Opinião

25 de abril de 1974 – as mulheres antes e depois

Neste ano de comemoração dos 50 anos da revolução de abril, é importante recordar a história, para que não se repita um período de perda de liberdades e direitos, de obscurantismo e medo. Sobretudo para os que já nasceram depois e a quem não foi contado o difícil caminho da conquista da liberdade. Vamos dedicar o texto deste mês às mulheres, antes e depois de Abril. Na ideologia vigente, os direitos da mulher eram quase inexistentes. A função da mulher era ser mãe, esposa, submissa e dona de casa. Desde pequenas, as mulheres eram educadas para serem assim, submissas ao …

Ler Mais »

Onde estava no 25 de Abril de 1974 … e 24 anos do jornal Terra Ruiva

Onde estava no 25 de Abril de 1974   À época era estudante na Escola Secundária de Silves, frequentando o 6.º ano do Curso Complementar de Administração e Comércio. No dia da revolução, num diário que, com intermitências, vinha elaborando, escrevi: “Grande revolta militar. Acabou o fascismo!” Sublinhava o clima de alegria reinante nas ruas e a ânsia pelas notícias difundidas pela RTP (único canal televisivo) sobre o desenvolvimento das operações militares. Recordo que no dia 26 de abril, irrompeu uma grande manifestação de estudantes, a partir da atual Escola Secundária, que, interrompendo as aulas, percorreu as ruas da cidade …

Ler Mais »

ABRIL – Como e porquê?

De 1933 a 1974, Portugal viveu sob a guilhotina dum regime marcado por uma conceção presidencialista, autoritária e antiparlamentar, de partido único e corporativista, dirigido inicialmente por Oliveira Salazar e posteriormente, a partir de 1968, por Marcelo Caetano, assente na falta de liberdades individuais e coletivas, no medo, na censura, nas prisões e na repressão, acolitado pela legião e por uma polícia política feroz, a PIDE/DGS, sendo interditos os direitos á greve, ao associativismo e ao sindicalismo. No campo social, imperavam acentuadas desigualdades, com uma expressiva pobreza e uma elevada emigração. Grassava o analfabetismo (40%), sendo reduzido o acesso ao …

Ler Mais »

50 aniversário do 25 de Abril, pelo almirante Martins Guerreiro

Em boa hora o jornal Terra Ruiva decidiu celebrar este aniversário especial do 25 de Abril, quando surgem no horizonte nuvens negras que pretendem obscurecer a luz da liberdade, a participação ativa, a cidadania plena e a democracia que nos entraram pelas portas e janelas que Abril abriu. São Bartolomeu de Messines, terra rural do interior algarvio, entre a serra e o barrocal, onde as condições naturais e as dificuldades da vida forjaram gente resistente com grande capacidade de iniciativa e luta por melhores condições de vida e pela liberdade, foi berço de homens e mulheres ilustres. Terra republicana de …

Ler Mais »

Sabe o que é a gestão de negócios?

O assunto que hoje trazemos à conversa é uma figura bastante conhecida pelo mundo jurídico, mas que nem sempre é utilizada por desconhecimento dos cidadãos comuns. A gestão de negócios é uma figura do direito civil que consiste na ideia de que uma pessoa possa assumir a direção de negócio alheio no interesse e por conta do respetivo dono, sem para tal estar autorizada. Imagine-se a questão em que alguém sabe que um negócio seja proveitoso para uma determinada pessoa, mas essa pessoa encontra-se fora do país ou impossibilitada de exercer legalmente esse negócio. Pode, assim, um terceiro efetuar esse …

Ler Mais »

Mariposa

Nestes primeiros dias do mês de março do ano de dois mil e vinte e quatro, gostaria de vos contar duas pequenas histórias escolares, manifestar a minha crença nas novas gerações, apesar dos episódios anteriores, e refletir sobre a natureza do voar. A primeira narrativa decorre numa aula de saúde e desenvolvimento da infância e adolescência, numa turma do décimo segundo ano, numa escola secundária do Algarve. O tema abordado na aula foi a vinculação entre o adulto e o adolescente, a partir de um conjunto de situações plausíveis entre o pai ou a mãe e o filho ou a …

Ler Mais »

Gisela João, Do embalar à inquietação

Gisela João, de quem sempre gostei da ousadia, desde o primeiro momento em que se afirmou como fadista, genuína, deu em Silves, na Fissul, no âmbito da Mostra Capital da Laranja, um excelente concerto. Do fado às canções de José Afonso, tivemos oportunidade de ouvir uma voz poderosa, modelada e ampliada em diferentes registos. Ouvi-la e vê-la no palco, ajoelhada, elevar a voz, numa interpretação muito singular da Canção de Embalar, silenciando por completo uma plateia, embalou a estrela d’alva no alvorecer da emoção. Falando no intervalo das canções como se estivesse entre amigos ou em família, mulher do norte, …

Ler Mais »

Olhar o Mundo

Após horas de debates entre os partidos com representação parlamentar e os principais líderes partidários e, por isso, candidatos a primeiro-ministro, pouco ou nada se falou do mundo, dos seus riscos e desafios que podem ter impacto em Portugal. Basta observar um mapa para verificar que Portugal está inserido entre o Atlântico norte e o Atlântico sul, entre o Mediterrâneo e o Atlântico, entre o resto da Europa e as Américas e África. Todavia, decorridos os debates na TV e rádio, salvo raríssimos apontamentos, fica a sensação de que Portugal está orgulhosamente só, alheado de tudo o que se passa …

Ler Mais »

Novo ano, novidades legislativas

Iniciamos o ano com um leque de novidades legislativas que em muito se refletem nos negócios jurídicos a que estamos habituados. O Decreto-Lei 10/2024, de 8 de janeiro, procede à reforma e simplificação dos licenciamentos no âmbito do urbanismo, ordenamento do território e indústria. Tal diploma tem impacto significativo no que toca à titulação de negócios jurídicos sobre imóveis, seja através de escritura pública ou documento particular autenticado, uma vez que a intenção legislativa foi a simplificação formal, através da eliminação de exibição ou prova da licença de utilização, assim como da ficha técnica de habitação. Porém, existem várias considerações …

Ler Mais »