Teodomiro Neto

Natural de S. Bartolomeu de Messines, nascido em 1938. Concluiu licenciatura em História e o doutoramento em "História Política Europeia". Professor universitário, em França, ( entretanto aposentado), tem colaborado com diversos jornais nacionais e regionais. Tem publicadas várias obras no âmbito da história regional, teatro e romance. Entre outras distinções recebeu a Medalha de Mérito Ouro da Cidade de Faro.

Os Seculos dos Clássicos – Luís de Camões e João de Deus

Luís de Camões e João de Deus, três séculos os separam  Vamos ao encontro destas duas figuras que marcaram os seus séculos para os futuros da cultura Portuguesa, Europeia, Américas, etc. Eles passaram pelos seus tempos, em poucas alterações política e religiosa. LUIS DE CAMÕES, nas Caravelas, nas torturas dos sistemas: real/religioso. Foram tempos para mudanças seculares… JOÃO DE DEUS, foi nas mudanças  da modernidades: política e do ensino, falecendo a duas décadas da implantação da República. Um republicano em monarquia. CAMÕES  não fugiu aos hábitos portugueses na ignorância do tempo Barroco e nos que se seguiram. Nas minhas publicações, …

Ler Mais »

Conhecer Manuel Teixeira Gomes

Estudo de 631 páginas num Homem de muitas vidas a entender: Escritor, Político, Embaixador, Presidente da República Portuguesa. Uma figura de português, na História trágica, de espelho europeu, do primeiro quarto do século XX. Tal o autor, José Alberto Quaresma, Professor, nos coloca, num “Estudo” notável, ao conhecimento do Homem: “Boémio, Negociante, Melómano, Viajante, Escritor, Diplomata, Presidente da República”. É muito para Homem só… Eu levei meses, numa estrafega, para “aceitar” o HOMEM, de  alguns “defeitos” e de muitas qualidades. Procurei ler, “conhecer”, essa Figura de admirações e de muitos “ódios”. Para mim valem as admirações ao Homem Político e …

Ler Mais »

Terra Ruiva, Duas Décadas +1

TUDO é veloz… Creio ter publicado 200 artigos, da minha lavra, no  mensário  da minha Terra, ao convite da sua direção, com a Jornalista Paula Bravo. Não venho fazer elogios, só o reconhecimento de quem projetou, em décadas passadas, a continuidade da Imprensa na Terra de MESSINES. Há 21 anos, já adulto, se mantém um Mensário digno do ser: Plural, cultural, aberto a quem tem essa vocação de comunicador e cumpridor na palavra escrita. E nisso está um dever, na palavra comunicativa, nas diversidades próprias  e exigidas. Assim entendi o “TERRA RUIVA”, num batismo natural do Lugar… Conheci, pelo Mensário, …

Ler Mais »

Memórias Breves (31)- Massenet e Campina

DOIS Nomes importantes na Música Europeia: O Compositor Jules Massenet, nascido na cidade francesa de Saint-Etienne-Loire ( 1842-1912) e a intérprete da sua música, a Pianista Maria Campina, nascida em Loulé-Algarve (1914- 1984). De ambos construi as biografias: “O Último Concerto de Maria Campina”- 1988, e “ Jules Masenet Un  Stéphanois dans le Monde”, 1992 . Massenet, compositor dos mais fecundos de França, autor de 41 peças: Óperas, Concertos, Composições baléticas, donde se destacam Marie Mgdelaine (1872), Manon (1884), Werther (1892), Tais ( 1894). No século XX,  Le Jongller  de Notre Dame (1901), Don Quixote (1910), Roma (1912), esta sua …

Ler Mais »

Memórias Breves (30) – Homens como os outros

DOIS HOMENS  que  se  marcam em registos de  humanismo, de palavras e nas ações: Alberto Camus  e José Saramago. O Argelino, de nacionalidade francesa e o Português, Ribatejano, José Saramago.   CAMUS: jornalista, romancista,  dramaturgo, filósofo. Nasceu em Mondavi, na Argélia, ainda colónia francesa, a 7 de Novembro de 1913. Figura central do pensamento europeu e norte-africano. Homem de combates políticos pelo mundo, nas palavras e ações. As suas palavras foram fortes para as fraquezas dos intervenientes que, no absurdo das conveniências, levaram o Homem filósofo  a todas as suas posições públicas e de reflexões. Daí as suas obras, os …

Ler Mais »

Memórias Breves (29) – António Ramos Rosa, numa memória

1958, “O GRITO CLARO” encheu a pequena família cultural de Faro em curiosidade. O Poeta tinha a idade de 34 anos. Já passara uma temporada em Lisboa, em circunstâncias de viver e de trabalho: escritório. “Prisão” para um Homem de contrário à sua vida livre e aberta que a juventude permite. Já passara pelo tempo de perseguição, no encontro de juventude, em Bela-Mandil, Faro, na comemoração da Primavera da vitória na 2ª grande guerra mundial: prisão, etc. Depois, da primeira experiência de Lisboa, regressa a Faro para viver a juventude, em 1958. Vivíamos num “clima” cultural,  tendo o Ciclo Cultural …

Ler Mais »

Memórias Breves (28) – O tempo da construção da República

Devemos começar pela cronologia da preparação da República em Portugal. Diríamos que o primeiro susto, de que aí vem a República, foi, aquando, a notícia da Revolução Francesa passou os Pirinéus, assustando a rainha Maria I de Portugal e  de Além-mar , levando-a  a uma precoce loucura. Disso “aguentou”, o bispo, que seria do Algarve, Francisco Gomes de Avelar, como seu confessor, empurrado que foi pelas intrigas  jesuíticas, para o Algarve. Lembremos que, como figura de corredor  europeu por Roma, e suspeito de ser iluminista. Eis a razão da nossa sorte, no Algarve, pela circunstância desse desterro… Só o Algarve …

Ler Mais »

Memórias Breves (27) – O Deputado – O Professor – O Jornalista

O DEPUTADO da Assembleia Nacional, Jorge Correia, o Professor Universitário Vitorino Nemésio e o Jornalista e Director do semanário de Faro “CORREIO DO SUL”, Mário Lyster Franco, publicaram, no citado Semanário de Faro, as suas opiniões sobre a figura do distinto Algarvio Manuel Teixeira Gomes. Estávamos em 1968. … O Semanário de Faro, “Correio do Sul” fundado a 17/02/1920, foi um local por onde passaram todas as correntes políticas, desde o republicanismo ao sistema da União Nacional. Sigamos que foi do republicanismo ao  anarquismo e fascismo, nas várias versões políticas. Comecemos pelo último director, Mário Lyster Franco, licenciado em Direito, …

Ler Mais »

Memórias Breves – O movimento das estátuas

EM  JANEIRO – 2020, publiquei em “Terra Ruiva”, o título “Nossa Senhora dos Pretos”. A hipocrisia dos séculos, em tempos de escravos pelo Algarve. Presentemente, e tão perto, o mundo exalta pela hipocrisia dos tempos passados/presentes, em que os negros foram libertos da escravatura (1865) e o republicano Lincoln, presidente republicano dos E.U.A. prometeu, aos escravos emancipados, que obteriam, após a vitória: Uma mula e 40 acres de terra  (aproximadamente 16 hectares). Na ideia, afirmavam: Era para compensá-los por décadas de maus tratos e trabalho não  renumerado e permitir-lhes olhar para o futuro, como trabalhadores livres. Mas assim que a …

Ler Mais »

Memórias Breves: Manuel Teixeira Gomes, Um homem na Europa

A 6 de Agosto de 1923, os 193 congressistas elegeram, entre, Bernardino Machado, Duarte Leite, Augusto Soares e Magalhães Lima, o Algarvio Manuel Teixeira Gomes, para a Presidência da República Portuguesa. Os Congressistas sabiam que acabavam de fazer uma escolha de sentido patriótico, confiantes de que assim poderia haver continuidade no sistema Republicano, em Portugal. Só o eleito era portador do prestígio que a República carecia para a sua sobrevivência. O semanário de Faro, “O ALGARVE”, publica ( 12/08/1923), numa notícia de vinte palavras, que foi eleito Presidente da República . “O nosso comprovinciano sr. Manuel Teixeira Gomes, que há …

Ler Mais »