Teodomiro Neto

Natural de S. Bartolomeu de Messines, nascido em 1938. Concluiu licenciatura em História e o doutoramento em "História Política Europeia". Professor universitário, em França, ( entretanto aposentado), tem colaborado com diversos jornais nacionais e regionais. Tem publicadas várias obras no âmbito da história regional, teatro e romance. Entre outras distinções recebeu a Medalha de Mérito Ouro da Cidade de Faro.

MEMÓRIAS: Messines – Os primeiros cafés

MEMÓRIAS: Na secção Memórias, lembra-se o texto “Messines – Os primeiros cafés”, da autoria de Teodomiro Neto, publicado na edição nº 65, de fevereiro de 2006.  Até meados do século XX o passatempo dos messinenses consistia, segundo os seus graus sociais, no convívio em tabernas, clube e sociedade recreativa. O clube consistia numa casta de pequenos comerciantes, agricultores e familiares, em que os políticos do sistema corporativo local enfeitavam os serões restritos a eles mesmos. Havia um piano em que a malta, ludibriando o sr. Jaime sacristão ( o chamado contínuo sempre com o salário em atraso), passava por portas …

Ler Mais »

Memórias Breves (24) – Uma lição em Tunis

É COMPLICADO entrar no tempo passado e desenvolver o futuro. Já o passado, esse, é entendido como desinteressante, como se não tivesse entrado e persistido nas memórias para as construções dos tempos… Como se a memória não fosse um caminho existencial. E nessa complexidade do desenvolvimento, o passado é entendido num futuro do complexo. Muito do meu tempo foi debatido entre jovens, nos dois graus, no dizer e ouvir entendido, sendo a Escola deles, também a minha, nessa responsabilidade mútua. Quanto mais a escola era habitada por classe de privilégio, mais complicada se tornava: Genève, Paris, Lyon, Saint-Etienne, Tunis, Siracusa, …

Ler Mais »

Memórias Breves (23) – Um livro na nossa história

Temos a “História da Edição em Portugal”, na sua origem, pelo professor Artur Anselmo, numa notável edição, de 1991, 260 páginas, em que informa sobre a Invenção da Imprensa de caracteres móveis: “ Era já conhecido na China, onde foi conhecido a partir do século XI, não tendo qualquer influência no processo de desenvolvimento da tipografia de caracteres móveis na Europa”. O autor afirma, no seu estudo, que saiu da oficina do judeu Samuel Gacon, em 1487, o primeiro livro impresso em Portugal, o Pentateuco, na villa de Farun (Faro). Este ano completam-se 533 anos, da chamada tipografia. Este facto …

Ler Mais »

Memórias Breves (22) – Nossa Senhora dos Pretos

O Algarve e os escravos africanos… Tudo começa no século XV, com as chamadas descobertas pela África, com o “negócio” dos compradores de africanos, chegados a Lagos. A narrativa de hoje é uma festa religiosa: “A Nossa Senhora dos Pretos”, assim dita, cruelmente, tinha, no tempo, numa naturalidade. Os escravos, a meio do século XVI abundavam, mais pelas 3 cidades do Algarve: Silves, Tavira e Faro, esta com a primazia… Com a deslocação da Diocese de Silves, para o Sotavento algarvio, a população escrava, chegou ao meio do século XVI, num excesso, em cerca de 60%, da população local. E …

Ler Mais »

Memórias Breves (21)- Conhecer o Algarve no 2º Congresso Regional / Turístico / Político

1950– Gente do Sul, da cultura e da política, sobe até à Casa do Algarve, em Lisboa, um Grupo de Algarvios (15) em que se inclui uma Senhora. Lá iremos. É o tempo dos Algarvios exigirem um Algarve desenvolvido ao governo da Ditadura, algo para o marasmo em que, na província do Algarve se vivia, a nível da política e economia. E essas 15 pessoas têm a Casa Regional, em Lisboa, para a realização desse 2.º e desejado Congresso. O primeiro fora no Algarve, na Praia da Rocha, no início dum Governo republicano, em outubro de 1915. Fiquemo-nos por Lisboa, …

Ler Mais »

Memórias Breves (20)- De Demócrito ao Século XXI

TEMOS um percurso muito longo e variado desde o Grego Demócrito, um estudioso da Democracia, um filósofo da política, considerado “O Pai da Ciência Moderna”, que vem da antiguidade grega, antes da era cristã. Não vamos a estudos prolongados, numa pequena memória que vem de 420 A.C. Avancemos muito mais próximo do nosso tempo. Fiquemos na Revolução Francesa de 14/07/1789. É um marco, um início da idade contemporânea, em que a Europa cria esperanças e reserva ódios. É o tempo da família real portuguesa se auto exilar para a América do Sul- Brasil – nessa continuidade em preservar o absolutismo, …

Ler Mais »

Memórias Breves (19) “La Crosse et le bâton”

Bruno Leal, Doutor em História, é um jovem luso-francês, professor na Universidade de la Rochelle-França. Em 2004 publicou a tese sobre a Inquisição no reino do Algarve, 1630- 1750. Um estudo raro na nossa História político-religiosa, que foi editado, em apoio, pelo Centro Cultural- Calouste Gulbenkian. Bruno veio ao Algarve para o seu fim: Estudar a Inquisição no Algarve. Visitou, desde o Arquivo do Paço Episcopal de Faro, Anais do Município de Faro, livros sobre a temática de pouco conteúdo, numa busca “escondida” pelos séculos, no que teve  de informativo, nessa necessidade para concluir o seu longo estudo de  595 …

Ler Mais »

Memórias Breves (18) – Sagres na Conquista do Liberalismo

O ENCONTRO no Cabo de São Vicente-Sagres pela vitória do Liberalismo Português, foi a conquista do País moderno. Tudo começou em pleno Atlântico, após a chegada do rei João VI, vindo do Brasil, onde se refugiara perante a ligeira ocupação francesa napoleónica, em Portugal. E logo o Norte do país em convulsão. Cidade, sem dúvida, habitada por gente do comércio do vinho, onde o liberalismo europeu era pouco visível em público, mais em convívios de europeus ingleses, sobretudo. E não eram as classes trabalhadoras que formavam esse grupo de política exportado do centro europeu. Somente era arrastada… Sem tradição cívica …

Ler Mais »

Memórias Breves (17) O Perfume das Palavras

A 9 /12/2004 iniciei, no semanário de Faro “O Algarve”, o mais antigo da Região Algarvia, semanário fundado em 1908, o título – “Mulheres de Faro”- num n.º de 24 figuras que terminaria a 3 Março de 2005. Elas vêm desde o período Romano ao início do século XXI. Mulheres que fui consultando e admirando… Se bem que, a sua maioria se situe no século XX. E de entre elas algumas Mulheres que deixaram registos pela terra plural: Hélène de Beauvoir, Catarina de Belém, Rachel Amram, Maria Campina, Brites de Almeida, Maria Amélia Coroa, Teresa Rita Lopes, Mariana Vilar, Maria …

Ler Mais »

Memórias Breves (16) – União Europeia – Quo Vadis?

Início de Fevereiro, um Grupo de estudiosos reuniu-se em Paris para debater a EUROPA. Foi um encontro académico de homens e mulheres retirados, mas atualizados. Foi uma reunião de sentidos, de atualização. Trocadas opiniões sobre o “Brexit” inglês, sobre comportamentos de interesses e sentidos políticos. Essas dúvidas do sim e do não que se debatem em Londres, como em todos os “divórcios”. É certo que os britânicos devem assumir as consequências da separação. A União Europeia deve ser uma balança fiel a todos os seus membros. O sismo que tem abalado a Europa tem várias leituras políticas, veio para provocar …

Ler Mais »