Opinião

Conhecer a história: uma mais-valia ou um perda de tempo?

Amiúde, menciona a diretora do «Terra Ruiva», Dr.ª Paula Bravo, nos seus editoriais, as abordagens que lhe são feitas por vários leitores, não raras vezes críticas, sobre a publicação reiterada de textos sobre história no jornal. Para muitos, tal não revela interesse nem utilidade, por se tratar de assuntos há muito esquecidos e perdidos na poeira dos tempos. Mas será mesmo assim? As necessidades básicas do nosso dia-a-dia serão diferentes do que foram no passado? O modo como agimos e conduzimos as nossas vidas alterou-se substancialmente? Teremos alguma coisa a aprender sobre aqueles que nos antecederam e que viveram no …

Ler Mais »

Cristaleira

O mês de dezembro tem sido um momento de recomeços. Inimaginavelmente, muitos acontecimentos, relevantes na minha vida, ocorreram nos dias finais do ano, desde o começo dos tempos, como o meu nascimento. É como se antecipasse em alguns dias a vontade de recomeçar, própria do início dos anos vindouros. Mas este recomeço do tempo também resulta, por outro lado, num findar de outros projetos, com a conclusão de tarefas. As memórias, associadas à reconstrução da moradia dos meus pais, neste mês, relembraram-me a história de um móvel da sala, uma cristaleira. A sua história (ou será estória) começa com o …

Ler Mais »

Governo desgovernado

Contra todas as previsões, o governo de maioria absoluta do PS, com o mandato de quatro anos e meio, é demitido ao fim de pouco mais de ano e meio, desde que tomou posse. Em apenas 16 meses, 13 governantes deixaram o governo. O clique final foi dado com a detenção do chefe de gabinete do 1.º ministro, Vítor Escária, de Diogo Lacerda Machado, consultor próximo, alegadamente envolvidos em altos negócios privados, e com o comunicado da Procuradoria-Geral da República, que implica o próprio António Costa na “Operação Influencer”. O governo do PS autodestruiu-se pelos sucessivos casos de justiça, mas, …

Ler Mais »

Fracionamento Rústico

Inúmeros são os fatores que permitem que a ciência do Direito vá sofrendo alterações ao longo dos tempos. O pensamento do legislador altera-se consoante os tempos e o que hoje é verdade, provavelmente amanhã já não o será. Fazendo uma retrospetiva dos últimos cinquenta anos, as mudanças são incessantes em muitos setores. Hoje, falo-vos dos prédios rústicos e das possibilidades de fracionamento que a lei prevê. Sabe-se que está na Assembleia da República, em vias de ser aprovado, um conjunto de regulamentações que irá clarificar a lei que hoje está em vigor. Refiro-me a clarificar, porque não me parece que …

Ler Mais »

Toquem-se os sinos a rebate: “Silves tem 6% das empresas no distrito de Faro”

Inseriu o «Terra Ruiva», na sua edição de Julho, uma pequena notícia relativa a um estudo promovido pela empresa Iberinform, sobre a distribuição empresarial no Algarve. Segundo o mesmo, no contexto regional, «Loulé lidera a lista, abrigando 20% das empresas, seguido por Faro com 14%, Albufeira com 13%, Portimão com 12%, Lagos com 8% e Silves com 6%». Talvez pela época estival em que estávamos, para muitos período de férias, a notícia não gerou quaisquer comentários, nem das indiferentes forças políticas do concelho, nem da sociedade em geral. Ora, o concelho de Silves localiza-se no coração do Algarve, é servido …

Ler Mais »

Vizinhança

Por vezes tento explicar onde vivo, mais concretamente, onde são os aposentos que considero lar. Porque viver, podemos fazê-lo em lugares distintos e, de quando em vez, ainda vivemos mais quando viajamos, por sítios conhecidos ou desconhecidos, ou quando almoçamos ou jantamos, habitualmente ou não, com amigos, ou quando trabalhamos, valorizando o nosso labor, do que nos nossos compartimentos. O viver acontece em diferenciados locais e situações, com diferentes gentes. O que é diferente do local em que habitamos. E é este lugar que situo, com o apoio de edifícios públicos nas redondezas, como seja a Biblioteca Municipal ou a …

Ler Mais »

Climaxes

Os climaxes atingidos pelos climáximos são excitantes e divertidos. São o cume de um outro prazer e dão nas vistas. Admiro os climáximos. São activistas preocupados com o aquecimento global, mas muito excitados. Têm idade para isso. Filam quem acham que são os maiores responsáveis pelas alterações climáticas e sacam da bisnaga ou do balde de tinta. Não sei se, lá em casa, os papás começam por ser os primeiros bonecos humanos onde afinam as tintas. As acções que organizam para combater o aquecimento global conseguem mesmo aquecer o ambiente local. As pessoas que presenciam os imaginativos climaxes ficam possuídas …

Ler Mais »

Algumas pertinências impertinentes

Ainda sobre as árvores e na sequência da elucidativa conferência do arquiteto paisagista, Gonçalo Duarte Gomes, promovida pelos Amigos de Silves, algumas breves considerações. De entre várias questões abordadas na comunicação, apraz-me relembrar o princípio de que a árvore é um ser vivo e não um objeto. Parece um entendimento básico, mas a indiferença e até o desprezo com que as ignoramos e tratamos não revela essa evidência. Assim, mais até do que o conhecimento científico, o qual nem sempre é consensual, basta pensar, por exemplo, que um estudo de impacte ambiental pode ter opiniões tão divergentes, consoante os interesses …

Ler Mais »

Campeões contra tudo e contra todos

Há no Algarve uma pequena equipa de desporto motorizado que acabou de se sagrar Campeã Europeia de Corridas de Resistência. Fundada em 2010 por Stewart e Samantha Cox, a Algarve Pro Racing Team ou APR tem a sua sede na Tavagueira, no concelho de Albufeira e conta na sua fileira com gente portuguesa e de outras origens para vencer as corridas que disputa no universo das corridas de resistência por todo o mundo. Da Ásia à Europa, sem esquecer os Estados Unidos da América, a APR tem levado a bandeira de Portugal e o nome “Algarve” aos lugares mais altos …

Ler Mais »

Dar com uma mão e tirar com a outra

O Orçamento do Estado (OE) para 2024 não traz nada de novo quanto às grandes linhas de orientação traçadas pelo Governo de António Costa, a não ser uma deriva para a direita, também com mais privatizações, da TAP à EFACEC. Não é pois surpreendente que a jornalista Ana Sá Lopes tenha defendido recentemente que “não é fácil ser-se oposição de direita por estes dias”, ao considerar que o governo do PS se teria apropriado do seu programa em matéria de finanças públicas. Porém, nada que contrarie a lógica do mercado único e da moeda única da União Europeia, espaço onde …

Ler Mais »