Arquivos Tags: Memórias

MEMÓRIAS: A aldeia durante a guerra

MEMÓRIAS: Na secção Memórias relembramos o texto “A aldeia durante a guerra”, de Maria Lúcia Cabrita, publicado na edição nº 116, de novmebro de 2010. Estava-se em plena primeira Guerra Mundial. Os tempos iam difíceis, mesmo muito maus. Na aldeia havia tristeza – só lá ficaram os velhos, as mulheres, moças casadoiras e crianças, chorando os jovens e robustos camponeses que tinham partido para França onde, juntamente aos Aliados, combatiam a Alemanha. As enxadas foram trocadas pelas armas e as mãos calejadas desses tão bravos em campo de lavoura como em campo de batalha, abandonaram-nas no palheiro, onde os pobres …

Ler Mais »

MEMÓRIAS: A Gazeta dos Caminhos de Ferro e Armação de Pêra

MEMÓRIAS: Na secção Memórias recuperamos o texto “A Gazeta dos Caminhos de Ferro e Armação de Pêra, Algumas sugestões de valorização cultural”, de Marco Santos, publicado na edição nº 114, de Setembro de 2010.  O Verão, estação que rapidamente se aproxima do seu término, traz todos os anos ao Algarve uma grande afluência de turistas, sendo este fenómeno várias vezes estudado do ponto de vista económico e mas raramente do histórico. Recentemente tive acesso a alguns números da Gazeta dos Caminhos de Ferro que me suscitaram interesse, especialmente devido a uma sequência de artigos intitulados O Algarve e o seu …

Ler Mais »

MEMÓRIAS: Primavera (de há 40 anos)

MEMÓRIAS: Nesta secção recuperamos o texto “Primavera (de há 40 anos) de José Baeta, publicado na edição nº 110, de abril de 2010.   “Senti hoje a Primavera no primeiro dia de calor do mês de Abril e de quantas primaveras me lembrei hoje? Não sei, de muitas e eu gostava bem da Primavera nestes dois meses de Abril e Maio, em Silves ou em Lisboa, quando os dias começavam crescer e o aroma fresco das tardes me chamava a amar a vida. E vivia sempre melhor nesse tempo; começavam as assadas e as idas à ilha como no ano …

Ler Mais »

MEMÓRIAS: Rostos notáveis de Messines – Maurício Monteiro

MEMÓRIAS:  Na secção memórias publicamos de novo o texto dedicado a Maurício Monteiro, da autoria de Teodomiro Neto e publicado na edição nº 32, de Fevereiro de 2003. Maurício Serafim Monteiro nasceu em S. Bartolomeu de Messines ( 1889/1986). Viveu sempre dedicado ao seu Algarve. Depois das primeiras letras segue para Faro, diariamente, pelo comboio, que chegara à terra algarvia, no ano do seu nascimento, para os estudos liceais. A República trouxe-lhe a faculdade de direito, para mais perto, Lisboa, onde se formou. Descrever o perfil e a personalidade de Maurício Monteiro é deparar, antes de mais, com a sua …

Ler Mais »

MEMÓRIAS: Fazer fintas à solidão

MEMÓRIAS: Relembramos a reportagem “Fazer fintas à solidão”, da colaboradora Sónia Correia, feita no dia da inauguração do Centro de Dia de São Marcos da Serra, e publicado na edição nº 42, Janeiro de 2004.  Maria Susana queria “mais saúde e menos idade”. Para Maria Leonor e Alzira o maior desgosto é nunca terem aprendido a ler nem a escrever. Emília, surda-muda, vive num eterno e angustiante silêncio que a separa do libertador mundo das palavras. Partilham os dias no centro de dia de São Marcos da Serra onde Vitalina também gostava de ter “um quartinho para ficar a dormir” …

Ler Mais »

MEMÓRIAS: Recordar o poeta armacenense António Pereira

MEMÓRIAS: Na secção Memórias recuperamos o texto publicado na edição nº 85, de dezembro de 2007, da autoria de Aurélio Nuno Cabrita, sobre o poeta armacenense António Pereira.    Recordar o Poeta armacenense António Pereira Eu sou de Armação de Pêra, Essa das ruas para o mar Como quem vai embarcar… Das ruas que vem da praia Como quem volta do mar.. Senhor de um lirismo impressionante e profundo, um misto de António Nobre e de Cesário Verde, António Pereira era considerado como o poeta de uma das mais perfeitas compleições poéticas que terão surgido no Algarve. Sou algarvio E …

Ler Mais »

MEMÓRIAS: Recordar a Silvense Primeira-Dama: Maria das Dores Cabeçadas

MEMÓRIAS: Na secção Memórias lembramos hoje a Silvense que foi Primeira-Dama: Maria das Dores Formosinho Vieira Cabeçadas, um texto de Aurélio Nuno Cabrita, publicado na edição nº 71, de setembro de 2006. Maria das Dores Formosinho Vieira Cabeçadas Nasceu em Silves, a 6 de Janeiro de 1880, aquela que seria uma das Primeiras- Damas da “Ditadura Militar”, cargo que ocupou quase acidentalmente e por apenas 17 dias. Filha de José Francisco Vieira e Maria Dolores Formosinho Vieira, uma família de classe média silvense, que acabaria por se fixar em Lisboa nos finais do século XIX, na sequência de problemas de …

Ler Mais »

MEMÓRIAS: Messines – Os primeiros cafés

MEMÓRIAS: Na secção Memórias, lembra-se o texto “Messines – Os primeiros cafés”, da autoria de Teodomiro Neto, publicado na edição nº 65, de fevereiro de 2006.  Até meados do século XX o passatempo dos messinenses consistia, segundo os seus graus sociais, no convívio em tabernas, clube e sociedade recreativa. O clube consistia numa casta de pequenos comerciantes, agricultores e familiares, em que os políticos do sistema corporativo local enfeitavam os serões restritos a eles mesmos. Havia um piano em que a malta, ludibriando o sr. Jaime sacristão ( o chamado contínuo sempre com o salário em atraso), passava por portas …

Ler Mais »

MEMÓRIAS: Grupo de Teatro Amador da ASSABA apresentou o seu primeiro espetáculo

MEMÓRIAS. Na secção Memórias lembramos hoje a estreia do Grupo de Teatro Amador da ASSABA (Associação dos Amigos da Barragem), a que o Terra Ruiva assistiu. A reportagem foi publicada na edição nº 29, de novembro de 2002. “Almansor e Branca de Portugal” foi o espectáculo que o “Pássaro de Fogo – Grupo de Teatro Amador da ASSABA (Associação dos Amigos da Barragem) deu a conhecer ao público, em dois espectáculos realizados em Outubro, na sede desta associação. Com um belíssimo texto da autoria de Maria Luísa Anselmo, que também encenou e dirigiu, este espectáculo relata-nos uma história de amor. …

Ler Mais »

MEMÓRIAS: Qual o futuro das escolas e dos meninos das aldeias?

MEMÓRIAS: Na secção Memórias, lembramos a reportagem publicada na Edição nº 27, de agosto de 2002, quando foi anunciado, pela primeira vez no país, o encerramento de escolas com menos de 10 alunos. A nossa reportagem foi à Escola Básica da Azilheira, na freguesia de São Marcos da Serra, uma das que estava na lista para encerrar. Escola com Poucos Alunos Qual o futuro dos meninos das aldeias? Os preparativos para um novo ano escolar foram marcados pela intenção manifestada pelo Governo de encerrar as escolas do 1º ciclo ( escolas primárias) com menos de 10 alunos. Este anúncio deixou …

Ler Mais »