Paulo Penisga

De um tempo presente

Para a minha filha Marta De um tempo novo a crescer como esperança em ti e mais ameaçador do que nunca lá fora. Um planeta ameaçado, explorado nos seus recursos e beleza única, sem dó nem piedade. E uma guerra que parecendo longe nos bate à porta da consciência todos os dias. Sim, eu sei, há sempre aquelas explicações muito adultas e bem elaboradas da geoestratégia, da política internacional, das zonas de influência e dos interesses económicos Mas concordo contigo, filha, e para além da complexidade, há esse sentir justo, mais verdadeiro e jovem de quem não aceita e quer …

Ler Mais »

Forasteiro familiar

Pensou que, no seu país, as coisas nem melhoravam nem pioravam, tornando-se apenas cada vez mais ridículas e talvez silenciosamente revoltantes. Como se se tratasse ainda e sempre do mesmo espetáculo, com uma distribuição de papéis diferente. Ao regressar a casa, nesse final de tarde, ouvia mais uma vez na rádio do carro o alerta de prevenção de incêndios, repetido à exaustão durante o Verão, Portugal chama… Por nem sempre fazer bem… por haver maneiras certas de fazer. E circulando pela estreita estrada que o levava do litoral ao barrocal, ao fazer a curva que descobria a sua bela cidade …

Ler Mais »

Era uma vez um certo cinema e uma certa juventude…

Ah, bela, belíssima Laura Antonelli, diva dos nossos sonhos adolescentes, toda a sedução e desejo com que animaste a nossa juvenil imaginação e a felicidade ali logo à mão perdurarão na memória do tempo. Símbolo erótico do cinema dos anos 60 e 70, a atriz, de grande beleza e sensualidade, foi estrela em muitas comédias picantes italianas, tais como Malícia (1973), Divina Criatura (1975), apesar dessa imagem de marca tão popular, que se colou à sua pele e com a qual nem sempre conviveu bem, entrou também em filmes como   L’innocente/O inocente (1976) de Luchino Visconti. Abundante nesses anos, a …

Ler Mais »

Memórias do Cineteatro de Silves

Tal como a corrente do Arade, que por esse tempo ainda trazia muita água, formando bons pêgos como o do Valadinho e da Nogueira, onde nos banhávamos nos dias quentes de Verão, também os filmes continuavam a desaguar na cidade acompanhando a corrente da vida e os afluentes da liberdade artística e política. Ainda em 1974, outro filme que vimos sem ter idade para ver foi Aquele Inverno em Veneza/Don`t Look Now um thriller psicológico protagonizado por um casal (Donald Sutherland e Julie Christie) que viaja para Veneza depois de ter perdido a filha, com muito suspense e algumas cenas …

Ler Mais »

Do balcão à plateia no Cineteatro de Silves

Quando era miúdo, 7/8/9 anos, aos sábados ia sempre ao cinema com o meu pai. Quase sempre era uma cowboiada, não das melhores, estávamos no tempo do Western Spagetti* e os John Ford e outros passavam era na tv aos sábados e domingos à tarde. Numa dessas noites, o porteiro, o simpático senhor Pessanha, abalou a ansiada expectativa ao dizer ao meu pai que o filme não era para a minha idade. Lá voltei para casa, desolado, onde o meu pai me deixou, para depois voltar ao convívio dos amigos no café Havaneza. Filho da burguesia da cidade, íamos para …

Ler Mais »

A História questiona o Tempo

A História questiona o Tempo e pergunta – Porquê tanta repetição, sinto-me tão parecida ao que sempre fui?… E o Tempo, senhor de si e de todos nós, responde – Nada tenho a ver com isso! Tu, História, és filha da vontade humana! E a História, esperançosa de algo novo e bom, teima em não se querer ver sempre assim: vestida de massacres, guerras e perseguições. Quer acreditar que a vida não é só tragédia e desgraças e lembra que há épocas e lugares em que reina a paz e a felicidade. – Nem tudo é destruição! – insiste a …

Ler Mais »

Silves e a emergência de um desígnio cultural

Plano geral: Enquadramento  O conceito de Cultura abarca diferentes formas de expressão e de interpretação. Uma das distinções mais comuns, mas insuficiente, é entre cultura popular e cultura erudita. Entre esta separação básica, antiquada, mas persistente na sociedade portuguesa atual devido à desigualdade social e consequentes constrangimentos e limitações no acesso à cultura, à educação e às artes, há um vasto universo. Tentativas de aproximação entre ambas, entre o que é popular e ao gosto do povo e o que é erudito e ao gosto das elites, emergiram e foram postas em prática em contextos sociais e políticos revolucionários, como …

Ler Mais »

PÁGINA ABERTA: Sob o signo da COVID

Quando comparamos as medidas tomadas pelos governos de Espanha e de Portugal para mitigar a tremenda crise que aí vem, percebemos a importância de ter o partido Socialista mais acompanhado ou desacompanhado à sua esquerda. É que em Espanha há presentemente um governo resultante de um acordo entre o Psoe e o Podemos (partido que é aliás responsável pelas pastas do trabalho e do emprego). A opinião pública espanhola aplaudiu, e nós gostámos, da frontalidade política de António Costa ao considerar de repugnantes as declarações do ministro das finanças holandês. Quero também acreditar que muitos de nós teriam gostado de …

Ler Mais »

PÁGINA ABERTA: As últimas tangerinas

As últimas tangerinas As últimas tangerinas ficaram por apanhar confundem-se com a impossibilidade de brevemente regressar No velho quintal esquecidas ficaram por saborear Nas tangerinas de Silves, pai ainda mora a doçura do teu olhar Tarda este mal em passar Cuida-se da vida, que se quer recolhida Morre a possibilidade de amar ao abraçar Maldito tempo este, de vida tolhida Ergo o anseio de novo o café contigo partilhar Mas na leveza do teu corpo envelhecido a vida foge e eu tardo Dedicado ao meu pai e ao maldito vírus que nos impede de o ver neste ano da desgraça …

Ler Mais »