Home / Sociedade / História & Património / 25 de Abril- 45 anos (Dia 5) O Terra Ruiva nas comemorações

25 de Abril- 45 anos (Dia 5) O Terra Ruiva nas comemorações

Na celebração dos 45 anos da “Revolução dos Cravos”, o “Terra Ruiva” associa-se às comemorações e publica todos os dias, durante o mês de Abril, um texto ou poema alusivos ao 25 de Abril.
Uma iniciativa organizada por Rui Cabrita e que decorre em simultâneo no jornal Postal do Algarve.

“Um povo sem memória não perpetua um país, preenche um espaço sem identidade.”

Carlos Esperança

 

A ESCOLHA DA JUNTA DE SALVAÇÃO NACIONAL


“Quanto à Armada, fechou-se completamente em copas até ao último momento. Pelo menos no que a mim próprio diz respeito, pois nem sequer no Posto de Comando, em pleno desenrolar da acção, Vítor Crespo acedeu a responder-me à pergunta que lhe fiz nesse sentido. E a minha surpresa (e satisfação) seria grande ao ver, na noite de 25 de Abril, no Quartel da Pontinha, um capitão-de mar-e guerra de aspecto façanhudo e resoluto e um sorridente e calvo capitão-de-fragata prepararem-se para a assunção das pesadas responsabilidades que a Junta de Salvação Nacional lhes ia carregar em cima dos ombros. Ao menos a Armada, sabidona, não se tinha deixado enlear na habitual conversa mole da preservação da hierarquia apesar de tudo, jogando forte na personalidade dos seus dois representantes!

Ao alinhar nomes para a Junta, o grupo político da Armada manifestara um certo consenso a respeito de Pinheiro de Azevedo e de Rosa Coutinho, este comandante de um navio, a fragata Almirante Pereira da Silva, aquele comandante do Corpo de Fuzileiros.
…Só a caminho do Posto de Comando, onde se me foi juntar pelas 22h30 do dia 24, é que Vítor Crespo, com base no consenso anterior se decide a passar por casa de Rosa Coutinho. Este de nada sabe, Crespo passa-lhe para as mãos os três documentos que leva na pasta: a proclamação do MFA, o protocolo secreto entre o MFA e a Junta e o programa político, que o comandante lê atentamente. Quando termina, sacode os papéis e diz a Vítor Crespo:
– Com isto, ponho o meu navio à vossa disposição!
– Muito obrigado, senhor comandante, mas isso não é preciso porque já está desconcerta-o Vítor Crespo.
– O que lhe venho propor é que faça parte da Junta.

Rosa Coutinho abre a boca de espanto. Estava-se a uma hora apenas do primeiro sinal de rádio através dos Emissores Associados!”

  Otelo Saraiva de Carvalho, in “Os Anos de Abril, vol. III, edição Correio da Manhã”

Veja Também

Cristóvão Norte considera que médicos tarefeiros deviam ser a exceção

Após ter sido tornado público que o Centro Hospitalar Universitário do Algarve foi a instituição …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *