Home / Sociedade / História & Património / Quando Pêra pediu “o divórcio” de Silves!

Quando Pêra pediu “o divórcio” de Silves!

A 5 de Março de 1892, há precisamente 127 anos, subiu à Câmara dos Deputados, em Lisboa, pelas mãos do parlamentar farense José Bento Ferreira de Almeida, uma representação dos habitantes de Pêra, na qual solicitavam que aquela freguesia fosse «annexada ao concelho e comarca de Albufeira, para todos os effeitos civis, administrativos, judiciaes e políticos».

A freguesia tinha então uma população de 1 975 pessoas, dos quais 313 habitantes subscreveram a petição. Este número pode parecer diminuto, mas na época constituía a «parte valida e sui juris da referida freguesia», até porque em 1892 o número de eleitores limitava-se a 441 (o sufrágio era censitário e masculino). Nesta sequência, 71 % dos eleitores de Pêra pretendiam a transferência de concelho.

Lembravam os perenses que a freguesia fora fundada «por provisão do bispo D. José de Menezes em 26 de julho de 1639 por separação da de Alcantarilha, parte d’esta com a zona que constituiu a nova freguezia de Pera pertenceram ao concelho de Albufeira por demarcação de limites dos termos d’esta villa e dos de Silves feita em 1639 pelo corregedor da comarca de Lagos em virtude de uma provisão regia». Note-se aqui, porém, uma incorrecção, a freguesia foi criada em 1683, efetivamente durante o episcopado de José de Meneses, e não em 1639, como mencionado.

Feito este aparte, recordavam os peticionários: «mais tarde a freguezia de Pera foi encorporada no concelho de Silves, até que em 1834 a mesma freguezia e a de Alcantarilha passaram de novo para o concelho de Albufeira, sendo novamente passadas ao concelho de Silves por decreto de 6 de novembro de 1836». Anexação efetuada a pedido dos habitantes de Alcantarilha e Pêra, acrescentamos nós, que então o rogaram à edilidade silvense. Todavia, em 1892 tal pormenor não interessava e de certo foi propositadamente omitido…

Câmara dos Deputados, Lisboa

Mas voltemos à Câmara dos Deputados. Assim, considerava o deputado Ferreira de Almeida que a aspiração das gentes de Pêra era inteiramente justa, afinal a localidade distava 13 km de Silves e somente 9 km de Albufeira. Além de que «pelo censo de 1887 tem o concelho de Silves 5 290 fogos a que, abatidos os 505 da freguezia de Pera, lhe deixa ainda um effectivo de 4 605 fogos, emquanto que Albufeira com 1 203 fogos verá elevar-se o seu effectivo apenas a 1 708». Ao que rematava, «por esta fórma se vê que nada perde da importancia o concelho que tem por séde uma cidade e que pouco melhora em importancia o que tem por séde uma vila, mas que muito melhoram as condições da relação dos povos da freguezia de Pera, annexando a Albufeira, como solicitam».
Apresentado o projeto de lei, foi este remetido à Comissão de Administração Pública.

Nos anos seguintes não encontrámos alusões ao abaixo-assinado, contudo, a 28/12/1897 o assunto foi levantado na reunião da Câmara de Silves, pelo presidente José Teixeira Gomes. Nela o edil informou a restante vereação que lhe tinha constado «que se projectava por parte dos poderes públicos, annexar a futura Camara de Albufeira a freguesia de Pêra», tendo ele, presidente, logo telegrafado a Sua Majestade El-Rei, suplicando «a sua valiosa protecção para evitar que esta Comarca e Concelho fossem diminuidos com uma das suas freguesias mais importantes».

Decisão ratificada, de imediato, por unanimidade e coadjuvada com uma exposição destinada ao governo, para que «esta comarca e concelho se mantivessem como ha muito vem existindo».

As súplicas da edilidade silvense surtiram efeito e Pêra, contrariamente à vontade dos seus habitantes, manteve-se no concelho de Silves até aos nossos dias…

Veja Também

Primeiro Piquenique de Charme com Comida Esquecida é em São Marcos da Serra

É na freguesia de  São Marcos da Serra que irá decorrer o primeiro Piquenique de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *