Home / Concelho / Silves apresenta Candidatura a “Cidade do Vinho 2016”

Silves apresenta Candidatura a “Cidade do Vinho 2016”

cidade do vinho

A Câmara de Silves apresentou a sua candidatura a “Cidade do Vinho 2016”, durante o 2º Salão Nacional de Vinhos, inserido no 35º Festival Nacional de Gastronomia de Santarém.

São sete os municípios, entre os quais o de Silves e de Lagoa, que concorreram a esta iniciativa da Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV), que tem como objetivo “valorizar a riqueza, a diversidade e as características comuns da cultura do vinho e de todas as suas influências na sociedade, paisagem, economia, gastronomia e património dos territórios”.

A formalização da candidatura de Silves foi feita pela presidente da Câmara, Rosa Palma e pela vereadora Luísa Luís, no dia 23 de outubro, altura em que, a convite da AMPV, esteve presente no 2.º Salão Nacional de Vinhos, inserido no Festival Nacional de Gastronomia de Santarém, representando o Algarve.

Neste festival, a autarquia deu “particular destaque ao vinho de Silves João Clara, galardoado com uma medalha de prata na 14.ª edição do Concurso Internacional “La Selezione del Sindaco”.” No espaço destinado a provas de vinho estiveram também representados os vinhos e licores dos seguintes produtores: Quinta do Barranco Longo, Quinta dos Vales, João Clara, Quinta do Francês, Quinta do Barradas, Regionalarte, Talurdinha, Quinta da Vinha – Cabrita e Quinta Rosa – JAAP. Não faltou a doçaria do concelho representada por : Marília Louçã, Teodorina Madeira e Quinta dos Avós.

Capital do Vinho

Sobre a candidatura apresentada pela autarquia, diz a mesma que “é uma iniciativa tida como da maior importância, pelo Executivo, pois consolida uma posição já vincada pelo Município no que toca à promoção dos vinhos, posição essa que incluiu a criação da marca “Vinhos de Silves” e que permitiu a identificação dos produtores de vinho do concelho (Silves tem o maior número de produtores vitivinícolas do Algarve) e todo um trabalho subsequente de promoção do produto e de associação deste ao património imaterial das diversas freguesias”.

Para se candidatar a Câmara elaborou um “programa anual de ações culturais, de formação e sensibilização ligadas ao vinho, com visibilidade nacional”, como o exige o regulamento da candidatura. Esse programa terá como objetivo central aliar o vinho ao património e ao turismo de forma a criar um conjunto de iniciativas, desenvolvidas com a colaboração de vários parceiros, e que atraiam visitantes e sejam geradores de riqueza para o concelho.

As candidaturas serão avaliadas pela AMPV e os resultados serão conhecidos entre 16 a 30 de novembro de 2015. A gala de nomeação da Cidade do Vinho 2016 será realizada em fevereiro de 2016, na cidade escolhida.

O projeto da Cidade do Vinho 2016 decorrerá de janeiro a dezembro do próximo ano.

O Vinho em Silves

Os primeiros contactos das populações do Algarve com o vinho ocorreram há mais de dois mil anos, através de contactos com os fenícios ou os gregos. Na altura, o vinho era uma bebida de valor económico elevado, cujo consumo se restringia a ocasiões especiais. Era utilizado como produto de troca, transportado e transacionado nas várias feitorias fenícias estabelecidas no Sul da Península Ibérica.

A chegada das legiões romanas à Península Ibérica, a partir do século II a.C., fez com que o consumo e cultivo da vinha se generalizassem entre as populações locais, alterando hábitos de produção.

Durante os séculos XI e XII foram elaborados no al-Andaluz, tratados agronómicos que revelaram uma preocupação especial com o amanho das vinhas.

Após a conquista cristã, os monarcas de Portugal aproveitaram este conhecimento e incutiram a responsabilidade do cultivo das suas vinhas aos mouros.

Durante o século XVII a vinha ocupava uma vasta extensão de terras em detrimento do cultivo cerealífero. O Marquês de Pombal põe termo a esta situação, ordenando o arrancamento de plantações excedentes, delimitando zonas de produção, nomeadamente em Silves.

A Região Demarcada do Algarve foi criada no início da década de 80. São quatro regiões produtoras de vinhos de “Denominação de Origem Protegida”: DOP Lagos, DOP Lagoa, DOP Portimão e DOP Tavira.

A CVA – Comissão Vitivinícola do Algarve, como organismo de certificação acreditado pelo IPAC – Instituto Português da Certificação, controla e certifica os produtos vínicos criados na região. Com o apoio da Região do Turismo do Algarve, tem desenvolvido um plano de comunicação que visa a divulgação dos vinhos, adegas e quintas e ainda a criação do site oficial da “Rota dos Vinhos do Algarve”, da qual Silves faz parte, motivo pela qual o município cedeu um quiosque, na Praça do Município, para promoção e divulgação dos Vinhos do Algarve.

Com um clima tipicamente mediterrânico, o Algarve enquanto região vinícola demarcada, é conhecido pela utilização de castas tradicionais para a produção de vinhos de qualidade, com um acentuado sabor a fruto, baixa acidez, sendo a graduação elevada.

Na última década a produção de vinho de elevada qualidade intensificou-se, sendo que hoje os vinhos algarvios atingiram padrões de elevada qualidade sendo reconhecidos nacional e internacionalmente através da obtenção de muitos prémios.

VINHOS DE SILVES:
650 Hectares de Vinha
11 Produtores

PRODUTORES:
Quinta do Francês ( Ribeira de Odelouca)
Quinta dos Vales ( Silves e Lagoa)
Quinta de Mata-Mouros (Silves)
Quinta do Barradas (Silves)
Quinta do Outeiro (Silves)
Quinta Rosa (Silves)
Quinta da Vinha – Cabrita (Silves)
Quinta João Clara ( Alcantarilha)
Quinta do Barranco Longo (Algoz)
Quinta da Malaca (Pêra)
Quinta do Morgado da Torre (Penina, Portimão)

Veja Também

Freguesia de Silves já tem símbolos heráldicos

Os Símbolos Heráldicos da Freguesia de Silves, o brasão, bandeira e selo, foram apresentados publicamente …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *