Home / Algarve / Mais 30 dias para contestar perfuração de petróleo em Aljezur

Mais 30 dias para contestar perfuração de petróleo em Aljezur

Foi prorrogado por mais 30 dias, o período de Consulta Pública para a realização de sondagens de pesquisa no deep offshore da Bacia do Alentejo, a 46kms de Aljezur, após o pedido da Plataforma Algarve Livre de Petróleo apresentado à Direção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos.

mapa aljezur 2
“Após pedido da Plataforma Algarve Livre de Petróleo, Plataforma onde estão representadas diversas organizações, entre as quais as maiores organizações de defesa do ambiente nacionais, a Direcção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) prorrogou a consulta pública relativa à emissão de um Título de Utilização Privativa do Espaço Marítimo Nacional (TUPEM), para a realização de sondagem de pesquisa no deep offshore da Bacia do Alentejo até ao próximo dia 3 de agosto. De acordo com o Edital 008/2016, esta prorrogação deverá adiar a data prevista para a perfuração, que estava indicada para o dia 1 de julho”, informa a PALP.
A Plataforma Algarve Livre de Petróleo “congratula-se com a prorrogação do prazo de consulta pública que vem ao encontro do interesse suscitado pelos cidadãos”, mas considera que os documentos divulgados e as explicações dadas pela Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis, “são claramente insuficientes e não revelam um esforço acrescido por parte da entidade representante do Governo Português em disponibilizar informação relevante”.
A exploração de petróleo e gás é uma actividade com várias etapas todas incluídas nos contratos assinados pelo Estado Português. A fase de perfuração é um dos passos e não está isento de riscos. Relembramos de que um dos maiores acidentes de sempre, o “Deep Horizon” no Golfo do México, ocorreu na fase de perfuração.
Assim, a PALP “apela ao Primeiro-Ministro de Portugal para ser coerente com os compromissos que o Estado Português assumiu na COP21 de Paris e no cumprimento das metas cada vez mais exigentes da Comunidade Europeia, que inevitavelmente só podem conduzir à recusa deste projecto”.
Parece-nos que a acumulação de riscos implicados, tornam indispensável o equacionar de outras alternativas, que não impliquem elevados impactes ambientais e sociais para qualquer região de Portugal”, acrescenta a PALP.

Para quem deseja participar neste processo de Consulta Pública, poderá fazê-lo enviando um email/carta de objeção à DGRM.
Na sua página, a PALP tem várias minutas que podem ser seguidas por quem quer contestar este processo e nomeadamente a perfuração em Aljezur.

PartilharShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Email this to someonePin on Pinterest0

Veja Também

Algarve alcança novos recordes

Os resultados preliminares da atividade turística para conjunto do ano de 2017,  divulgados pelo Instituto …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *