Home / Algarve / Faro é o distrito onde empresas têm a pior situação financeira

Faro é o distrito onde empresas têm a pior situação financeira

As empresas do distrito de Faro encontram-se posicionadas em último lugar no país, relativamente às receitas geradas – esta é uma das conclusões do Estudo Nacional de Competitividade Regional realizado pela Universidade Católica, em parceria com a Zaask, um marketplace online de serviços locais, líder na Península Ibérica.


Recentemente foram divulgados os resultados da 2º edição do referido estudo, que contou com a colaboração de 1321 empresários portugueses. O mesmo estudo revela que Faro é o distrito onde as empresas apresentam a pior situação financeira a nível nacional, cujo valor médio dado pelos empresários é de 2,49 quando a média nacional se situa nos 2,8 pontos.

Já as empresas do distrito de Faro encontram-se posicionadas em último lugar (2,59) relativamente às receitas geradas, face aos 3,06 de média nacional, refletindo um decréscimo em comparação com o ano anterior (2,85). Por outro lado, os valores cobrados aos clientes posicionam o distrito em penúltimo lugar a nível nacional (2,61 face 2,83), representando também um decréscimo face ao ano anterior.
No que respeita a programas de formação oferecidos pela entidades governamentais, apenas 19% dos empreendedores do distrito reconhece a sua existência, e 80% considera que existe um défice na oferta.
No entanto, apesar destes indicadores, Faro registou uma evolução no aconselhamento de abertura de novos negócios face ao estudo anterior (de 3,37 para 3,88), sendo possível observar uma evolução do acompanhamento prestado bem como na facilidade de recrutamento.
A nível nacional, em 2016, os empresários portugueses mostram-se mais otimistas quanto à situação atual da sua empresa, considerada razoável para 59% dos entrevistados, sendo que 36% tinha visto as receitas aumentarem em 2016, face a 2015.
Quando questionados sobre a situação económica nacional, 60% dos empresários consideram ser razoável, boa ou muito boa. Com base no mesmo indicador, apenas 43% o avaliou desta forma em 2015.

Na realização deste estrudo, a Zaask propôs-se saber, uma vez mais, qual o sentimento dos empresários sobre a competitividade dos respetivos distritos e qual a visão das empresas relativamente à economia nacional e regional.

Para aceder ao estudo completo, aqui: https://www.zaask.pt/algarve/faro

Veja Também

GALP anuncia que desiste da exploração de petróleo no Algarve

O consórcio ENI/Galp decidiu abdicar da pesquisa e eventual exploração de petróleo ao largo da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *