Home / Sociedade / História & Património / Centenário do Silves Futebol Clube – Dos anos 70 à atualidade

Centenário do Silves Futebol Clube – Dos anos 70 à atualidade

Exposição “Centenário do Silves Futebol Clube, Dos anos 70 à atualidade”

Em Silves, no edifício da Câmara, encontra-se patente, até ao final do mês de abril, a Exposição do Arquivo Municipal com o tema “Centenário do Silves Futebol Clube, Dos anos 70 à atualidade”.
O Terra Ruiva colabora com esta iniciativa do Arquivo Municipal publicando uma versão resumida do texto da exposição. A versão integral, com o texto e as imagens, está disponível aqui: Expo_DM_Maio_2019

Centenário do Silves Futebol Clube
Dos anos 70 à atualidade

Passaram, no dia 4 de abril, cem anos desde que foi fundado o Silves Futebol Clube, em 1919.
Agremiação desportiva criada por um grupo de rapazes decididos a formar uma equipa de futebol, revelou-se uma força viva da cidade. Ao longo dos primeiros cinquenta anos de existência o Silves Futebol Clube, apesar dos vários obstáculos, afirmou-se não só ao nível do desporto como também da cultura no concelho.

Com um campo de jogos doado pelo benfeitor e sócio honorário, o médico Francisco Vieira, o Silves passou a disputar aí os seus campeonatos, sendo necessário proceder-se gradualmente a alguns melhoramentos.

Assim, a 12 maio de 1970 foi presente à reunião camarária um ofício dos Serviços Municipalizados da Câmara que acompanhava a estimativa do custo da instalação elétrica destinada a iluminar o campo de jogos do Silves Futebol Clube, orçada em 43.184$60, tendo sido concedido pela autarquia um “subsídio de 25.000$00, a entregar à medida que a obra de electrificação se realize” .
Em setembro de 1971, encontrando-se em situação precária, o SFC exortou um aumento do seu subsídio mensal de 500$00 para 2.500$00. A Câmara resolveu financiar “mensalmente com a quantia de 2.000$00”.

Silves FC- Época 1971/72

Cinco anos depois, encontrando-se o Silves a executar as obras de ampliação de bancada, iluminação e vedação em número de duas cabeceiras do campo de jogos, incitou o aumento do subsídio mensal que vinha sendo concedido. Apreciado o assunto a edilidade acordou o subsídio de 20.000$00 para a realização daquelas obras.
Para a ajuda das despesas na organização do 1º grande prémio do Natal – Prova de Atletismo, em 1977, a Câmara comparticipou com a quantia de 5.000$00.

Verificando-se uma deficiente iluminação no campo de futebol o clube requereu ajuda à Câmara para a realização deste melhoramento. Assim, a 4 de dezembro de 1979, para a construção do novo sistema de iluminação, deliberou “conceder uma comparticipação de 80%” , cujo valor era 503.332$00. A inauguração deste melhoramento realizou-se no dia 3 de setembro de 1980, pelas 21 horas, com um jogo de futebol amigável entre a equipa da terra e o Sporting Clube de Portugal, integrado nas Festas do Dia da Cidade.

Silves FC- Época 1979/80

Com a subida à II Divisão dos Campeonatos Nacionais, foi solicitado o apoio da Câmara para melhoramentos no campo de jogos, nomeadamente as obras “efectuadas com o pessoal e máquinas dessa Câmara”, e a redução de despesas, com a “isenção do pagamento do fornecimento de água” e “conseguida a isenção do pagamento da energia consumida” no campo de futebol. A edilidade determinou “conceder o apoio pedido desde que o desvio de pessoal não prejudique as obras em curso da Câmara Municipal” e concordar com os outros dois pedidos. Desta forma, em cumprimento da deliberação tomada em reunião de 17 de junho de 1980, a água e a energia elétrica gasta pelo Campo de Futebol do Silves Futebol Clube voltaram a ser liquidados pela edilidade silvense, na totalidade.

Um ano depois, a 1 de junho de 1981, é celebrada a escritura de cedência do direito de superfície de parcela de terreno, com a área de 6.400 m2, propriedade da Câmara Municipal, para construção e instalação do Pavilhão Polidesportivo descoberto do Silves Futebol Clube. O direito de superfície foi constituído pelo período de setenta anos, prorrogável por períodos de trinta e cinco anos, de acordo com deliberação camarária de 18 de março de 1980. No entanto, os dirigentes do clube optaram por um recinto coberto, nomeadamente um Pavilhão Gimnodesportivo, com capacidade para cerca de 1200 pessoas.

Os Serviços Técnicos de Obras da edilidade colaboraram na elaboração do projeto da referida infraestrutura e a 26 de novembro de 1985 a Câmara deliberou “comparticipar a obra na percentagem de 20% do custo da mesma (5000 contos)”. As obras tiveram início a 2 de dezembro de 1985 e, depois de vários contratempos, terminaram em 1989, realizando-se aí a IV Feira Internacional de Citricultura, que decorreu entre 2 a 5 de março. Os custos finais deste equipamento elevaram-se a mais de 50 mil contos, dos quais, parte foi financiada pela Câmara Municipal de Silves.

Em 1987, o arrelvamento do Estádio Dr. Francisco Vieira passou a ser uma aspiração e, em reunião camarária de 5 de maio, a Câmara resolveu prestar apoio às obras, que tiveram início a 19 de junho de 1987, representando um investimento de cerca de 22 mil contos, comparticipados pela Câmara de Silves, DGD e empresários da região, ou seja, para a obra de arrelvamento do recinto a edilidade silvense para além de subsídio cedeu mão-de-obra, a logística envolvente e intercedeu na aquisição de apoios junto de empresários da região, nomeadamente com o Sr. Daniel Adro (na altura proprietário do Big One, Presidente do Louletano Desportos Clube e da Associação de Futebol do Algarve) que doou 1.000 contos para a aquisição de sementes para a relva, o Sr. David Félix cedeu a areia, o Sr. António Gonçalves (proprietário da Granifoia, Lda) doou turfa de Monchique e as Câmaras Municipais de Portimão, de Lagos, de Monchique e de Albufeira cederam os camiões, aos fins de semana, para o transporte do cascalho da ribeira.

Enquanto duraram as obras, o Silves disputou os seus jogos em Portimão. A 30 de dezembro desse ano, um jogo de caráter particular, com o Portimonense, assinalou a inauguração do importante melhoramento, tendo o primeiro jogo oficial ocorrido a 3 de janeiro de 1988 com o Lusitânia dos Açores, uma vez que se encontrava na II Divisão Nacional. Houve uma altura em que foi considerado o melhor campo de futebol do Sul do país.

No que respeita à sede, nos primeiros tempos o clube passou por vários espaços, até que o presidente José Teixeira Júnior estabeleceu com o proprietário, Jaime Santos, as condições de aluguer do edifício sito na Rua Francisco Gomes Pablos. O imóvel passou para a posse da família Boal e, em 1990, sendo presidente do clube Vítor Aço, foram encetadas diligências no sentido de ser adquirido pelo Silves. A escritura foi celebrada a 1 de agosto de 1990. Como o mesmo encontrava-se a precisar de alguns melhoramentos a Câmara mais uma vez contribuiu para a sua recuperação.

Silves FC- Época 1989/90

Por forma a alojar alguns futebolistas ao serviço do clube oriundos de outras localidades, a 31 de janeiro de 1993, foi inaugurado o “Lar do Jogador”, situado sobre os balneários do estádio e a paredes meias com o pavilhão gimnodesportivo, dispunha de cinco quartos duplos e um apartamento tipo T1, servidos por uma cozinha e sala polivalente, auxiliando a Câmara na concretização desta infraestrutura.

Em 2005 o Estádio foi alvo de uma profunda remodelação, com a demolição da bancada existente e a construção de uma nova bancada com respetiva cobertura, a qual concedeu aos sócios uma maior comodidade e a nível da iluminação houve uma substituição da anterior, com uma nova localização dos postes aos cantos do relvado. Para a construção de bancada, o Silves solicitou à Câmara a atribuição de um subsídio de 20% do valor total de 385.152,51 euros e para a construção da pala da bancada um subsídio de 50% do valor global de 63.997,00 euros. A edilidade deliberou conceder os 20% para a bancada, conforme solicitado, e 20%, em vez dos 50%, para a construção da pala .

O tornado de 16 de novembro de 2012 provocou inúmeros danos nas infraestruturas do clube, arrancou vedações, danificou bancadas e balneários e crivou o relvado de destroços, nomeadamente vidros, impedindo a sua utilização. Por isso, foi instalado um relvado sintético, inaugurado a 12 de outubro de 2013, que permite o desenvolvimento de uma prática desportiva com qualidade para os atletas. Os trabalhos de remoção do antigo relvado natural contaram com o apoio de máquinas e trabalhadores da Câmara Municipal.

A nova cobertura da bancada do Estádio foi inaugurada no dia 30 de março de 2018 e as obras importaram no valor de 85.977,00 euros, tendo sido financiadas pelo município de Silves (57.977,00€), pelo Instituto do Desporto e da Juventude (22.000,00€) e pela Junta de Freguesia de Silves (6.000,00€).

A Câmara Municipal de Silves reconhecendo as vantagens e o benefício que o desporto acarreta para a educação física e moral da sociedade silvense apoiou e apoia o Silves Futebol Clube. Estes apoios são de carácter muito diverso e passam pela atribuição de subsídios, pela aquisição de material e pelo “empréstimo” de funcionários, desde serventes, carpinteiros a eletricistas ou pintores. Noutras ocasiões os apoios concretizam-se na montagem e desmontagem de estruturas, cedência de autocarros, etc., etc. De facto, a contribuição e colaboração por parte da autarquia às iniciativas revela-se determinante para a sua concretização.

Por fim, uma palavra a felicitar o Silves Futebol Clube pelo seu centenário e fazer votos que continue a crescer e a abrir portas à juventude do concelho, dando aos desportistas, à massa associativa e à população os êxitos que tanto merece.

Bibliografia
ALVES, Armando, Silves Futebol Clube 74 anos de história, Edição Silves Futebol Clube, 1993.
Jornal «Voz do Sul».
Museu do Futebol (fotografias)
Atas da Câmara Municipal de Silves.
Notas de Escrituras Diversas.

Veja Também

CDU entregou no Tribunal a lista para o círculo eleitoral de Faro

Uma delegação da CDU entregou no Tribunal de Faro, a lista da CDU para o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *