António Guerreiro

Natural de Silves, nascido em 1962, é doutor em Educação Matemática, professor e diretor da Escola Superior de Educação e Comunicação da Universidade do Algarve. Os seus interesses atuais nos tempos livres são a escrita, a leitura e a fotografia.

Felicidade

Sou feliz quando extravaso as minhas fronteiras. Sou infeliz quando se retraem as minhas fronteiras. Na generalidade dos dias, meses e anos, sou eu, nas minhas fronteiras, nem feliz nem infeliz, fazendo o que deve ser feito, segundo o meu saber e as minhas competências. Se vivo ou trabalho materializando as minhas utopias, aí não conta, porque sou feliz. Este extravasar ou retrair dos limites, acontece, por vezes, inesperadamente, em pequenos instantes de felicidade ou de infelicidade, raramente previsíveis. Por isso, vive-se a felicidade ou a infelicidade no reviver desses momentos ou na rememoração de tempos em que hipoteticamente fomos …

Ler Mais »

Universos Paralelos

Há doze anos fui, em trabalho, a Lisboa, no dia vinte e quatro de abril. Regressei de autocarro, num horário e percurso inusual, passando por algumas povoações, como Ourique, antes de aportar no Algarve, concretamente em Lagoa. Sentado num dos lugares primeiros do autocarro, pairei sobre as localidades, como se existissem dois universos paralelos, o universo do piso do autocarro e, lá em baixo, o universo da realidade concreta das gentes que permanecem nestes lugares. Uma sensação de voo, sublevado pelas autoestradas e pelo próprio meio de transporte, criou em mim um sentimento de não pertença ao mesmo mundo dos …

Ler Mais »

Geologia

Para mim as rochas são pedras ponto. Esta barbaridade geológica é falta de conhecimento elementar, basta uma pequena pesquisa e facilmente encontro a distinção entre pedra e rocha. Pedra é um material sólido natural, e rocha é um conjunto natural de minerais, os quais assumem diferentes características. Ocorrem-me de memória, com apoio num motor de busca, alguns tipos de rocha como a ardósia, o quartzo, o diamante, o basalto, o granito, a argila, o mármore, o arenito. O arenito avermelhado, o argilito, a argila e outros minerais compõem o grés de Silves e dão um tom ruivo à nossa terra …

Ler Mais »

Confinamento

As minhas ideias para uma crónica estão confinadas. Não tenho saído de casa, exceto para me abastecer de bens alimentícios. A cidade, particularmente a baixa comercial, ainda está mais deserta do que num domingo de verão, o tempo ainda está invernoso, por isso não tem sido muito difícil hibernar (ou invernar) no meu casulo. Mesmo nestas condições, verdadeiramente, já estou a ficar farto. Vale a pena mais um mês de esforço, para conseguirmos uma primavera e um verão de desconfinamento, com a utilização de máscaras e restantes cuidados de distanciamento social. Acredito que podemos ter no final de verão e …

Ler Mais »

Esquentador

Quando eu era criança vivia, junto aos Paços do Concelho, na sonante rua Dr. António de Oliveira Salazar. A rua era central, mas a casa era modesta e não tinha aquilo que hoje se entende por casa de banho, muito menos esquentador. O esquentador é um dos eletrodomésticos essenciais, na atual comodidade das pessoas e famílias, apesar de desaparecer discretamente nas cozinhas, dá calor aquele espaço único destinado ao banho, na dita casa, seja de água quente ou de água tépida. A água fria é apenas uma alternativa. Claro que eu tomava banho, durante o fascismo, mas para mim o …

Ler Mais »

Postal de Natal

Atualmente, para enviar um postal de Natal, posso utilizar vários meios de comunicação, desde logo através deste jornal, mas também por email, serviços de mensagens, pelo tradicional serviço de correio e, ainda, por interposta pessoa ou pessoalmente, com o cuidado de resguardar o referido postal num envelope, de preferência adequado à época natalícia. Os postais de Natal desejam boas festas e um ano novo cheio de felicidades. Atendendo à proximidade destas duas festividades, numa única mensagem envolvemos toda a quadra festiva. Particularmente, neste ano, bem precisamos de esperança e de um novo ano bem distinto, para melhor, do que agora …

Ler Mais »

Linguados

Um dos serviços de refeições da ação social da Universidade do Algarve é uma cantina de grelhados, isto é, um serviço de cantina em que todas as refeições são grelhadas, peixe ou carne. As alternativas, normalmente, são duas a três de peixe ou de carne, em cada dia da semana, bem como os acompanhamentos que apresentam: arroz, branco, de cenoura ou de ervilhas, batatas, fritas ou assadas, legumes, esparregado, feijão verde ou couve flor, e salada, tradicional (todos os dias) ou algarvia (só à quinta-feira). De entre os peixes, bacalhau, chocos, lulas, carapaus e outros. Num dos dias da semana …

Ler Mais »

Há três noites que eu não durmo

Quando eu andava na Escola Primária, há uns cinquenta anos, nós, os rapazes, cantávamos a música tradicional do galito. «Há três noites que eu não durmo, lalá,/eu perdi o meu galito, lalá./Coitadito, lalá!/pobrezito, lalá!/Eu perdi-o no jardim./ (…)». Apesar do jardim ser perto da escola, nunca imaginei que o galito teria sido perdido naquele jardim. Até porque, o jardim era, para mim, um local de passagem e não de permanência. Por isso, a que propósito eu levaria para o jardim o meu galito? Nesse tempo do antigamente, os sábados de manhã, na escola, eram ocupados com estas músicas tradicionais e, …

Ler Mais »

Gaitinhas

A contagem das laranjas era feita pelo Gaitinhas, que sabia os números todos até mil, segundo afiançara Sagui, o que causava a admiração dos companheiros. Esteiros (1941), Soeiro Pereira Gomes   João da Fonseca, o Gaitinhas dos Esteiros, tem 91 anos e vive num lar de idosos em Vila Franca de Xira, não muito longe de Alhandra. O senhor João da Fonseca sofre de uma das formas de demência, denominada de doença de Alzheimer. Conversa com as funcionárias da instituição de solidariedade social, com os outros utentes e com os familiares, principalmente com um neto, professor na margem sul, que …

Ler Mais »

Abaixo a Estátua

As estátuas tentam glorificar o passado ou, pelo menos, alguns antepassados, neste eterno presente. São marcas das gerações pretéritas para as futuras procriações. Chamo estátuas às representações de alguém em concreto ou de alguém em abstrato, não estou incluindo os ícones religiosos que tradicionalmente apelidamos de santos. A interessante relação entre as imagens religiosas e a nossa representação mental e social das figuras bíblicas, nomeadamente do novo testamento, e dos santos, sejam populares ou eruditos, é, porventura, um segredo divino. Em Silves ainda existem algumas estátuas, incluindo estátuas de corpo inteiro e bustos, figurativos de uma personagem, e grupos escultórios. …

Ler Mais »