Home / Editorial

Editorial

Quando o mundo (parece que) não muda

No nosso minúsculo mundo a que chamamos Concelho de Silves, parece que há coisas que não mudam. E algumas não mudam mesmo, provocando por vezes algum desespero a quem tenta escrever uma reflexão sobre o que de mais importante por aqui se vai passando. Como é o caso desta pessoa que escreve neste espaço. Fosse eu buscar os textos de 2014, sobre o primeiro orçamento da responsabilidade do executivo CDU na Câmara Municipal de Silves, e os comparasse com os que publicamos nesta edição de dezembro de 2018, que diferenças encontraríamos? Respondo já: além dos números, muito poucas. A CDU …

Ler Mais »

O valor da verdade

Entre 2004 e 2006 a Câmara Municipal de Silves, liderada pela presidente Isabel Soares e por uma maioria absoluta do PSD, entendeu dar à empresa Viga d’ Ouro, de Tunes, um enorme número de empreitadas. Na azáfama de tanta obra, a autarquia esqueceu-se de cuidar do bem comum. Os relatórios oficiais são arrasadores: neste período foram feitas obras sem concurso, no valor de quase cinco milhões de euros, todas pela mesma empresa, que cobrou pelo seu trabalho cerca de cinco vezes mais do que o preço normal de mercado. Esta é a essência do caso Viga d’ Ouro, foi assim …

Ler Mais »

Silves Tax-Free

O turismo no Algarve está a atravessar um momento delicado, com os indicadores a cair ao mesmo ritmo a que os destinos tradicionalmente concorrentes começam a ultrapassar os problemas que enfrentaram nos últimos anos. O Brexit está também por aí, a inquietar muita gente. A concorrência interna está em alta e os fluxos turísticos dedicam cada vez menos tempo ao turismo “sol e praia” algarvio. Nesta conjuntura, os municípios algarvios decidiram criar uma chamada taxa turística. Para angariar verbas para investir em projetos, dizem. E quais projetos? Ninguém sabe. E também para ajudar a pagar os gastos suplementares que as …

Ler Mais »

Sobrou fogo, faltam medalhas

No rescaldo do chamado incêndio de Monchique, que atingiu profundamente a zona serrana de Silves, têm-se apurado várias conclusões sobre o que correu mal no combate ao fogo. A primeira pista foi deixada pela presidente da Câmara de Silves, Rosa Palma, em declarações a televisões nacionais, nas quais, com serenidade e notória escolha de palavras, afirmou em voz alta o que mais se ouvia no terreno: que tinha havido falta de coordenação. Havendo pessoas mais habilitadas para falar sobre a (des)coordenação dos meios de combate ao fogo, destaco outra lacuna que me parece importante: a falta de informação às populações. …

Ler Mais »

O destino a que escapamos

O miúdo era grande barra na escola primária. Os pais, camponeses muito pobres, consideravam fazer um enorme sacrifício para que o filho pudesse prosseguir os estudos. Cometeram o erro de perguntar a opinião ao lavrador, “ponha-o mas é a trabalhar!” disse este de imediato. E o miúdo seguiu o destino da maioria dos meninos da sua cidade. Aos 13 anos foi trabalhar para uma fábrica de cortiça. Lá de longe chegam imagens de meninos e meninas agrupados em jaulas, deitados no chão, separados dos pais. Em tudo iguais aos meninos e meninas que passeiam fora dessas celas. De diferente apenas …

Ler Mais »

Onde fica o interior?

Convenci-me há dias (com um entusiasmo muito moderado) a ler o Plano Nacional para a Coesão Territorial (PNCT), após ter visto o ministro Siza Vieira a dar entrevistas a órgãos de comunicação social regional. Sabendo que apenas a freguesia de São Marcos da Serra é incluída no PNTC, li, ainda assim, as 144 páginas de texto. No final, aplaudi quase todas as medidas propostas, embora não percebendo como iriam ser executadas uma vez que o documento não apresenta números (orçamentos)… Assim, com a informação incompleta, aventurei-me na leitura da entrevista publicada no Sul Informação. Do muito blá blá retive um …

Ler Mais »

Os Ausentes

Este mês dedico o meu editorial, escrito na véspera do 25 de abril, a uma categoria de pessoas que muito, muito provavelmente não lerão este texto. Falo dos que não participam, dos ausentes. Quando há eleições fala-se sempre dos que não votam. As pessoas não participam, ouve-se dizer. À exceção do futebol, todos os outros sectores, da política à cultura, parecem impregnados dessa triste constatação… as pessoas não se interessam, não se envolvem… À medida que a maioria da população se ausenta mais e mais da responsabilidade de decidir a sua vida, torna-se fundamental que quem governa esteja ciente da …

Ler Mais »

18 Anos/ 200 Edições

Em Abril do ano 2000, o Terra Ruiva colocou na rua a sua primeira edição, numa festa realizada no bar do Racal Clube, em Silves. Em Abril de 2018 comemoramos o 18º aniversário e, numa coincidência feliz, chegamos à 200ª edição. É difícil descrever o que estes números representam em termos de trabalho, esforço, dedicação, resiliência. Também não é fácil enumerar as falhas, os fracassos, as debilidades, as grandes e pequenas derrotas. Ainda assim, em abril de 2018, comemoramos o 18º aniversário, na 200ª edição e entregamos aos nossos leitores um jornal com recursos humanos e financeiros modestos, cingido ao …

Ler Mais »

João de Deus e a laranja

Há uns anos atrás, a Vila de Messines engalanava-se para festejar João de Deus. Este messinense não foi um homem qualquer. Apesar da da forma modesta como viveu, distinguiu-se por ser o autor da Cartilha Maternal, concebida para que o ato de aprender a ler fosse intuitivo e tão simples que qualquer pessoa com conhecimentos rudimentares pudesse tornar-se num “professor”. O seu método arrancou do analfabetismo milhares de pessoas em Portugal e no mundo lusófono. O nome de João de Deus perdura em muitos locais de Messines mas as comemorações que se organizam no aniversário do seu nascimento, a 8 …

Ler Mais »

Os caminhos da desertificação

Numa sessão da Assembleia Municipal a que assisti, em dezembro de 2017, apresentou-se um cidadão com uma vulgaríssima pretensão. Queria que fosse arranjado o caminho que conduz a sua casa, perto da Barragem do Arade. Pelo que dizia, um pedido/reclamação feito em ocasiões anteriores e nunca satisfeito. Pois se era certo que alguns melhoramentos eram periodicamente efetuados no referido caminho, certo era também que com as chuvas de inverno todo o esforço, material e despesa escorriam literalmente pela encosta abaixo. Uma situação que levava o cidadão a pedir a única solução que poderia resolver o problema: o alcatroamento da estrada …

Ler Mais »