Home / Teodomiro Neto

Teodomiro Neto

Natural de S. Bartolomeu de Messines, nascido em 1938. Concluiu licenciatura em História e o doutoramento em "História Política Europeia". Professor universitário, em França, ( entretanto aposentado), tem colaborado com diversos jornais nacionais e regionais. Tem publicadas várias obras no âmbito da história regional, teatro e romance. Entre outras distinções recebeu a Medalha de Mérito Ouro da Cidade de Faro.

Memórias Breves ( 1)

ARMAND GUIBERT foi um amigo que guardo pela terra, homenageei-o na cidade de Lyon. Lá estive, no Vieux Lyon, “conversando” com o filósofo- professor Guibert, nessa memória de passado e futuro. Em 2016, em Faro, na Biblioteca Ramos Rosa, lembrara essa figura de Homem universal, que passara por Faro, em 1942, quando a Europa e o mundo entraram em guerra. Mas Faro, apesar de cidade Universitária, reserva-se ao seu incógnito… Guibert dera conferência no fresco Círculo Cultural do Algarve, sobre Fernando Pessoa, 7 anos após a sua morte. A partir de então, Guibert entrou Europa fora, como “descobridor” do poeta, …

Ler Mais »

Lisete Martins e Outros Palcos

E eu sempre nesta função de contar e rebuscar os tempos da minha vivência e de comunicador. Lembro do meu primeiro contacto com uma representação teatral, na minha terra de Messines. Era eu um puto curioso, teria os meus sete anos. A minha irmã mais velha, a saudosa e querida Irinice, entrava no grupo da terra, em teatro amador. Era num vasto edifício, muito antigo, em serviço de adega, na antiga rua do Arco, atualmente rua do Remexido. Lembro de todos eles, nas suas responsabilidades de actores amadores. O ensaiador era um comerciante da terra, um homem do Alentejo, o …

Ler Mais »

O Passado e o Presente

É COMPLICADO entrar no tempo presente e desenvolver o futuro. Já o passado, esse é entendido como desinteressante, por que é o passado. Como se a História não fosse um caminho existencial. E nesta complexidade do desentendimento é entendida numa perspetiva política e complexa para quem pouco a entende. Numa indiferença. Muito do meu tempo foi debatido entre jovens. Sendo a escola deles, também a minha, nessa responsabilidade do ensino. Quanto mais a escola era habitada por classe mais privilegiada, mais complicado se tornava: Genève, Paris, Lyon, Saint-Etienne, Tunis, Siracusa, tudo tão próximo, tudo tão, supostamente, diferente, como podemos discernir …

Ler Mais »

Silves- Uma pérola de grés

Silves é uma cidade de alguns deslumbramentos ! Para mim assim foi na minha meninice. Essa magia de cidade mais perto da minha aldeia, nesse constante sortilégio de cidade de um castelo… E assim foi, quando fui a Silves, numa primeira vez, aos dez anos, para prestar provas de 4ª classe primária, que foi, no meu tempo, uma obrigação estabelecida pelo sistema corporativo-fascista. Lembro o fascínio dessa manhã. Cedo, a camioneta do Monteiro, na carreira diária, com destino a Portimão, surgiu-me a cidade coroada do seu castelo de séculos… muitos séculos, alpendrado numa coroa de grés. Foi um momento mágico …

Ler Mais »

De Messines para a Eternidade

QUANDO, em 1995 fui convidado para preparar uma homenagem ao poeta João de Deus, para a comemoração do centenário da morte do pedagogo/poeta, logo nessa responsabilidade senti, com uma natural “vaidade”, de o ser messinense e admirador do poeta/educador. Determinei o tempo de Verão, uma sabática, acordada. Entrei em contactos com a neta do poeta, Professora Maria da Luz de Deus. De seguida, preparei o guião. Visitas a Messines com os dois técnicos. Contactos com uma empresa de fretes aéreos: filmagens em Messines, Lisboa e Faro. Pedido à Diocese do Algarve, o Bispo D. Manuel Madureira, para entrar nos espaços …

Ler Mais »

O Bispo de Silves- Álvaro Pais. Quem é?

É uma narrativa muito longa e complexa que iremos sintetizar, na compreensão de figura intelectual, religiosa e política do Bispo Álvaro Pais, que passou pela Diocese de Silves, entre 1333- 1348. Intelectualmente lhe chamavam de “O Galego”, por seu nascimento, em Salnés, na Galiza -1275. Álvaro Pais nasce num período muito conturbado: poder e religião. A Igreja estava dividida em dois blocos europeus: um bispo na Itália – Roma, outro em França – Avinhão. O embrião do grande Cisma do Ocidente. Em jovem, Álvaro Pelágio (assim chamado) professa a Ordem de S. Francisco de Assis, frei franciscano. Os chamados Fraticelos, …

Ler Mais »

Neste 16º Ano do Século XXI

Findámos o Ano. Um ano em acontecimentos que a todos nos diz respeito, mas de opiniões diversas. As minhas seguem em leituras nossas e dos outros. Em opiniões políticas, religiosas, culturais e pessoais. Tivemos um turismo no “seu mais alto valor”, assim o diz a Secretária de Estado do Turismo, Ana Maria Godinho, por Lisboa. A Senhora do Governo fala de milhões de euros, de outro tanto, em número de turistas, afirmando que só no passado mês de Outubro, o Algarve registou, em proveitos, de 1,3 milhões de dormidas, ou seja mais de 65%, fora da época. Ao Aeroporto de …

Ler Mais »

Portugal em Directo

No passado dia 18 Novembro fui convidado, pela R.D.P. / Antena 1, a intervir na importância da Estrada Nacional 2 que se inicia em Chaves e finda em Faro. São 737 km , desde que foi construída, em 1884. Sendo a primeira estrada do reino, assim considerada. O Algarve teve mais estrada líquida, que de terrena e pedra. Mas a EN-2 chegou em finais do século XIX. Foi um romper a serra, o obstáculo de séculos, em que até no século XV, D. João II não se atreveu a descer o oceano até Tavira; e depois no final do século …

Ler Mais »

Os vendedores de sonhos

Assim começou no dia 14 de junho, o deslumbramento da FIFA ( Fédération Internationale de Football), em Saint-Etienne, cidade da Região Ronne/Alpes/França. A Europa, mais do que outro continente, e Portugal, entre todos, esteve em “abuso” televisivo, mostrando a cidade do mártir, padroeiro de origem grega, Stephanes ( Saint-Etienne), o nosso Santo Estêvão, em tradução portuguesa. Assim explicado, como é devido, vamos ao conteúdo, nesse dia de arrepios antecipados, coordenados para o fim proposto. Em excessos, em vendedores de sonhos e de magia, aos nossos emigrantes, em terras gaulesas, onde a maior comunidade estrangeira é a portuguesa, onde o ensino …

Ler Mais »

Silves – 1937

Há 79 anos ( 1937), Pedro Mascarenhas Júdice, um cidadão da antiga capital do reino do Algarve, publicava um interessante opúsculo, em bilíngue, português e inglês, que intitulou: “Silves e seus Arredores” = “Silves and its Surroundings”. Digamos que se dedicava aos turistas estrangeiros. Era uma novidade para a época. O texto-guia de 18 páginas faz um interessante percurso pela cidade de Silves: sua história e sua monumentalidade, sendo a Sé e o Castelo as principais atrações do opúsculo: “Vamos dizer algumas palavras de Silves sob o ponto de vista turístico: Duas vias conduzem principalmente a Silves: o caminho de …

Ler Mais »