Home / Vida / Psicologia / Livro da Vida… Episódio IV – Liberdade e Democracia!

Livro da Vida… Episódio IV – Liberdade e Democracia!

Abril é mês de comemoração da Liberdade e da Democracia. Estes são dois pilares fundamentais da nossa sustentação individual e social, garantindo os direitos básicos que nos permitem escolher os trajectos de vida que consideramos melhores, assumindo a responsabilidade individual face às consequências dessas escolhas.

“A igualdade de oportunidades para homens e mulheres é um princípio essencial da democracia. Você é livre para fazer suas escolhas, mas é prisioneiro das consequências;
Somos o que fazemos, mas somos principalmente o que fazemos para mudar o que somos.
A experiência não é o que acontece com o homem: é o que o homem faz com o que acontece com ele.” (autor desconhecido)

As relações pessoais e sociais assentes na liberdade e numa postura democrática na tomada de decisão, permitem traçar trajetos mais conscientes, nomeadamente a consciência do que queremos escolher e o que queremos deixar de lado, das batalhas que queremos travar e das que queremos abandonar. Estes pilares dão-nos o direito de sermos escritores e atores da nossa vida, por isso é tão fundamental a luta pela sua manutenção, contra todos os movimentos que os pretendam aniquilar, quer seja a nível individual, social ou politico. A liberdade não é ausência de compromisso, é sim a responsabilidade de nos envolvermos na construção do nosso crescimento como pessoas, desenvolvendo as comunidades em que nos integramos, no respeito pelo próximo. Um espirito e regime democrático permitem desenvolver relações mais equilibradas e dar a todos a oportunidade de um ponto de partida mais similar. O ponto de chegada e o caminho para lá chegar já depende essêncialmente de cada um.

Somos livres. Cada instante, escolhemos pensamentos, decidimos caminhos, revelando o volume das nossas conquistas e das nossas necessidades. Distraídos, alimentamos fantasias, acariciamos ilusões, brigamos por elas, acreditando que representam a nossa felicidade. A visita da verdade, oportuna, faz-nos reciclar valores, modificar idéias, aprender novas lições, caminhar para frente, desenvolvendo nosso mundo interior.” – Zíbia Gasparetto

 

No mês da liberdade, o Terra Ruiva comemora 18 anos e 200 edições, recordando-nos em cada edição a importância da Liberdade de Imprensa e com ela a Liberdade de Expressão, consagradas na nossa Constitução e que nos tiraram da ignorância e do isolamento, abrindo-nos as portas do mundo. São estas conquistas de Abril que nos permitem em cada edição, cada um dentro da sua área de interesse, expressar livremente os nossos pensamentos, ideias e opiniões, sem qualquer forma de censura. Este Jornal tem assim, ao longo destes anos, exercido e cumprido o seu direito e dever de informar, sem qualquer impedimento ou limitação, que não seja o inerente ao respeito pelos direitos e opiniões dos outros. Por estas razões, tem sido uma honra poder de forma simples e despretenciosa ser sua colaboradora e sentir que de alguma forma as minhas reflexões fizeram sentido e ajudaram alguém. Esta é uma função muito importante da imprensa, levar junto do maior numero possivel de pessoas a informação, quer com o objetivo de aumento do conhecimento, quer como forma de contributo prático para a melhoria das suas vidas.

“ A liberdade de imprensa implica a liberdade de expressão e criação dos jornalistas e colaboradores literários, bem como a intervenção dos primeiros na orientação ideológica dos órgãos de informação não pertencentes ao Estado ou a partidos políticos, sem que nenhum outro sector ou grupo de trabalhadores possa censurar ou impedir a sua livre criatividade.” Ponto 2 do Artigo 38.º – (Liberdade de imprensa) da Constituição Portuguesa.

Com a inspiração de abril e a força de um cravo vermelho, neste episódio IV, proponho uma reflexão sobre a presença destes dois pilares nas vossas vidas e nas nossas comunidades, para melhorarmos o nosso empenho do seu fortalecimento.

“... Pode-se tirar tudo de um homem exceto uma coisa: a última das liberdades humanas – escolher a própria atitude em qualquer circunstância, escolher o próprio caminho.”- Viktor frankl

Partilhe a sua opinião, ideias, pensamentos, de forma livre!

Veja Também

Diagnóstico atempado podia evitar 60 por cento dos casos de perda de visão

Um estudo realizado pela Universidade Nova de Lisboa revela que dos mais de dois milhões de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *