Opinião

Até nada

Nada irei saber de ti. Comporei apenas um dia, entre os teus dias, para que todos se ausentem de mim. Este único dia começará com a mancha turvada primeira luz. Estarás, por essa altura, a abandonar o adro acantonado do último sonho. Tardarás, como sempre, a deixar esse pedaço de tempo que se confunde com a vida, e a substitui, quando o mundo já derruiu os tapumes afins do anseio. Acordarás com ferropeias nos olhos. O lugar onde estás impôs-se como refúgio de degredo. Não o querias. Não o sabias. Há lugares na terra que são inabitáveis para todas as …

Ler Mais »

No condado das duas damas

Apesar da aparente pacatez nas terras do condado, com sua mui nobre cidade, de altivo Castelo e vetusta Sé, de belas e bem aparelhadas pedras grés, reinava algum descontentamento entre os habitantes do burgo. É certo que hordas nórdicas de turistas aí aportavam, alguns descendo o Arade como os cruzados de 1189, não para guerrear, mas conquistados pelos seus monumentos, sol e boa comida, inundando esplanadas da baixa e subindo como imensa maré humana ruas acima até à sua parte alta. O negócio corria. O turismo os restaurantes enchia, o comércio satisfazia com o ganho do dia. À noite a …

Ler Mais »

Ses

Nas terras da América do Norte, existe uma expressão com o mesmo sentido do nosso morrer na praia, relacionada com o cinema: Morreu no chão da sala de montagem. Esta ideia é apropriada quando iniciamos este mês de fevereiro e as promessas e os desafios do Ano Novo já, há muito, caíram no esquecimento das rotinas diárias. Pelo menos ainda existiram enquanto foram idealizadas, enquanto, porventura, foram rabiscadas numa agenda ou em outro suporte tecnológico, sinais do tempo, ou mesmo fílmico ou sonoro. Quantos projetos ou desafios iniciamos numa data especial e deixamos expirar passados alguns dias, às vezes até …

Ler Mais »

O consumidor faz-tudo

A introdução de caixas self-service, ou faça você mesmo, para pagamento nos hipermercados e grandes superfícies em substituição das tradicionais linhas de caixa com colaboradores é uma tendência que se tem generalizado. As ditas caixas self-service convertem o consumidor que está prestes a adquirir produtos e artigos num consumidor-colaborador ou, se preferir, no consumidor faz-tudo. O consumidor, para além do acto de se deslocar fisicamente ao local, selecionar os artigos, colocá-los no carrinho ou cesto para posteriormente retirá-los para pagar na caixa, quando chegado a este último patamar é momentaneamente convertido num colaborador da empresa para de forma desenfreada pegar …

Ler Mais »

Manipulação da livre decisão dos cidadãos

Estamos perante mais umas eleições legislativas, desta vez, antecipadas, consequência do fracasso das políticas do PS, que não responderam aos problemas do país, sendo o corolário de sucessivas demissões e escândalos, tendo a corrupção em pano de fundo. E com elas, de novo a mistificação, de que o escrutínio eleitoral se destina à escolha do primeiro-ministro, que a comunicação social repete vezes sem conta. As eleições legislativas não servem para escolher o governo, nem quem o vai chefiar. Na verdade, está em causa a eleição de 230 deputados em 22 círculos eleitorais. É na Assembleia da República que se formam …

Ler Mais »

Inteligência Artificial e Responsabilidade Civil

Com a chegada do novo ano, chega sempre a ideia de novos desafios e de avanços em toda a vida das pessoas. Hoje remeto-me a falar sobre Inteligência Artificial e Responsabilidade civil. Apesar de estarmos já bastante avançados no tema, a própria comunicação social assim como a internet, nos dá conta da existência contínua de muitos avanços na ciência que, colidindo com a área do direito, acabam por trazer à vida de qualquer jurista, uma série de questões. A inteligência artificial, que apesar de muitos acharem que é algo recente, já vem dos anos 50 do século passado. Contudo, é …

Ler Mais »

A minha doce laranja do Algarve

Estes pequenos e grandes lábios e o volumoso clitóris emergente agradeço-os ao meu amigo Manel, produtor de citrinos. Vinham à tona num pesado caixote a abarrotar de laranjas. Esta, que me pôs em sentido, pesava 760 gramas. Cascarruda, como gosto. Quem não gosta de uma cascarruda que se acuse. Agradeço, sobretudo, o que se escondia dentro da casca das laranjas. O doce, muito doce. Sorvo-lhes todos os dias os gomos, com um prazer quase pecaminoso. Vou até ao âmago. Dos beiços, os meus, escorre-me este precioso líquido – quase mel de flor de laranjeira de S. Bartolomeu de Messines – …

Ler Mais »

Encruzilhada

“Encruzilhada” poderia muito bem ser o título de uma série da Netflix. Um drama político que acompanha a governação de um país chamado Portugal, onde, no último episódio da temporada anterior, o público é surpreendido por uma súbita demissão do Primeiro-Ministro que usufruía de uma maioria absoluta e que, após ter passado incólume por numerosos casos e polémicas que resultaram em mais de uma dezena de demissões de Ministros e secretários de Estado num curto espaço de tempo, sucumbe devido a uma série de buscas na residência oficial e à sucessão de notícias que davam conta da presença de dezenas …

Ler Mais »

Ano Novo, velhas ameaças

“Tal situação não tem a ver apenas com a física ou a biologia, mas também com a economia e o nosso modo de a conceber. A lógica do máximo lucro ao menor custo, disfarçada de racionalidade, progresso e promessas ilusórias, torna impossível qualquer preocupação sincera com a casa comum e qualquer cuidado pela promoção dos descartados da sociedade. Nos últimos anos, podemos notar como às vezes os próprios pobres, confundidos e encantados perante as promessas de tantos falsos profetas, caem no engano dum mundo que não é construído para eles.” (Papa Francisco, Exortação Apostólica Laudate Deum, 4 de outubro de …

Ler Mais »

Velhice

A velhice faz-nos mais rugas no espírito do que na cara. Montaigne O tempo solta-se impiedosamente. A memória distrai-se da sua passagem. Queremos sempre regressar onde fomos, supostamente, felizes. Não cuidamos que a via, lenta ou rápida, tem um só sentido. Desdenhamos a alegria escavada na pequena sabedoria dos anos. Atentamos apenas nas marcas visíveis do corpo. Ou nos pequenos desacertos dos movimentos, quando ele começa a titubear, deslizando para o silêncio crepuscular. Tentamos esquecer que o espelho nos empurra todos os dias para mais perto da morte, onde seremos trocados pelo olvido e ninguém nos visitará, por mágoa, ou …

Ler Mais »