Home / Vida / Psicologia / Optar e decidir

Optar e decidir

Caros leitores, após o término de um período em que cada um teve oportunidade de fazer as suas opções, no que concerne à escolha face aos destinos da sua terra e do seu concelho, um novo período se inicia. É agora mais uma vez tempo para optar, mas também para decidir e agir! Mais uma vez cabe a cada um optar por manter-se à margem para ver o que acontece, ou simplesmente criticar, ou poder envolver-se e agir, participando nas decisões da vida comunitária e fazer parte do processo construtivo do presente e futuro próximo das suas terras, contribuindo com as suas capacidades e o seu saber, para o bem comum.
O mês de outubro foi ainda um mês terrivelmente marcado pela catástrofe. Deixou marcas traumáticas profundas na memória individual e coletiva, que levarão o seu tempo a sarar e implicarão um profundo trabalho profissional de apoio e suporte. Por outro lado, esta tragédia mostrou a capacidade de mobilização das pessoas, da sociedade em geral, esquecendo o individual em prol do coletivo. Os caminhos que escolhemos na vida só fazem sentido se nos levarem a algum lugar. Podemos ser donos de grandes “autoestradas”, mas de que nos adiantam se nos conduzem ao vazio? De que nos adiantam se a vida nos passa pela margem e não a sentimos verdadeiramente? È nestes gestos de verdadeira solidariedade, de desprendimento, que damos significado ao nosso caminho! O que verdadeiramente importa não é o que tenho, mas como superei as dificuldades e os desafios que a vida me colocou à frente.

Partilho convosco uma pequena história para reflexão, para que com ela decida e escolha qual o seu caminho, com a consciência de que as escolhas podem mover os nossos sonhos ou aprisionar nossos sentimentos e só não falha quem nunca tentou, pois como diz o poeta “ o caminho faz-se caminhando”:

“Um jovem descrente, desejando testar o conhecimento de um sábio, ergueu o punho fechado na frente do homem venerado.
-O que tenho em minha mão? Perguntou o jovem.
-Uma borboleta! Foi a resposta.
-Está viva ou morta? Inquiriu o rapaz.
O ancião sabia que o jovem estava a brincar com ele. Se respondesse morta, o jovem abriria a mão e deixaria a borboleta voar. Se respondesse viva, o rapaz fecharia a mão e esmagaria a criatura. Então respondeu:

– Está em suas mãos fazer aquilo que deseja com ela.”

Moral da História: Quando todos os elementos estão fora do seu controle, lembre-se de que ainda pode controlar a sua reação.”

“Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.” Cora Coralina

Veja Também

Diagnóstico atempado podia evitar 60 por cento dos casos de perda de visão

Um estudo realizado pela Universidade Nova de Lisboa revela que dos mais de dois milhões de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *