Trabalhar no interior

O Governo lançou muito recentemente a iniciativa “Trabalhar no interior”, que consiste numa série de medidas de incentivo à mobilidade geográfica de trabalhadores para o território do Interior.
O incentivo mais visível e destacado é o apoio de até 4827 euros para trabalhadores que empreendam a mudança para o território do interior. São igualmente previstos majorações nas comparticipações dos estágios do IEFP nesses territórios e está prometida a abertura de 13 novos Centros de formação para adultos. Foram apresentados planos para um programa de habitação acessível no interior e um leque de incentivos de fundos comunitários, especialmente desenhados para a atração do investimento para o interior, através da mobilização de 76 milhões de euros de fundos europeus, que resultarão em cerca de 424 novos empregos no interior.
O pacote de medidas surge na sequência da semana passada dos anúncios por parte do Governo em retomar a construção do Hospital Central do Algarve e em reduzir as portagens das autoestradas no interior do país.

A serem concretizadas, aplaudo estas iniciativas; o interior do país é palco de uma contínua desertificação económica e humana e é necessário contrariar esse flagelo, em prol de um território mais homogeneizado e igualitário. Tenho algumas reservas quanto à exequibilidade destas medidas, face à contenção orçamental que o Estado tem apresentado nos últimos anos no que toca ao investimento.

No que toca a este “trabalhar no interior”, o meu principal receio é o de ser outra medida como todas as outras que foram apresentadas com o intuito de reduzir as assimetrias regionais, que consistiu basicamente em “atirar dinheiro” para cima do problema e ver se fica resolvido, o que invariavelmente não resulta. Os problemas do interior do país não se resolvem com subsídios a trabalhadores para que se mudem para o interior; o interior precisa de economia e atividade económica, o que é alcançado com uma estratégica concertada de atração de investimento, de ordenamento do território e de uma política fiscal atrativa, empreendida de forma contínua e consistente. Embora a Ministra da Coesão Territorial afirme não se tratar de medidas avulsas, a verdade é que se esta iniciativa não for seguida de políticas de promoção, nos campos que mencionei, então estará fadada ao fracasso.

Quanto aos habitantes do concelho de Silves, o que muda com esta iniciativa?

Bem, com a exceção da Freguesia de São Marcos da Serra, lamento informar que o Concelho de Silves não é elegível para nenhuma das medidas acima elencadas, visto que o território não faz parte dos Territórios de Baixa Densidade identificados pela ANAFRE e definidos em portaria, tal como fora preterido por outros programas de apoio ao interior apresentados nos últimos anos.

Já várias vezes escrevi nesta coluna sobre a ausência do Concelho, na minha modesta opinião, injustificada, do leque de territórios de Baixa Densidade. Não creio que o Concelho se possa dar ao luxo de se colocar de parte de possíveis apoios ao seu desenvolvimento, especialmente com as diversas carências que infelizmente detém.

É urgente mudar este mapa, sob pena de ficarmos ainda mais para trás.

Veja Também

Há três noites que eu não durmo

Quando eu andava na Escola Primária, há uns cinquenta anos, nós, os rapazes, cantávamos a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *