade. O seu trabalho incide sobre os impactos que as alterações climáticas e dos habitats naturais têm na biodiversidade. Tem outros interesses, com a fotografia e o urban sketching. Acredita que a ciência deve ser comunicada de modo claro, numa lógica de partilha de conhecimento com o público em geral.

As certezas e incertezas da ciência

Muitas vezes no discurso comum de todos os dias, e a respeito dos mais diversos assuntos, ouvimos dizer que “a ciência é ainda incerta!”. Pretende-se, assim, enfraquecer a posição científica. Diz-se que a ciência não está certa a respeito da eficácia das máscaras para conter transmissão de COVID-19, das causas das alterações climáticas e da própria existência de alterações, da teoria da evolução, etc. O processo científico, visto de fora, é percebido como frágil por quem pensa que a dúvida e a honestidade de admitir ignorância são negativas. É certamente mais simples procurar informação na internet, onde todos os tipos …

Ler Mais »

Biodiversidade, o que é e por que a devemos conservar

Biodiversidade. Para muitos, este é um conceito vago. Para outros, não significa nada, para além de algo que atrapalha o desenvolvimento económico. Outros ainda repetem esta palavra na esperança de aparentar preocupação ambiental. Mas o que é a biodiversidade? Para que serve? Deve servir para alguma coisa? A ideia mais comum é que “biodiversidade” é o conjunto de todas as espécies que existem no nosso planeta. Mas não é só isso. Biodiversidade é também toda a diversidade que cada uma dessas espécies encerra (a sua diversidade genética) e toda a diversidade de interações que estas espécies estabelecem entre si. Portanto, …

Ler Mais »

Desmascarar a poluição

A pandemia tem sido uma oportunidade para perceber um pouco melhor a sociedade e as pessoas que a constituem, e para analisar os seus sentimentos. Muitos dos sinais, acerca dos movimentos das sociedades, transparecem nas redes sociais. No início havia algum receio acerca deste vírus desconhecido. Depois as redes foram invadidas por um otimismo crescente, fundamentado na ideia de que perceberíamos, finalmente, que somos um grupo de indivíduos – a espécie humana – iguais, interdependentes e dependentes do planeta que habitamos. Viram-se imensas fotografias de animais a “regressar” a locais antes muito perturbados devido ao decréscimo da pressão humana (algumas …

Ler Mais »

Conhecer os nossos vizinhos naturais

Enquanto biólogo uma das coisas que me espanta mais é o enorme desconhecimento que o público em geral tem acerca das espécies animais que constituem a nossa fauna. Acho estranho porque, afinal de contas, são estes os nossos vizinhos. Quer queiramos quer não, quer o saibamos ou não, dependemos destas espécies, numa rede complexa de interdependências. Há tempos, falando para uma turma de crianças da primária fiz uma experiência para tentar saber se este fenómeno era verdadeiro, ou se era só a minha perceção. Será que as crianças tinham mais conhecimento acerca da fauna africana do que da nossa? Mostrei …

Ler Mais »

Um futuro mais sustentável?

Recentemente a União Europeia avançou com um plano de políticas ambiciosas que afetará, de um modo ou de outro, as nossas vidas, o Pacto Ecológico Europeu (ou “Green Deal”). (https://ec.europa.eu/info/strategy/priorities-2019-2024/european-green-deal_pt ) Não penso que se possa dizer que se trata unicamente de um conjunto de políticas ambientais. É, isso sim, um plano económico e social que finalmente reconhece o facto evidente de que vivemos num planeta com recursos limitados. Temos vivido, em particular desde a Revolução Industrial, com a ideia enganadora de que somos algo separado da natureza. Confiamos na capacidade aparentemente infinita dos ecossistemas para recuperarem, mas essa perceção …

Ler Mais »

O impacto social da ciência

A minha vida é a ciência. Para encetar a minha colaboração com o Terra Ruiva, queria começar com uma reflexão sobre o modo como eu acho que a ciência e a sociedade se devem integrar. Nunca, como hoje, foi a comunicação social tão inundada por informação científica. Todos os dias surgem estudos, atualizações, relatórios, que trazem mais informação sobre a COVID-19. Muitos destes, a maioria, ainda não passaram o crivo que a ciência impõe a si própria: todos os trabalhos devem ser alvo de avaliação por outros cientistas. A sua publicação, a sua mensagem, o seu impacto, dependem disso. Em …

Ler Mais »