Home / Sociedade / Cultura / Contributos do Teatro para o Envelhecimento (Cri)Ativo

Contributos do Teatro para o Envelhecimento (Cri)Ativo

«Contributos do Teatro para o Envelhecimento (Cri)Ativo» é o título da dissertação de mestrado realizada pela ex-aluna da Universidade do Algarve, Nídia Marta Gonçalves. O trabalho de investigação relacionou duas áreas do conhecimento – o teatro e o envelhecimento, visando compreender os benefícios da prática da atividade teatral na população sénior.
Partiu do Projeto de Teatro Sénior, uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Silves, através de dois setores: ação social e cultura. Os principais intervenientes foram os elementos do Grupo de Teatro Sénior de Silves.

A autora, entendendo o teatro como uma proposta estratégica de intervenção em gerontologia social, teve como objetivos identificar os contributos desta atividade artística, em aspetos relacionados com a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida dos idosos. Na sua opinião, aquilo que mais diferencia o teatro, de tantas outras atividades recomendadas aos seniores, é a possibilidade que este oferece de trabalhar um conjunto tão alargado de fatores. Distingue-se da maioria das atividades que integram hoje os programas destinados à promoção do envelhecimento ativo, precisamente nessa medida. Porque trabalha diretamente um conjunto abrangente, quer de faculdades, quer de limitações do ser humano, que não é fácil encontrar noutra atividade de âmbito artístico ou desportivo. Talvez por isso, os resultados desta dissertação apontem benefícios em áreas tão diferentes, como a diminuição da ansiedade, a experiência criativa ou a esperança.

Na abordagem teórica refere o fenómeno do envelhecimento como uma «realidade inegável do mundo contemporâneo» e desenvolve os conceitos de envelhecimento ativo, bem-sucedido e criativo.

O conceito de envelhecimento criativo, relativamente desconhecido em Portugal, apresenta a criatividade como um novo paradigma para o envelhecimento, que destaca o potencial dos seniores ao invés dos seus problemas. É um conceito que permite pensar como é que as artes e a expressão criativa promovem a saúde no envelhecimento, salientando o seu papel na melhoria do funcionamento cognitivo e da qualidade de vida.

O trabalho esclarece as três tipologias teatrais que o sustentam – teatro comunitário; teatro aplicado e teatro sénior. Na secção dedicada ao teatro sénior percebemos que, apesar deste se revelar uma prática em crescimento, o debate teórico sobre os seus propósitos ainda é escasso, deixando subentendida a pertinência do estudo. Por fim deixa-nos uma reflexão sobre o campo das artes e da saúde, um campo multidisciplinar, que abrange todo o trabalho realizado através de práticas artísticas na área da saúde e em contextos comunitários.

A investigação decorreu em duas fases distintas, que correspondem ao processo criativo de duas peças de teatro. A primeira intitulada Gregório Mascarenhas, a Menina Juventina e o Marreco (2014) e a segunda, A Escola do outro Tempo (2015), ambas levadas à cena pelos participantes do Grupo de Teatro Sénior de Silves.
Ao longo deste período, a autora acompanhou o trabalho do grupo de diversas formas: colaboração e dinamização de sessões de prática teatral; realização de entrevistas aos elementos do grupo e aos responsáveis deste; registo audiovisual de ensaios e espetáculos. O estudo incidiu sobre o grupo de Silves.

No entanto, o Projeto de Teatro Sénior (Município de Silves) permitiu também a criação dos Grupos de Teatro Sénior de São Bartolomeu de Messines, Armação de Pêra e Tunes. E segundo a autora, o processo criativo dos quatro grupos de teatro sénior teve como princípios a valorização do património cultural imaterial (PCI), o acesso e a participação cultural e o envolvimento comunitário.
Os resultados apresentam contributos do teatro para o envelhecimento ativo/criativo, em sete âmbitos – Participação; Saúde Mental; Socialização; Cooperação; Envolvimento Pessoal e Compromisso com a Vida; Valorização e Reconhecimento; Superação. Todos incluem outros tópicos de desenvolvimento que evidenciam, por exemplo, a importância do estímulo da memória, do reconhecimento e do sentido da vida no processo de envelhecimento.

Este trabalho sugere que o teatro tem potencialidades para se afirmar como uma importante estratégia de intervenção no âmbito da Gerontologia Social. Porque o teatro, além de promover a saúde, o bem-estar e o envelhecimento ativo, pode ainda ser um instrumento para a desmistificação dos estereótipos associados ao envelhecimento. Deixando assim, o desafio de integrar a atividade teatral em futuros programas de promoção do envelhecimento (cri)ativo.

A dissertação foi realizada no âmbito do Curso de Mestrado em Gerontologia Social da Escola Superior de Educação e da Escola Superior de Saúde, da Universidade do Algarve. Efetuada sob a orientação da Professora Doutora Aurízia Anica.

E pode ser consultada na íntegra em: https://sapientia.ualg.pt/handle/10400.1/8646

A Autora | Nídia Marta Mendes Gonçalves

Nídia Gonçalves
Nídia Gonçalves

 

 

Nasceu em Portimão, no ano de 1979. Reside em Tunes, freguesia do concelho de Silves.

Mestre em Gerontologia Social e licenciada em Estudos Artísticos, pela Universidade do Algarve.

Exerce atividade profissional na ASMAL – Associação de Saúde Mental do Algarve, onde, entre outras funções, coordena o grupo de teatro inclusivo “Teatro do Sótão”.

Partilhe nas redes socias:
Share on Facebook
Facebook
0Pin on Pinterest
Pinterest
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Veja Também

Executivo da Câmara Municipal de Silves desmente membros da AM do PS, PSD e BE

O adiamento da sessão da Assembleia Municipal de Silves do dia 15 de maio teve …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *