Home / Arquivos Tags: José Manuel Vargas

Arquivos Tags: José Manuel Vargas

Eleições municipais e irregularidades, em Messines, em 1898

No primeiro domingo do mês de Novembro de 1898, dia 6, os eleitores do concelho de Silves foram chamados a escolher uma nova vereação municipal pelo sistema de listas (pautas dos elegíveis, efectivos e substitutos), sendo constituídas assembleias de voto nas várias igrejas paroquiais. Em S. Bartolomeu de Messines, o edital com o alvará do governador civil a convocar a assembleia eleitoral tinha sido afixado à porta da igreja e o pároco António Máximo de Sousa Calado fizera o anúncio em todas as missas conventuais (para a comunidade de fiéis), realizadas desde a marcação das eleições. Efectuaram-se as eleições na …

Ler Mais »

Memórias: Messines e a Revolução Republicana em 1910

Memórias: Na secção Memórias recuperamos os textos de José Manuel Vargas publicados nas edições 114 e 115, setembro e outubro de 2010, onde se revive o anúncio e a implantação da República em S. Bartolomeu de Messines e homenageia os republicanos dessa época.  MESSINES E  A REVOLUÇÃO REPUBLICANA EM 1910 A notícia do triunfo da revolução de 5 de Outubro de 1910 foi certamente recebida em S. Bartolomeu de Messines no próprio dia, através do telégrafo da estação postal, e não é difícil imaginar o enorme júbilo que terá provocado numa localidade onde havia muitos anos que a propaganda republicana …

Ler Mais »

José Manuel Vargas publicou duas novas obras

O nosso colaborador José Manuel Vargas publicou recentemente dois novos livros. No passado dia 18 de fevereiro foi apresentado em Coina, perante uma sala repleta, a obra “Foral de Coina – 1516”, uma edição da Câmara Municipal do Barreiro. Trata-se de uma obra ímpar, sobre um dos principais portos do Tejo, de onde desponta o vasto conhecimento do autor sobre o tema, o rigor que empreende em todos os seus trabalhos, aliados a um excelente grafismo. O livro divulga não só o Foral, como contextualiza a localidade antes e durante a sua vigência. Metodologia também usada no livro “Canha e …

Ler Mais »

Nosso colaborador, José Manuel Vargas distinguido pela Academia Portuguesa da História

José Manuel Vargas, colaborador de longa data do Terra Ruiva, foi distinguido com o Prémio Prof. Doutor Pedro da Cunha e Serra, atribuído pela Academia Portuguesa da História. A cerimónia de entrega dos prémios decorreu no dia 8 de dezembro, dia da Academia Portuguesa da História, tendo sido presidida pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que descerrou uma placa alusiva ao momento e assinou o Livro de Honra da instituição. O Prémio Prof. Doutor Pedro da Cunha e Serra foi atribuído ao estudo: “O Foral Novo: Torres Vedras: 1510”, editado pela Câmara Municipal de Torres Vedras, da autoria …

Ler Mais »

“O Meu 25 de abril”, com as colaborações de Fátima Ramos Matos, José Vargas, José Silvério e David Marques

O Meu 25 de abril, por Fátima Ramos Matos Respondo a um desafio, “Onde estava no 25 de Abril de 1974” e revisito os anos da minha adolescência … 25 de Abril de 1974, 5ª feira, Portalegre, Liceu Nacional de Portalegre … Naquela manhã, como habitualmente, depois de tomar o pequeno almoço e vestir a bata branca com gola verde, que indicava que frequentava o 5º ano, a caminho do Liceu … Não havia aulas. Naquela altura, como agora, os feriados eram festejados entre os alunos até porque eram raros. Que tinha havido uma revolta em Lisboa, falava-se … que …

Ler Mais »

Alguns documentos para a história do Algoz

Antes do século XVI, quando foi criada a freguesia do Algoz, são muito raros os documentos escritos que nos permitam conhecer a história da povoação nos seus primórdios.   Na ausência dessa documentação, tem-se recorrido a outras fontes (arqueológicas, toponímicas, tradicionais) para esboçar, por vezes de forma fantasiosa, um quadro explicativo das origens e evolução do Algoz. Assim, continuam a divulgar-se, como certezas históricas, imaginativas teorias sobre um hipotético solar dos Tenreiros, ou outras conjecturas vagamente sustentadas. Entretanto, nos últimos anos, têm sido conhecidos e divulgados alguns documentos que poderão, a par da investigação arqueológica, sobretudo, lançar nova luz sobre …

Ler Mais »

A antiga casa da Câmara de Silves

Antes da construção do edifício dos Paços do Concelho de Silves, em finais do século XIX, a sede do poder municipal estava instalada no torreão medieval das portas da cidade que chegou quase intacto aos nossos dias e onde, até há poucos anos, funcionava a biblioteca municipal. A primeira notícia conhecida sobre a utilização da velha torre para as reuniões do concelho data do séc. XIV e diz respeito a uma assembleia realizada em 13 de Julho de 1383 para nomear os procuradores de Silves às Cortes de Santarém: “Saibam quantos esta carta virem que nós Gil Gonçalves e Vasco …

Ler Mais »