Opinião

Nuno Júdice

NUNO JÚDICE 1949 – 2024 O Nuno já não celebrou o seu aniversário, 29 de Abril. A casa vasta onde nasceu, na Mexilhoeira Grande, ainda lá está. A olhar de soslaio a igreja matriz. Já não pertence à família. Muitos dos seus poemas, que recordam a infância, habitam a memória deste lugar. Neste dia, 29 de Abril, a Manuela Júdice quis evocar o aniversário do marido e pai dos filhos com quem partilhou toda uma vida, de tempos convulsos e de júbilo, desde muito antes de Abril de 1974. Sob a copa de uma oliveira, junto ao laranjal que o …

Ler Mais »

Investimento em alta

No regresso aos temas autárquicos, não posso deixar de observar e comentar o intenso programa de investimentos do Município de Silves, que se estende a todo o território do concelho. Os dados consultados evidenciam que se encontram em fase de concurso público 36 empreitadas, num valor global de 15 milhões de euros, em simultâneo com 16 obras em fase de execução, no montante de 8,2 milhões de euros. À beira de entrar em concurso público registam-se ainda 11 empreitadas, num total de 4 milhões de euros. Considerando o orçamento municipal, o rol de investimentos é significativo e ambicioso, sendo percetível …

Ler Mais »

50 Anos de Democracia

A comemorar os 50 anos do 25 de Abril de 1974 que marcou o início da liberdade e vida democrática em Portugal – e que o 25 de Novembro de 1975 viria a estabilizar -, Portugal mudou muito. Hoje, seria incompreensível três amigos serem impedidos de conversar numa rua. Hoje, atingida a maioridade, uma mulher pode exercer o seu voto livremente independentemente do seu nível escolar, escolher a sua carreira ou viajar sem precisar de uma autorização escrita do marido. Hoje, é possível aceder a literatura, cinema, música e outras formas de arte sem censura, tal como é possível usufruir …

Ler Mais »

Um ordenado de mil pães

Como num voo aporto em pequenas memórias, sendo a principal a liberdade de um povo. A história era repleta de heróis, valentes reis e descobridores, o conhecimento livresco das oficiais histórias heróicas (ou nem por isso) de um povo à beira-mar. Mas o que mais me transtornou na escola primária foi a guerra (presente em áfrica), que alastrara nas províncias ultramarinas, nas palavras da professora da 4.ª classe, no ano de setenta e três. Nós não queríamos ir para a guerra, por isso eu desejara ardentemente o seu término, desde logo porque não entendíamos a razão para tal matança entre …

Ler Mais »

25 de abril de 1974 – as mulheres antes e depois

Neste ano de comemoração dos 50 anos da revolução de abril, é importante recordar a história, para que não se repita um período de perda de liberdades e direitos, de obscurantismo e medo. Sobretudo para os que já nasceram depois e a quem não foi contado o difícil caminho da conquista da liberdade. Vamos dedicar o texto deste mês às mulheres, antes e depois de Abril. Na ideologia vigente, os direitos da mulher eram quase inexistentes. A função da mulher era ser mãe, esposa, submissa e dona de casa. Desde pequenas, as mulheres eram educadas para serem assim, submissas ao …

Ler Mais »

Onde estava no 25 de Abril de 1974 … e 24 anos do jornal Terra Ruiva

Onde estava no 25 de Abril de 1974   À época era estudante na Escola Secundária de Silves, frequentando o 6.º ano do Curso Complementar de Administração e Comércio. No dia da revolução, num diário que, com intermitências, vinha elaborando, escrevi: “Grande revolta militar. Acabou o fascismo!” Sublinhava o clima de alegria reinante nas ruas e a ânsia pelas notícias difundidas pela RTP (único canal televisivo) sobre o desenvolvimento das operações militares. Recordo que no dia 26 de abril, irrompeu uma grande manifestação de estudantes, a partir da atual Escola Secundária, que, interrompendo as aulas, percorreu as ruas da cidade …

Ler Mais »

ABRIL – Como e porquê?

De 1933 a 1974, Portugal viveu sob a guilhotina dum regime marcado por uma conceção presidencialista, autoritária e antiparlamentar, de partido único e corporativista, dirigido inicialmente por Oliveira Salazar e posteriormente, a partir de 1968, por Marcelo Caetano, assente na falta de liberdades individuais e coletivas, no medo, na censura, nas prisões e na repressão, acolitado pela legião e por uma polícia política feroz, a PIDE/DGS, sendo interditos os direitos á greve, ao associativismo e ao sindicalismo. No campo social, imperavam acentuadas desigualdades, com uma expressiva pobreza e uma elevada emigração. Grassava o analfabetismo (40%), sendo reduzido o acesso ao …

Ler Mais »

50 aniversário do 25 de Abril, pelo almirante Martins Guerreiro

Em boa hora o jornal Terra Ruiva decidiu celebrar este aniversário especial do 25 de Abril, quando surgem no horizonte nuvens negras que pretendem obscurecer a luz da liberdade, a participação ativa, a cidadania plena e a democracia que nos entraram pelas portas e janelas que Abril abriu. São Bartolomeu de Messines, terra rural do interior algarvio, entre a serra e o barrocal, onde as condições naturais e as dificuldades da vida forjaram gente resistente com grande capacidade de iniciativa e luta por melhores condições de vida e pela liberdade, foi berço de homens e mulheres ilustres. Terra republicana de …

Ler Mais »

Sabe o que é a gestão de negócios?

O assunto que hoje trazemos à conversa é uma figura bastante conhecida pelo mundo jurídico, mas que nem sempre é utilizada por desconhecimento dos cidadãos comuns. A gestão de negócios é uma figura do direito civil que consiste na ideia de que uma pessoa possa assumir a direção de negócio alheio no interesse e por conta do respetivo dono, sem para tal estar autorizada. Imagine-se a questão em que alguém sabe que um negócio seja proveitoso para uma determinada pessoa, mas essa pessoa encontra-se fora do país ou impossibilitada de exercer legalmente esse negócio. Pode, assim, um terceiro efetuar esse …

Ler Mais »