Opinião

Quanto vale a construção

O sector da construção é, provavelmente, o mais relevante para a economia da região, a seguir ao turismo. Um percurso de dependência entre os dois sectores, construído por mestres e serventes pedreiros, artesãos e aprendizes, carpinteiros e serralheiros que trabalharam uma vida inteira de forma a sobreviver num território onde a mobilidade social e o desenvolvimento urbano assumem diferentes condições daquelas que verificamos em outras áreas metropolitanas do pais ao longo dos últimos 50 anos. A construção e o turismo no Algarve, apesar da enorme expectativa dos consecutivos executivos políticos e produção académica, nunca deixaram de representar uma economia de …

Ler Mais »

Prenda que prende

Fiquei feliz com a prenda do meu aniversário. Não garanto que ainda o esteja. Comecei a abrir o pacote. Lá dentro um smartwatch. Um relógio inteligente, como é respeitosamente tratado em Portugal. Um relógio inteligente, para quem não se ache burro, intimida. A inteligência da pessoa desata a pedir meças com a dele. Nunca ganha. A ideia da prenda não sei se foi da esposa («mas serás tua minha querida esposa, / aquela que se me ofereceu menina?», como Alexandre O’Neil duvidava da sua no poema). Ou da filha (uma boa filha duvida sempre de um pai cheio de dúvidas …

Ler Mais »

Bairro do Progresso

Fui assistir a uma conferência na Biblioteca Municipal sobre as Operações SAAL no Algarve, como o título Cidade Participada: Arquitetura e Democracia. Esta palestra decorreu da publicação de um livro, sobre o referido projeto, em que existe um capítulo sobre o Bairro da Associação Progresso em Silves. É curioso ler um escrito, na perspetiva da arquitetura, sobre uma casa e um bairro em que viveste alguns anos. Ainda por cima, quando um outro capítulo relata o Bairro 25 de Abril, na Meia Praia, em Lagos. Deste último existe associada a lendária música de José Afonso, Os Índios da Meia Praia. …

Ler Mais »

A prisão na Portela de Messines ou a parca estratégia dos agentes políticos do concelho

Tem sido amiúde notícia, nos últimos anos, a pretensão de vários partidos políticos de Silves em concretizarem a construção do estabelecimento prisional do Algarve, junto à Portela de Messines. O assunto remonta à década de 1980, quando o Estado pretendeu a edificação desta infraestrutura, procedendo à expropriação dos terrenos para o efeito, sob forte contestação popular. Esta foi de tal ordem que a referida prisão caiu no esquecimento. Até que, recentemente, diferentes forças políticas concelhias iniciaram diligências para a sua construção, como elemento que entendem primordial de desenvolvimento para a freguesia de São Bartolomeu de Messines. Ora, o concelho de …

Ler Mais »

A conta gotas

Na Grécia Antiga, os fenómenos meteorológicos eram explicados através dos feitos do Deus dos Céus, Zeus, que detinha em seu poder a capacidade de controlar as nuvens, os relâmpagos, os trovões e a chuva. Um dos mitos da Grécia Antiga, retrata que após Zeus se tornar o Deus dos Céus, os mortais (os humanos) sentiam que tinham tudo o que precisavam pelo que, lentamente, deixaram de orar aos deuses. Eventualmente, Zeus decidiu que os mortais precisavam de ser recordados da importância dos deuses e de não tomar por garantido o que tinham na terra. Para persuadi-los, Zeus tirou-lhes a chuva …

Ler Mais »

O Orçamento do Nevoeiro

Todos os anos há Orçamento de Estado; e todos os anos encho esta página com uma pequena análise ao mesmo. Normalmente é por esta altura, Outubro e Novembro, mas já houve anos em que, por via da discussão tardia das matérias orçamentais, a análise chegou mais tardia. Ainda em Maio discutíamos o de 2022. O orçamento de 2023 é discutido dentro do calendário normal. O que não é normal é a natureza da situação em que nos encontramos, com uma inflação galopante como não se via há décadas. Este é um fenómeno pernicioso, originário da quebra das cadeias de produção …

Ler Mais »

Empobrecimento

A espiral inflacionista  é um duro fenómeno económico que atinge os trabalhadores e as famílias portuguesas, que veem os seus salários e pensões perderem poder de compra, principalmente os estratos de mais baixos rendimentos. Face à subida dos preços dos produtos alimentares em 18,9% e à inflação homóloga fixada nos 10,2% – dados reportados a outubro de 2022 -, obviamente, ninguém conseguirá em 2023, um aumento do seu salário ou pensão, próximo de tais valores. É comummente aceite que a atual escalada de preços, inflação importada, é causada pelo efeito de ricochete da aplicação de sanções à Rússia, por esta …

Ler Mais »

Forasteiro familiar

Pensou que, no seu país, as coisas nem melhoravam nem pioravam, tornando-se apenas cada vez mais ridículas e talvez silenciosamente revoltantes. Como se se tratasse ainda e sempre do mesmo espetáculo, com uma distribuição de papéis diferente. Ao regressar a casa, nesse final de tarde, ouvia mais uma vez na rádio do carro o alerta de prevenção de incêndios, repetido à exaustão durante o Verão, Portugal chama… Por nem sempre fazer bem… por haver maneiras certas de fazer. E circulando pela estreita estrada que o levava do litoral ao barrocal, ao fazer a curva que descobria a sua bela cidade …

Ler Mais »

Um certo professor

O Paulo Penisga quer conversinha. Da mansa. Numa bonita crónica, sobre um certo cinema e uma certa juventude, em Silves, exumou um certo passado. Memórias pávidas, enquanto aluno, foram o pretexto. E, entre outras mais importantes, de um certo professor. Sei que me desculpam por me ater nestas. O passado só é um lugar longínquo quando se aloja na terra ermada da deslembrança. Quando o esquecimento se faz esquecido nunca mais nos larga. O Paulo dele também é vítima. Não sei o que lhe passou pela mona para meter um certo professor em intimidades, na prosa, com a Laura Antonelli. …

Ler Mais »

Integral

O escritor Fernando Namora tem um livro de contos, Resposta a Matilde, em que escreve estórias inverosímeis, incomuns, desafiado pela referida Matilde. Num dos contos, um homem vai comprar, todos os dias, ao final da tarde, dois ovos frescos, apenas dois ovos. Ocorre-me este conto – não vou revelar o final – quando vou, de manhãzinha (de dois em dois dias) ao café da esquina, literalmente na esquina, comprar duas carcaças em pão integral. Comecei há um ano, a comprar as duas carcaças, e apenas isso, quando optei por cuidar da obesidade. Há um ano, cada carcaça em pão integral …

Ler Mais »