Home / Sociedade / Cultura / Exibição do documentário “Paredes Que Falam” em Messines

Exibição do documentário “Paredes Que Falam” em Messines

“Paredes Que Falam” é o título do documentário que revela imagens de todas as etapas do projeto WATT?, projeto de arte rural que decorreu em várias localidades, nomeadamente em S. Bartolomeu de Messines.
O documentário, da autoria de Jorge Murteira, será apresentado na Sociedade de Instrução e Recreio Messinense, no sábado, dia 7 de outubro, às 16h. A entrada é livre.

Recorde-se que o projeto WATT? decorreu em sete localidades do Algarve, durante seis meses, contando com a participação de sete artistas e a organização do LAC – Laboratório de Artes Criativas e o apoio da Fundação EDP.

Numa primeira fase foram realizadas reuniões com as populações que deram ideias e sugestões aos artistas sobre as pinturas que gostariam de ver nas suas terras. Depois, os artistas apresentaram publicamente as suas ideias e seguiu-se a fase das intervenções que contaram igualmente com a participação da população. É todo esse processo que é mostrado no documentário “Paredes Que Falam”.

 

 

«Começam por se apresentar e conversar com todos os que comparecem para colaborar. Discutem-se ideias antes de intervir nos espaços que são de todos.
O documentário percorre o interior Algarvio e acompanha os protagonistas do Watt? – Um projeto artístico para a comunidade, sejam estes artistas, organizadores, habitantes ou turistas.
Por aqui as paredes também falam. Mesmo as que afinal ficam por pintar.
Porque a liberdade é livre.
“Basicamente é isto e tudo o que vocês quiserem.
Vocês: o mundo.”»

Imagem, edição e realização – Jorge Murteira
Duração: 94´53´´

Jorge Murteira nasceu em 1966 em Lisboa. Antropólogo de formação, inicia o seu percurso no audiovisual em 1987, tendo desde então colaborado, produzido e realizado diversos documentários, entre os quais se salientam: “Rebelados no Fim dos Tempos” (Cabo Verde, 2002); “A Casa do Barqueiro” (Portugal, 2007 – Melhor Primeira Obra e Melhor Documentário no Prémio Escolas do Doc Lisboa 2007); “A ideia nunca abala” (Portugal, 2012) e “Fim de um Mundo” (Portugal, 2015 – Melhor curta metragem na Edição do Festival Plateau, em Cabo Verde nesse mesmo ano).

A colaboração em Museus tem também sido uma das suas principais actividades desde 1997, nomeadamente em Museus Nacionais, assim como em vários Museus Municipais, entre outros, em Portugal e no exterior.

Em 2015, conclui a componente audiovisual da exposição “Impressão Digital em Terras de Coura” para o Município de Paredes de Coura, a qual foi distinguida no ano seguinte com o Prémio Inovação e Criatividade (Menção Honrosa) pela Associação Portuguesa de Museologia.

Veja Também

Almargem quer proteger Sapais de Pêra e Lagoa dos Salgados

A Associação Almargem apresentou uma candidatura ao Fundo Ambiental que “pretende aprofundar o conhecimento acerca …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *