Home / Sociedade / Ambiente & Ciência / ETAR de Messines suspeita de fazer descargas para o Ribeiro Meirinho

ETAR de Messines suspeita de fazer descargas para o Ribeiro Meirinho

O Ribeiro Meirinho que atravessa a freguesia de S. Bartolomeu de Messines proporciona uma visão agradável, com água a correr em abundância e margens repletas de verde.

Ribeiro Meirinho, depois da ETAR, por baixo do IC1

Damos pela sua entrada nas “traseiras” de Messines, na zona precisamente chamada de Ribeiro Meirinho, vamos encontrá-lo a correr perto da ETAR, continua junto ao IC1, (no sentido de Albufeira), onde encontramos a placa que assinala o ribeiro que corre lá bastante em baixo e passa por baixo da estrada, antes de se perder nos laranjais do outro lado.

É um cenário bastante idílico em grande parte do percurso, sobretudo num dia como o da reportagem: brilha o sol depois de semanas chuvosas. Há passarinhos a cantar e até encontramos um numeroso grupo de cágados, uns a descerem na corrente, outros a aquecerem-se nas pedras ao sol.
Verdadeiramente mau é o motivo que me leva a fazer esse percurso. Dois jovens da Fundação Vida e Saúde entraram em contacto com o Terra Ruiva para nos dar conta de uma situação. Afirmam os mesmos que a ETAR de S. Bartolomeu de Messines, localmente conhecida como “as piscinas de Messines”, está a fazer descargas para o ribeiro. Descargas que consideram ilegais e poluentes. Mostram fotografias que afirmam terem sido tiradas em dois pontos diferentes: antes e depois do ribeiro passar junto à ETAR. Nas fotos, é evidente a diferença entre os dois percursos de água.
“É preciso denunciar esta situação” diz Daniel Pancadas, que afirma também já ter dado conhecimento do problema à entidade responsável pela ETAR, a empresa Águas do Algarve, e que a mesma não terá tomado as providências necessárias.

Esgoto no ribeiro

É munida das referidas fotos e informações, e de uma pequena publicação que a Fundação editou sobre o assunto, que procuro o ponto em que o Ribeiro Meirinho se encontra com a ETAR.
O caminho é acessível, percorre-se a pé algumas dezenas de metros do terreno agrícola junto à ETAR. Na zona mais recuada, a vedação é cortada por um portão que se abre à frente de um acesso, com uns degraus com troncos. Ouve-se a água a correr e as silvas e canas indicam a presença do ribeiro. É ao descer que o cenário se torna menos idílico. Os degraus terminam numa tampa de esgoto aberta que dá diretamente para o ribeiro, num espaço que forma um recanto, com a água parada. Dois ou três metros mais à frente, corre o caudal que irá arrastar o que sair do esgoto.

O esgoto abre diretamente para o ribeiro, e tem o mecanismo avariado. Na foto é bem visível o manípulo vermelho. 

Cheira mal neste recanto, o solo e algumas zonas fora de água estão cobertos de uma espécie de lama preta, há detritos, papéis de pensos higiénicos, há farrapos pendurados nas silvas, a uma altura que sugere que a água já esteve mais alta.
O esgoto tem um mecanismo que deveria abrir ou fechar a saída, mas parece avariado, abre-se ainda mais quando é mexido e deixa sair “coisas” que é preferível não tentar identificar…

A lama preta em vários locais junto ao esgoto
Fora da ETAR, no terreno ao lado, duas tampas de esgoto bem visíveis

 

 

 

Sobe-se de volta os degraus, há duas tampas de esgoto da Águas do Algarve no meio da erva, uma delas está aberta e oferece um cenário negro e pouco amigo do olfacto, quando se espreita…
Penso no Ribeiro Meirinho que corre lá à frente, em direção aos laranjais. Nessa zona a água não parece suja ou mal cheirosa. Mas também tenho em atenção que tem estado a chover bastante nos dias anteriores. Torna-se complicado avaliar a situação, tanto mais que o acesso à água é extremamente difícil dada a quantidade e densidade da vegetação à volta.
De regresso à entrada da ETAR de S. Bartolomeu de Messines apenas uma evidência: algo se passa realmente e é necessário esclarecer o assunto.

 

Questões à Águas do Algarve
O Terra Ruiva tentou obter esclarecimentos sobre esta situação, pelo que contactou a Águas do Algarve, solicitando que, antes do fecho da nossa edição, fossem respondidas as seguintes questões:

A Águas do Algarve tem conhecimento de denúncias/reclamações que tenham sido feitas neste sentido?
– Existem descargas controladas ou não controladas para o Ribeiro Meirinho? Em caso afirmativo, quando acontecem as mesmas?
– Existe alguma deficiência no funcionamento da ETAR de S. Bartolomeu de Messines?

Até ao fecho da edição em papel tivemos apenas a resposta, por parte da responsável de comunicação, de que iria averiguar.

Posteriormente, chegou-nos a seguinte resposta: 

«Após verificação junto dos vários responsáveis da Águas do Algarve, e consequente análise atenta das questões que nos são colocadas sobre a ETAR de Messines, informamos que não temos conhecimento de quaisquer situações do tipo das referidas, designadamente descargas, controladas ou não, a partir da ETAR, a qual apresenta condições normais de funcionamento.

As únicas reclamações que nos chegaram, e embora não sejam recentes, nem frequentes, prendem-se com a emissão de odores que, em parcos períodos do ano, se fazem sentir.»

Veja Também

Espetáculo interdisciplinar Moda Vestra passa por Silves

No dia 26 de janeiro, pelas 21h30, será apresentado no Teatro Mascarenhas Gregório, o espetáculo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *