Home / Vida / Saúde & Bem Estar / A importância do controle da asma para uma vida sem limitações

A importância do controle da asma para uma vida sem limitações

«A asma é um importante problema de saúde pública, afetando aproximadamente 300 milhões de pessoas em todo o mundo, com tendência para aumentar. De acordo com o relatório do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias de 2016, estima-se que mais de 1 milhão de portugueses tenha asma.
É uma doença inflamatória crónica das vias áreas, reconhecida atualmente pela sua heterogeneidade. Caracteriza-se pela existência de sintomas respiratórios, como “falta de ar”, sibilos (“gatinhos”), tosse e “peso no peito”, que variam de doente para doente, e no mesmo doente variam ao longo do dia, agravando muitas vezes à noite e nas primeiras horas da manhã. Estes sintomas estão associados a uma obstrução das vias áreas que é variável e potencialmente reversível.

Como doença heterogénea que é, não se manifesta da mesma maneira em todos os doentes. Existem asmáticos alérgicos e não alérgicos, uns com sintomas desde a infância, e mais raramente com queixas apenas na idade adulta. Sabe-se que o meio ambiente pode desencadear o aparecimento de sintomas em doentes suscetíveis, estando identificados vários fatores como os alergénios inalados (ácaros, pólens, epitélios de animais, fungos…), alergénios alimentares, alguns fármacos, e fatores como a exposição a fumos, cheiros ativos, exercício físico ou frio, entre outros.
Independentemente do tipo de asma diagnosticado, deve ser iniciado um tratamento, visto que a existência de sintomas, reduz de forma significativa a qualidade de vida. Se conseguirmos controlar a inflamação e a obstrução das vias aéreas, é possível que o doente não apresente sintomas. Para tal, existe a terapêutica de manutenção (geralmente por via inalada), que o doente deve fazer diariamente e a terapêutica de alívio, utilizada apenas nas exacerbações. É importante referir que, se não forem corretamente utilizados, estes dispositivos não serão eficazes, sendo assim essencial que o doente aprenda a técnica inalatória correta.

No entanto, apesar de toda a terapêutica disponível, apenas 57% dos doentes tem a sua asma controlada. O mau controlo da asma tem um enorme impacto na qualidade de vida do doente, representando uma carga muito pesada para os doentes, para a família e para a sociedade. Traduz-se por idas ao Serviço de Urgência, utilização de terapêutica adicional e dias de absentismo escolar e laboral.

O objetivo do tratamento é conseguir um bom controlo dos sintomas, que permita ao doente asmático manter uma vida normal, sem se sentir limitado na sua atividade diária, minimizando em simultâneo o risco de exacerbações. O doente deve saber que é possível praticar todo o tipo de desportos, viajar e passear, desde que tenha um bom controlo da asma.
Para isto, a relação que se estabelece entre o médico e o doente é fundamental, devendo existir programas orientados para a educação e treino dos doentes asmáticos. O profissional de saúde deve conseguir explicar que a asma é uma doença crónica, e como tal, requer um tratamento a longo prazo, que pode ter uma evolução variável ao longo dos anos e que é importante o doente saber reconhecer uma agudização, uma vez que estas podem ser fatais. Por outro lado, o doente não deve ter medo de “ficar dependente” dos inaladores, devendo adquirir o conhecimento e a confiança, para fazer ajustes na sua terapêutica sempre que necessário.

Para além de todos os programas já existente, está neste momento a decorrer uma campanha de âmbito nacional, intitulada “Vencer a Asma”, com o intuito de alertar para a importância da adesão à terapêutica. Foi lançado o site www.venceraasma.com que pode ser consultado para mais informações.
Por tudo o que foi referido, é essencial que o doente adira ao tratamento prescrito, de forma correta, uma vez que, com a terapêutica adequada e adaptada a cada doente, é possível controlar a asma, e ter uma vida sem limitações.»

Filipa Todo Bom
Coordenadora da Comissão de Trabalho de Alergologia Respiratória da SPP
Pneumologista no Hospital Beatriz Ângelo e Hospital da Luz

Veja Também

Diagnóstico atempado podia evitar 60 por cento dos casos de perda de visão

Um estudo realizado pela Universidade Nova de Lisboa revela que dos mais de dois milhões de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *