Home / Teodomiro Neto

Teodomiro Neto

Natural de S. Bartolomeu de Messines, nascido em 1938. Concluiu licenciatura em História e o doutoramento em "História Política Europeia". Professor universitário, em França, ( entretanto aposentado), tem colaborado com diversos jornais nacionais e regionais. Tem publicadas várias obras no âmbito da história regional, teatro e romance. Entre outras distinções recebeu a Medalha de Mérito Ouro da Cidade de Faro.

Memórias Breves (11) “Viver África em tempo de guerra”

“Viver África em tempo de guerra” ´ ADÉRITO FERNANDES VAZ, para além de jurista do CENTRO Regional de Saúde do Algarve, enquanto no activo, nunca abandonou, em jornalismo, os acontecimentos, fazendo parte da “família” jornalística algarvia. Ainda a publicação em edições de temática histórica regional. Vários livros publicados. No seu penúltimo livro editado em 2017, traz uma memória de guerra por Moçambique. Assim foi o tempo moroso, em plena selva daquela antiga colónia africana, gerida pelos governos, antes do 25 de Abril. Sempre trocámos livros, conteúdos históricos, e este viver em África em tempo de guerra tocou-me. É essa memória …

Ler Mais »

Memórias Breves (10) Agosto de Má Memória

AGOSTO DE MÁ  MEMÓRIA =  Apontamentos diversos em que Monchique esteve no cerne dos acontecimentos graves e que  perdurar-se- ão nas nossas memórias pelas tragédias cometidas, que só há ambição e mais ambição, nas palavras do pastor da serra de  Monchique, José Casimiro Duarte, em que : A ganância deu cabo da nossa serra! Que voz é essa da razão. A que se juntaram outras vozes e alguns silêncios, a ministra da agricultura, do anterior governo, nessa determinação em autorizar, plenamente, a plantação desse fósforo, chamado eucalipto.  Hoje penso, nessa vontade e continuidade do lucro rápido e das mortes concretas …

Ler Mais »

Memórias Breves (9) – Reviver a Estravanca

MESSINES REVIVER A “ESTRAVANCA” = Recordo o meu tempo de juventude, antes de deixar a minha TERRA, nos bailes de carnaval. Terminada a festa, outra surgia, no sentido divertido mas, fisicamente “violenta”: era a dança da estravanca. Uma dança secular que se foi passando de geração a geração. Eu julgo que essa herança virá dos tempos trágicos e violentos das guerrilhas do Remexido, no início do século XIX. Recordo os rapazes, homens jovens, assim considerados, garbosos. Os mais novatos não entravam nesses movimentos rápidos, eram só homens maduros, vintistas (não sectários do vintismo), nesses contorcidos, de pernas audazes, movimentos másculos, …

Ler Mais »

Memórias Breves (8)- Três poetas cristãos e revolucionários

TRÊS POETAS CRISTÃOS E REVOLUCIONÁRIOS – Eles vêm dos séculos XIX e XX: O João, o Bernardo e o Pablo. Só o último conheci num encontro, na chamada Ilha de França, por onde o rio Sena se divide, e depois se abraça, e onde se ergue a mais antiga catedral do país: Notre Dame de Paris. Mas vamos ao “primeiro” encontro: o João, nascido em Messines, no ano de 1830. O tempo das tragédias, como os cronistas do tempo nos deixaram testemunhos em narrativas, em tragédias políticas e moralistas , como Camilo Castelo Branco, nos narra nas suas “Memórias do …

Ler Mais »

Memórias Breves (7) Entre Céu e Inferno

ENTRE CÉU E INFERNO = Nos meus tempos, de garoto, quando entrava na Igreja de S. Bartolomeu, o Padroeiro da minha terra de Messines, passando pela capela chamada das “Almas”, fechava os olhos, em receios, porque a minha professora primária, muito crente, diria “excessivamente beata”, introduzia-nos os medos do inferno. E aquela capela que se integra no conjunto das restantes, influía-me esses receios.   Essas memórias infantis, levaram-me a contar no meu livro “As Tentações de Maria Lua “, publicado em 2010, uma narrativa sobre essa capela oitocentista. Acontece que no passado dia 7 de Março, revisitando a igreja e …

Ler Mais »

Memórias Breves (6) Terra Ruiva nº 200

Terra Ruiva entra no seu 200.º número de publicação, e Paula Bravo na sua direção. O mensário tem sido uma escola para gente que, nas suas áreas profissionais, se entrega em colaboração, nas suas horas de lazer. Mas não será uma forma dos colaboradores, entrarem nessas vontades “adormecidas”, e que despertam para um contributo auto/plural? Deixemos estas divagações e vamos ao proveito do Terra Ruiva para a informação, nas suas pluralidades, ao encontro do leitor do concelho, aos ausentes dele, que refletem nas palavras escritas, nas ideias transmitidas. Nas imagens! E nessa globalidade se forma, se constrói um mensário, também …

Ler Mais »

Memórias Breves (5) – João de Deus = Victor Hugo

JOÃO DE DEUS: Visão futurista do ensino. Um protector dos mais pequenos em tempos complexos. VICTOR HUGO: Um Homem de todos os tempos. Um génio visionário. A voz de todos os desvalidos. Nomes ligados à cultura europeia e de destinos paralelos. Ambos viveram o século XIX, por inteiro, na intensidade do tempo de grandes transformações na pedagogia, na literatura, nas artes, nas ideias, na ciência, nas transformações ideológicas. Ambos repousam por Lisboa e Paris, nos respetivos Panteões. Mas por que trago nesta afinidade dois europeus inesquecíveis? É que ambos marcaram os Tempos! Victor Hugo, pela dimensão universal da cultura francesa. …

Ler Mais »

Memórias Breves (4)

JOSÉ VITORIANO, O ENCONTRO = Estávamos em 1978. Havia iniciado um “DOSSIER UNIVERSIDADE DO ALGARVE”, desde 3 de Junho de 1977. Debatia-se, na Assembleia da República, a criação dos Estudos Superiores para o Algarve. Decisão polémica que se transformou em capricho político. Assim sendo, cria-se uma dificuldade de unanimidade exigida. Publiquei estudos sobre a utilidade desse “instrumento“ do ensino superior, tão pedido, pelos séculos, desde a visita real de D. Dinis, a Faro, ao Filipe ocupante, sem resultados positivos. Para o Algarve, a universidade seria um “desperdício”, na apreciação de alguns senhores “superiores”. Mas há Homens que afirmavam a necessidade …

Ler Mais »

Memórias Breves (3)

A VOZ DE UM BISPO – Na noite de 9 de Dezembro / 2017, na antiga dependência dos Jesuítas e da Inquisição, em Faro, que se transformou em Teatro, em 1845. O Teatro Lethes, casa de muitas memórias, pelas mudanças de pensamentos, que os tempos e os homens assim se transformam, em melhores sentidos…Prefaciando Camões, que “muda o tempo, mudam as vontades”, que o mundo está sempre em mudança e vontades …Então, regressemos a essa noite recente, em que o Bispo do Algarve, Manuel Neto Quintas, apresentou-se, a convite da direcção, integrado em “Conversas com Vida Dentro”. Pouco público se …

Ler Mais »

Memórias Breves (2)

AS ROSAS DE NOEL – Conheci Noel Viront na circunstância de ele Mestre e eu aluno, a meio dos anos sessenta. Frequentávamos, no tempo, uma tertúlia num café chamado do “Peuple”, nas memórias de Paris. Mestre Viront dedicava uma amizade especial aos seus alunos. Ele e a mulher, uma polaca que conhecera em “Leipzig”, em 1940, então ambos prisioneiros dos alemães. Assim Noel e Maria e nós, alunos trabalhadores de toda a Europa pobre e Norte Africana, havíamos constituído uma “família” e uma vivência em que as ideias eram baseadas no humanismo, na filosofia, na poesia, no teatro, na política. …

Ler Mais »