Home / Aurélio Cabrita

Aurélio Cabrita

Natural de S. Bartolomeu de Messines, nasceu em 1978. Licenciado em Engenharia do Ambiente, é mestrando em História do Algarve e técnico superior no Município de Odemira. Tem publicados diversos artigos e livros sobre a história local e regional. É também colaborador no jornal on-line Sul Informação.

Autárquicas 2017 – A derradeira oportunidade?

O poder local prepara-se para encetar um novo ciclo a partir do próximo dia 1 de outubro. O país e o Algarve em particular têm vindo a atravessar no último ano um tempo de bonança, de tal forma que muitas autarquias depauperadas financeiramente viram a sua situação alterar-se de um pesado défice para um superávite (excedente). Todavia, a incerteza que se vive a nível mundial, com uma hipotética “corrida” às armas, seja pelos Estados Unidos ou pela Coreia do Norte, a cada vez mais evidente ascensão da China a primeira potência mundial, a agonia/ implosão da União Europeia, a perda …

Ler Mais »

Reinventar o quotidiano: A Igreja Matriz de S.B. Messines

No mês de agosto, na edição especial de verão, fizemos um roteiro com sugestões de atividades que podem ser realizadas no nosso concelho. Na rubrica “Reinventar o Quotidiano”, publicamos mais esta sugestão de Aurélio Cabrita.  A igreja matriz de S. B. de Messines – Constitui o ex-líbris da freguesia e uma pequena pérola do interior algarvio. A fachada barroca apresenta incontestável efeito cénico, pela conjugação de materiais diferentes (calcário e grés de Silves), da utilização de elementos arquitetónicos dinâmicos e de uma escadaria, ladeada por duas pilastras com volutas e jarrões. Já no interior destacam-se as colunas torsas (século XVI), …

Ler Mais »

Centenário das aparições: A segunda visita da Virgem e a Capela da Cumeada

No âmbito das comemorações do centenário da definição dogmática da Imaculada Conceição, que ocorrera em 08/12/1854, Nossa Senhora de Fátima regressou ao Algarve para percorrer todas as paróquias, vindo a permanecer em S. B. de Messines durante 7 dias, entre 12 e 19/09/1954. Os messinenses foram receber a Virgem, nas Caldas de Monchique, de onde em cortejo automóvel foi conduzida até à Calçada. Aqui foi organizada uma procissão para a igreja matriz, na qual participaram milhares de pessoas e velas, “caminhando lentamente, estrada fora, todos cantando e rezando numa romagem de fé, que dificilmente será esquecida”, noticiava, sobre o acontecimento, …

Ler Mais »

Centenário das Aparições: A primeira visita da Virgem Peregrina, em 1947

O Algarve recebeu pela primeira vez a Virgem Peregrina de Fátima entre os dias 23/12/1947 e 08/01/1948, naquela que constituiu a terceira saída da imagem da Capelinha das Aparições. Durante cerca de 15 dias, Nossa Senhora foi transportada de automóvel por todos os concelhos da região, demorando-se escassas horas nas paróquias visitadas. Em S. B. de Messines a imagem permaneceu na freguesia entre as 17:30 e as 20:30 do dia 31/12/1947. Não obstante a curta visita, os messinenses empenharam-se sobremaneira na sua receção. Assim as ruas foram atapetadas de juncos e verduras, bem como atravessadas de grandes e simbólicos dísticos, …

Ler Mais »

Centenário das aparições: os messinenses e o culto a Nossa Senhora de Fátima – I

A notícia das aparições de Nossa Senhora do Rosário aos três pastorinhos, em Fátima, terá chegado a S. B. de Messines através da imprensa, difundindo-se depois por via oral. É hoje sobejamente conhecida a reportagem de Avelino Almeida inserida no jornal nacional “O Século”, na edição de 15/10/1917, intitulada “Como o sol bailou ao meio dia em Fátima”. A 23 de julho o mesmo periódico já havia noticiado pela primeira vez as aparições. Com grande difusão a nível nacional e de circulação rápida através da ferrovia a imprensa diária lisboeta era lida com avidez na região. Também a nível local …

Ler Mais »

Evocar o silvense/farense Luís Gordinho Moreira

Nasceu na rua da Misericórdia em Silves em 30/12/1920, filho de Luís Moreira, solicitador e de Georgina do Carmo Gordinho Moreira, professora diplomada. Após licenciar-se em Filologia Românica, fixou-se na cidade natal como professor. A 11/09/1943 contraiu matrimónio, em Silves, com Maria Teresa Correia Cabrita, natural de S. B. de Messines. Quarto diretor da Escola Industrial e Comercial de Silves (1949-1953), promoveu a criação do Curso Geral do Comércio. Afecto aos ideais do Estado Novo, foi nomeado presidente da Câmara de Silves, cargo que desempenhou entre 1951 e 1955. Enquanto edil teve particular ação na construção do novo edifício para …

Ler Mais »

José Manuel Vargas publicou duas novas obras

O nosso colaborador José Manuel Vargas publicou recentemente dois novos livros. No passado dia 18 de fevereiro foi apresentado em Coina, perante uma sala repleta, a obra “Foral de Coina – 1516”, uma edição da Câmara Municipal do Barreiro. Trata-se de uma obra ímpar, sobre um dos principais portos do Tejo, de onde desponta o vasto conhecimento do autor sobre o tema, o rigor que empreende em todos os seus trabalhos, aliados a um excelente grafismo. O livro divulga não só o Foral, como contextualiza a localidade antes e durante a sua vigência. Metodologia também usada no livro “Canha e …

Ler Mais »

Recordar o Ultimato Inglês – reações em Silves e S.B. de Messines!

Os meses de janeiro e fevereiro de 1890 foram vividos pelos portugueses de uma forma intensa e tumultuosa. Portugal pretendia exercer a soberania dos povos que se localizavam entre as colónias de Angola e Moçambique, ou seja, unir aqueles dois territórios, entre si, conforme elencado Mapa Cor-de-rosa, traçado em 1886. Tal objetivo colidia, porém, com as pretensões da Grã-Bretanha que aspirava ao domínio de uma faixa terrestre entre o Egito e a África do Sul, regiões que pretendia ligar através de uma linha ferroviária. O governo inglês ao ter conhecimento, em 11/01/1890, que o explorador português Serpa Pinto ocupava uma …

Ler Mais »

O Concelho de Silves e a reforma administrativa de 1836 ( As lutas pelas freguesias de Alcantarilha, Pêra e Porches)

Há 180 anos o país via o número de concelhos reduzir drasticamente, dos mais de oitocentos, que existiam no princípio do século XIX, eram extintos cerca de quinhentos. A reforma administrativa deu os primeiros passos ainda durante a guerra civil, com a publicação do decreto de 16/05/1832, da autoria de Mouzinho da Silveira. Com a vitória do liberalismo, seguiram-se novos diplomas, sendo que a 06/11/1836 era publicado o decreto que, entre muitos outros aspetos, reduzia para 351 o número de concelhos em Portugal continental. Diploma que seria implementado pelo ministro do Reino Passos Manuel e que resultara de um estudo …

Ler Mais »

As festas tradicionais em S.B. de Messines ou a ausência delas?

As tradições estão na moda e por isso qualquer festejo é de imediato associado a antigos costumes, muitas vezes erradamente. Na verdade tradição implica continuidade ou permanência de doutrinas, costumes ou valores, em determinada comunidade. Ora em S. B. de Messines só duas festas preenchem estes requisitos: a mais antiga realiza-se, pelo menos, há 311 anos, a solenidade em honra de Nossa Senhora da Saúde, em setembro, enquanto a mais recente remonta a 8 de março de 1895, o dia de João de Deus. Dias em que os messinenses ano após ano, saíam à rua, ou não fossem brindados logo …

Ler Mais »