Home / Sociedade / História & Património / Armação de Pêra, olhando para o seu passado

Armação de Pêra, olhando para o seu passado

Em Silves, no edifício da Câmara, encontra-se patente, até ao final do mês de junho, a Exposição do Arquivo Municipal com o tema “Armação de Pêra, olhando para o seu passado”.
A exposição é acompanhada de imagens e documentos.
O Terra Ruiva colabora com esta iniciativa do Arquivo Municipal publicando uma versão resumida do texto da exposição. A versão integral está disponível aqui: Exposição_DM_Junho_2017

Armação de Pera, olhando para o seu passado

A década de 1950 ( como vimos no texto publicado na edição anterior) ficou marcada pela construção de equipamentos como o Casino, a Igreja Nossa Senhora dos Navegantes, o Mercado Municipal, bem como pela construção de um conjunto de moradias e pequenos prédios ao longo da Avenida Beira Mar. As décadas subsequentes são caraterizadas pelo crescente interesse turístico, resultando na edificação de hotéis e dos primeiros blocos de apartamentos, percursores das infraestruturas e do turismo de massas que se vai desenvolver nos anos 70.
A Junta de Turismo de Armação de Pêra e a Câmara Municipal, enquanto entidades promotoras e responsáveis pelas campanhas urbanísticas, tentaram determinar uma política de estruturação urbana que visava manter a relação de Armação de Pera com o mar, uma relação virada para o desenvolvimento da economia local e de embelezamento. Neste sentido, entre os anos 60 e 80, foram produzidos diversos Planos Gerais de Urbanização.

O Hotel Garbe

A pensar no desenvolvimento de Armação, a Junta de Turismo incentivou e facilitou a cedência de terrenos a baixos preços, cedendo a preço simbólico os terrenos necessários para a construção do Hotel Garbe, localizado a cerca de 200 metros do Casino, precisamente no local que o “Plano Geral de Arranjo Urbanístico da Praia de Armação de Pera”, da autoria do arquiteto urbanista Paulo Henrique de Carvalho, em 1955, projetava a localização de um hotel.
No verão de 1959, Francisco José Matias de Oliveira Santos instigou a construção de um hotel que permitisse alojar a crescente massa turística que começava a afluir à pequena localidade.

Hotel Garbe 1959-1963

Nesse mesmo verão foi submetido à apreciação das entidades competentes, o projeto de construção de um hotel que em outubro de 1960 foi aprovado e classificado de “Utilidade Turística”.
O Hotel Garbe, de arquitetura modernista, comercial e turística foi um projeto da autoria do arquiteto de renome do modernismo português, Jorge Ferreira Chaves e de Frederico Santana. Concebido entre 1959 e 1962, surge como um dos empreendimentos pioneiros da indústria hoteleira no Algarve e no concelho de Silves. Espelha a influência do seu projetista no movimento moderno internacional, tanto na conceção arquitetónica das fachadas quanto do estudo e interesse na especificação dos espaços comuns, privados ou serviços no interior e “embora debruçado sobre o mar em nada afeta o equilíbrio e a harmonia da paisagem, antes pelo contrário, e com uma «força» extraordinária, veio valorizar aquilo que de mais puro ela encerra, a forma e a cor das suas arribas”.
Iniciou a sua atividade com cerca de 60 quartos e os seus clientes pertenciam a um nível social mais elevado e eram principalmente ingleses e portugueses.
Dez anos depois, os seus proprietários solicitaram a sua ampliação. Em janeiro de 1972 o arquiteto Jorge Ferreira Chaves projetou a sua ampliação e dotação com uma piscina, concebendo um edifício moderno que apostou na horizontalidade e no jogo de volumes existentes, em vez da construção em altura, com a construção de um novo corpo, de 5 pisos, com capacidade para cerca de 40 quartos.
Em fins do ano de 1980, resolveram os proprietários efetuar uma segunda ampliação, a cargo do arquiteto Cândido Palma Teixeira de Melo que, em abril de 1981, apresentou o projeto que consistia na expansão das instalações para norte.
Este hotel conta atualmente com uma capacidade de 185 quartos. Depois de pertencer à família Oliveira Santos, até 1988, foi vendido à atual gerência e a 1 de julho de 2010 passando a denominar-se “Holliday Inn”.

A esplanada e o minigolfe

Para delinear a rede viária e a ocupação urbana, a 9 de julho de 1962, a Câmara Municipal, sob a presidência de João Bernardino Menéres Sampaio Pimentel, contratou o arquiteto Frederico Alberto Duff Burnay de Carvalhosa e Oliveira para a elaboração do Anteplano de Urbanização de Armação de Pera, pela importância de 23.256$00, referente à área prevista de 75 hectares, no qual devia constar a indicação das construções existentes ou projetadas, ou seja, indicação dos espaços destinados a habitação e a comércio, a edifícios públicos, a parques e jardins, traçados dos arruamentos e ainda as demolições previstas.

Para decoro e embelezamento da estância, no início dos anos 60, a Junta de Turismo procedeu à execução de arranjos na frente mar com a construção de um jardim, entre o Hotel Garbe e o Casino, destinado a recreio público e com um jardim infantil, assim como procedeu à construção de balneários, equipados com duche e WC, escadaria e rampa de acesso à praia.
Construiu também, em 1965, uma Esplanada-Bar, sobranceira ao mar, que comportava 7 grandes chapéus-de-sol, abrangendo 29 mesas e 108 cadeiras, e um bar que foi integrado na concavidade formada pelo terreno. A esta construção pretendeu-se dar um aspeto arquitetónico simples, com grandes superfícies brancas, abrindo por rasgados vãos em arco para a esplanada. A esplanada tem nas duas extremidades escadas de acesso direto à praia, sendo possível aceder-se à avenida pela escadaria cavada no talude contornando a construção.
Em março de 1966, o jardim foi dotado com um equipamento de valências lúdicas, destinado a Minigolfe tendo sido solicitado à Câmara o fornecimento de “6 árvores”.
Nos anos seguintes procedeu-se à dotação de outros melhoramentos, como a pavimentação do recinto da Fortaleza, a pavimentação de ruas, o ajardinamento da Praceta D. Elisa Gomes (Largo da Igreja) e a remodelação e ampliação da rede de distribuição de águas e esgotos.

Por esta altura assistiu-se a um aumento de turistas e populacional, não só na povoação como também nas áreas mais próximas, motivo que originou a necessidade de se estabelecer uma carreira rodoviária de passageiros entre a Praia de Armação e a estação de Caminho-de-ferro de Alcantarilha, a qual foi concedida à “Empresa de Viação do Algarve – E.V.A”.
A década de 1960 foi considerada como a época áurea de Armação de Pera, classificada oficialmente de 1ª Classe, devido ao seu enorme desenvolvimento populacional e turístico, contando com constante animação turística, visitada por altas de individualidades, foi também palco de rodagem de um filme, em 1968.
O Casino, inaugurado em 1958, teve os seus anos de ouro nesta década, atuando durante este período alguns dos grandes nomes da vida artística nacional e internacional. Amália Rodrigues foi uma das artistas que privilegiou Armação de Pera com a sua atuação, acorrendo uma enchente de público.

A 13 de julho de 1965, aquando da sua visita ao Algarve, o presidente da República, o Almirante Américo Tomás, visitou Armação de Pera, Pera, Alcantarilha e Silves. (…) O chefe de Estado descerrou uma lápide comemorativa da visita à entrada do edifício da Junta de Turismo (…) e não terá ficado alheado à magnífica paisagem que se vislumbra daquele local, tendo, (…) ali permanecido alguns instantes a “contemplar o soberbo panorama que dali se desfruta”.

A extinção da Junta de Turismo de Armação

O início do ano de 1970 ficou marcado pela extinção da Junta de Turismo de Armação de Pera, por Decreto-Lei n.º114/70,de 18 de março, que criou a Comissão Regional de Turismo do Algarve. Abrangendo todos os concelhos pertencentes ao distrito de Faro a nova entidade foi herdeira dos bens afetos às antigas administrações das zonas de turismo, entre elas a zona de Turismo de Armação de Pera.
Esta última tentou, porém, evitar a entrega do seu património. Assim, escassos dias antes da publicação daquele decreto-lei, a 12 de março de 1970, no edifício-sede da Junta de Turismo de Armação de Pera, foi lavrada a escritura de doação dos bens próprios da Junta de Turismo à Câmara de Silves. Para o efeito, compareceram os senhores Coronel Joaquim dos Santos Gomes, Casimiro Costa, Eurico dos Santos Patrício, Joaquim Pereira Neves e Luís José Guerreiro Matoso, representantes da Junta de Turismo, o primeiro na qualidade de Presidente e os restantes na de vogais e Salvador Gomes Vilarinho, na qualidade de presidente da Câmara Municipal. Pelos primeiros foi outorgado doar os bens à Câmara que deliberou aceitar a doação.

A Junta era possuidora de um património que ascendia a alguns milhares de escudos, do prédio onde se encontra implantado o “Casino” com parque infantil e terraço para o mar, do estabelecimento de café com terraço descoberto murado e ajardinado, com diversos elementos destinados à prática do Minigolfe, balneários da zona poente da praia e balneários e esplanada junto à Fortaleza.
Contudo, a tentativa foi em vão. Um despacho ministerial obrigou a reversão para a CRTA dos bens afetos à extinta Zona de Turismo de Armação de Pera. Assim, no dia 1 de fevereiro de 1973, procedeu-se a entrega à CRTA, representada pelo seu presidente, José Manuel Teixeira Gomes Pearce de Azevedo, dos bens imóveis que tinham sido doados à Câmara, três anos antes, bem como a quantia de 2.150.461$00, a qual representava o produto da venda dos bens imóveis propriedade do concelho que se encontravam na administração da extinta Junta de Turismo.

Jardim Hotel Garbe, jardim e avenida Beira-Mar, no início da década de 70

Com a extinção da Junta de Turismo, o Casino de Armação de Pera acabou por perder o fulgor adquirido na década de 60. No início dos anos 70 foi o mesmo concessionado a empresários marroquinos, Bennani Ahmed e Budhain Abdallah, que lhe estabeleceram uma vivência norte africana. Mas tal não evitou o seu declínio, passando a funcionar, a partir de 1975, como instalação de apoio à população das ex-colónias, culminando no seu encerramento. Em 1999 o edifício foi parcialmente restaurado, mas não atingiu o fulgor de outros tempos.

Enquanto nas décadas de 1950 e 1960 houve um crescimento urbanístico controlado e com critérios de qualidade e embelezamento as décadas subsequentes são caraterizadas pela construção em massa e desordenada originando o aparecimento dos grandes edifícios em altura.

(continua)

Bibliografia:
Cabrita, Aurélio Nuno, Presidente da República visitou Armação, Alcantarilha, Pera e Silves há 50 anos, Terra Ruiva n.º169, Julho/Agosto 2015.

Exposição “Documento do Mês” do Arquivo Municipal de Silves
Junho 2017 | Texto publicado no Jornal Terra Ruiva

Veja Também

21 anos da Casa Museu João de Deus apresenta “ART 21”

Até ao final do mês de novembro pode ser vista na Casa-Museu João de Deus, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *