Home / Sociedade / História & Património / Silves- Uma pérola de grés

Silves- Uma pérola de grés

Silves é uma cidade de alguns deslumbramentos ! Para mim assim foi na minha meninice. Essa magia de cidade mais perto da minha aldeia, nesse constante sortilégio de cidade de um castelo… E assim foi, quando fui a Silves, numa primeira vez, aos dez anos, para prestar provas de 4ª classe primária, que foi, no meu tempo, uma obrigação estabelecida pelo sistema corporativo-fascista.

Lembro o fascínio dessa manhã. Cedo, a camioneta do Monteiro, na carreira diária, com destino a Portimão, surgiu-me a cidade coroada do seu castelo de séculos… muitos séculos, alpendrado numa coroa de grés. Foi um momento mágico para mim. O certo é que esse sentimento se me albergou: cada vez que visite a cidade, essa carga de história que a tem sustentado em desequilíbrios de poderes, tem-me merecido alguns estudos.

Sempre fui um amador de cafés. Vamo-nos sentar na interessante praceta, junto à Câmara Municipal. Lá está a Pelourinho que o antigo presidente da Câmara (José Viola) “arrancou” do Museu Municipal de Faro, mandando recolocar no espaço tradicional, frente ao Poder: Os Paços do Concelho, assim designado. O café “Rosa“, creio ser esse o seu nome comercial, sempre acolhedor. Gosto de me sentar na pequena esplanada, num prazer de tranquilidade, da tranquila praceta.

É bom repousar em Silves, Tenho por companhia um livro, “As Sandálias do Mestre”, do historiador Adalberto Alves. Mas sou interrompido: Uma jovem, em fala de Apollinaire, pergunta-me, sentando-se, “Onde fica o Museu da cidade”. Um dedo de conversa, um cálice de vinho da terra e uma declaração primaveril ao homem de inverno: “Que cidade é esta, tão tranquila. Apetece passear nela“. A senhora do café interrompe. E eu aproveito a desembaraçar-me. “ Diga, por favor, que cidade é a sua, assim posta num sossego? –“ Ah, é uma cidade de mulheres e de flores, Temos rosas, sossego e… as pessoas gostam de nos visitar. Vai mais um cálice de vinho? É por conta da casa.” Não, assim não me dá o prazer de cliente. Céline, a jovem gaulesa, assim chamada, num cumprimento de beijos, lá abalou ao Museu do José Viola.

Eu recuperei “ As Sandálias do Mestre” , na demanda das raízes de Portugal encontramos um arco atlântico que integra as influências célticas do norte e o impressionante contributo islâmico da rica civilização do al-Andalus. Mas o Ocidente Peninsular, o nosso território foi um palco privilegiado da acção dos mestres sufis ,com o Ibn Qasi, que deixou Silves nessa alta cultura muçulmana. Nesse interesse que Silves deixou, como figura de profundidade intelectual.

 

Fui ficando nesse quase ambiente bucólico, em que o mistério dos tempos nos transporta em passado e presente. Era tempo de arrancar… Franqueada a porta da cidade por onde passou toda a história de Silves. De glórias e não tanto: decadências de Afonso Henriques e de Ibn Qasi, Fernando, o Magno, a Sancho, o Povoador , a Diogo das Descobertas, que levou o nome da sua cidade de Silves para o Amazonas, à beira do Lago Saracá, fundando a Silves brasileira. Porta por onde passou a mortalha do Príncipe Perfeito, morto, a 25 de Outubro de 1495 (no Alvor), a caminho da Sé-Catedral, até que em 1499, passe de novo pela Porta, para a viagem de morada definitiva, para o Mosteiro da Batalha. Vou “lendo” a história do meu cérebro, no dia em que o moço rei Sebastião passou pela mesma Porta, e o seu cronista João Cascão, a deixar escrito, a “penúria” de Silves já acentuada ao receber o seu rei sob pálio velho e esburacado.
Foi o tempo da grande cidade começar a ver o seu rio Arade a se entupir, a apodrecer e, o seu bispo, o último, Jerónimo Osório, o intelectual, o exilado, sob ordens superiores, o bispo que incomodava Castela, pelas tiradas, pelas cartas que enviava à viúva do chamado piedoso, João III, o introdutor da Inquisição no reino e império de Portugal. Jerónimo, o mais ilustre dos 33 bispos que Silves conheceu, o homem da filosofia renascentista portuguesa, figura respeitada pela Europa, como se afirmou pelos séculos, como hoje, neste século XXI, se pode afirmar: No século XVI, Jerónimo Osório foi o português mais célebre na Europa graças aos seus tratados escritos em elegante latim, então a língua internacional. Os seus livros, com numerosas edições, em vários países europeus, foram verdadeiros “best-sellers”.
E numa semana Santa de 1577, Osório abalara para Faro, numa ordem real, onde a política, o comércio, a intriga se instalaram. Iria morrer em Tavira, numa acção de patriotismo pela defesa da nacionalidade de Portugal. Pouco depois, Portugal caía ao poder dos Filipes. Terei que, de novo, reconhecer o ex-presidente José Viola, na publicação das memórias do ilustre Bispo de Silves, em título “ D. Jerónimo Osório -Cartas “- Edição de 1995- Câmara Municipal de Silves. Ao Bispo Jerónimo, já é tempo de uma estátua, in memória !

Vou subindo a ladeira, rua empinada, que me leva ao centro histórico da cidade de Silves: Sé-Catedral, Castelo e Misericórdia. Só lhe falta a Cruz de Portugal, onde teve residência, por séculos. Deveria regressar ao seu lugar de origem. A História tem de se cumprir. Porque hoje, a Cruz de Portugal, Monumento Nacional (1910), está deslocada do seu centro histórico.

A minha última visita a Silves a 28/11/15, em conferência sobre a conquista de Ceuta, a 28/08/1415. Passei pelo castelo, revivi o passado do Infante D. Henrique, e o seu poder na cidade, que lhe foi concedido pelo seu sobrinho, o rei Afonso V. O Historiador Alberto Iria, publicou em 1960, um “Itinerário do Infante D. Henrique no Algarve”. Silves, outrora opulenta cidade muçulmana do Garb, de considerável importância marítima ( ainda no tempo do navegador ), comercial e agrícola, possuidora de tradicionais estaleiros de construção naval e de excelente porto fluvial, a dois passos do Atlântico, viveiro de hábeis mareantes, etc. etc.

Leva-nos à pergunta: Que maldição caiu à Pérola de Grés para uma travessia que se foi perpetuando, de século a século?! Gente de garra não lhe faltou, e que hoje, neste XXI, se recupera.

Veja Também

Manuel Neto dos Santos apresenta novo livro em Alcantarilha

Manuel Neto dos Santos, poeta, natural de Alcantarilha, apresenta no dia 20 de janeiro, na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *