Home / Concelho / “Não queremos que a marca de Silves seja a tristeza e a desolação” – Câmara emite comunicado

“Não queremos que a marca de Silves seja a tristeza e a desolação” – Câmara emite comunicado

A Câmara Municipal de Silves acaba de emitir um comunicado sobre os acontecimentos dos últimos dias e a decisão de realizar a Feira Medieval de Silves nos prazos previstos.

É o seguinte o teor do comunicado que divulgamos na íntegra:

 

«COMUNICADO

Caros Munícipes:

Ao longo dos últimos dias e na sequência do incêndio que deflagrou em Monchique, vivemos também nós, em Silves, dias difíceis. Acompanhámos os esforços que os agentes de combate – Proteção Civil, Bombeiros, Exército, GNR, entre outros – empenhadamente desenvolveram, no sentido de salvaguardar pessoas e bens e de garantir a proteção de todos, esforços esses que nos permitem hoje falar que não há perdas de vida, nem casas de primeira habitação queimadas. Vimos, ainda, tudo o que os funcionários da autarquia que em diversos serviços e com ações distintas fizeram para ajudar no combate ou na retaguarda, bem como os muitos voluntários que cederam equipamentos e que colaboraram como e com o que puderam. Tantos foram os que generosamente contribuíram com as suas ajudas, quer materiais, quer somente palavras de estímulo, que de tanta importância foram nas horas mais complicadas! A todos gostaria de agradecer!

Foram dias vividos por todos nós com muita emoção, mas sobretudo, com muita energia e determinação, pois amamos a nossa terra, o nosso concelho e queremos o melhor para os nossos.

Esse amor e determinação é o que nos guiará, no esforço de prosseguir um trabalho que tem vindo a ser feito ao longo dos últimos anos e que, com maior força e rigor, prosseguiremos e se traduz numa aposta forte na prevenção dos fogos, assegurando a limpeza de terrenos, a construção de mais faixas de combustível e corta-fogos (como tem acontecido, com a colaboração do exército, facto de que temos vindo a dar nota em diversas ocasiões) e a sensibilização das populações para a necessidade de ter comportamentos promotores da segurança das florestas, dos bens e vidas.

É igualmente esse amor e determinação que nos levará a prosseguir com a realização da Feira Medieval de Silves, que hoje iniciará a sua 15ª edição.

Este é um evento de grande importância não apenas para a cidade de Silves, mas para todo o concelho, nomeadamente para as coletividades que através dele angariam verbas para a realização de muito do seu trabalho. É igualmente determinante para o comércio local, e indubitavelmente, uma marca do concelho, das suas gentes e da sua identidade, uma marca que nos define como gente que é orgulhosa do seu passado e que trabalha incansavelmente, mesmo nas horas mais difíceis, para construir o futuro.

É, pois, neste espírito que abriremos portas às 18h00, para que, com a realização da Feira, possamos entrar num novo período, um período de grande otimismo, um período de superação das mágoas e das dores que nos causou este incêndio.

Não queremos que a marca de Silves seja a da tristeza e a da desolação. Não somos gente cor de cinza, nem tão pouco acomodada. Vamos arregaçar as mangas e vamos, com a Feira Medieval, voltar a sorrir e a levar sorrisos a todos quantos aqui residem ou nos visitam.

Por isso, vamos nos envolver, participar, visitar, entrar no espírito deste evento, no firme propósito de fazermos dele a verdadeira marca deste tempo em que, em união, voltaremos a ouvir o nome “Silves” por boas e alegres razões!

A Presidente da Câmara Municipal de Silves,

Rosa Palma»

 

Veja Também

Aberto concurso para Área de Autocaravanas em São Marcos da Serra

São Marcos da Serra irá dispor de uma Área de Autocaravanas, com 22 lugares. Além …

Um Comentário

  1. Antonio Carlos Coelho Pipa Costa

    Tenham vergonha e em vez de se armarem em vitimas, efectuem a recolher o lixo a tempo e horas em todo o conselho, e arranjem mais pontos de recolha de ecopontos a serem visitados regularmente. Tratem de efectuar caminhos e corta fogos e pontos de água para combate aos fogos em locais de difícil acesso coma mão de obra de presos e deixem de multar as pessoas e dêem-lhes trabalho cívico que existe muito para efectuar, mais que não seja em terreno privado de proprietários de baixos rendimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *