Arquivos Tags: Francisco Martins

Investimento em alta

No regresso aos temas autárquicos, não posso deixar de observar e comentar o intenso programa de investimentos do Município de Silves, que se estende a todo o território do concelho. Os dados consultados evidenciam que se encontram em fase de concurso público 36 empreitadas, num valor global de 15 milhões de euros, em simultâneo com 16 obras em fase de execução, no montante de 8,2 milhões de euros. À beira de entrar em concurso público registam-se ainda 11 empreitadas, num total de 4 milhões de euros. Considerando o orçamento municipal, o rol de investimentos é significativo e ambicioso, sendo percetível …

Ler Mais »

Onde estava no 25 de Abril de 1974 … e 24 anos do jornal Terra Ruiva

Onde estava no 25 de Abril de 1974   À época era estudante na Escola Secundária de Silves, frequentando o 6.º ano do Curso Complementar de Administração e Comércio. No dia da revolução, num diário que, com intermitências, vinha elaborando, escrevi: “Grande revolta militar. Acabou o fascismo!” Sublinhava o clima de alegria reinante nas ruas e a ânsia pelas notícias difundidas pela RTP (único canal televisivo) sobre o desenvolvimento das operações militares. Recordo que no dia 26 de abril, irrompeu uma grande manifestação de estudantes, a partir da atual Escola Secundária, que, interrompendo as aulas, percorreu as ruas da cidade …

Ler Mais »

Manipulação da livre decisão dos cidadãos

Estamos perante mais umas eleições legislativas, desta vez, antecipadas, consequência do fracasso das políticas do PS, que não responderam aos problemas do país, sendo o corolário de sucessivas demissões e escândalos, tendo a corrupção em pano de fundo. E com elas, de novo a mistificação, de que o escrutínio eleitoral se destina à escolha do primeiro-ministro, que a comunicação social repete vezes sem conta. As eleições legislativas não servem para escolher o governo, nem quem o vai chefiar. Na verdade, está em causa a eleição de 230 deputados em 22 círculos eleitorais. É na Assembleia da República que se formam …

Ler Mais »

Ano Novo, velhas ameaças

“Tal situação não tem a ver apenas com a física ou a biologia, mas também com a economia e o nosso modo de a conceber. A lógica do máximo lucro ao menor custo, disfarçada de racionalidade, progresso e promessas ilusórias, torna impossível qualquer preocupação sincera com a casa comum e qualquer cuidado pela promoção dos descartados da sociedade. Nos últimos anos, podemos notar como às vezes os próprios pobres, confundidos e encantados perante as promessas de tantos falsos profetas, caem no engano dum mundo que não é construído para eles.” (Papa Francisco, Exortação Apostólica Laudate Deum, 4 de outubro de …

Ler Mais »

Governo desgovernado

Contra todas as previsões, o governo de maioria absoluta do PS, com o mandato de quatro anos e meio, é demitido ao fim de pouco mais de ano e meio, desde que tomou posse. Em apenas 16 meses, 13 governantes deixaram o governo. O clique final foi dado com a detenção do chefe de gabinete do 1.º ministro, Vítor Escária, de Diogo Lacerda Machado, consultor próximo, alegadamente envolvidos em altos negócios privados, e com o comunicado da Procuradoria-Geral da República, que implica o próprio António Costa na “Operação Influencer”. O governo do PS autodestruiu-se pelos sucessivos casos de justiça, mas, …

Ler Mais »

Dar com uma mão e tirar com a outra

O Orçamento do Estado (OE) para 2024 não traz nada de novo quanto às grandes linhas de orientação traçadas pelo Governo de António Costa, a não ser uma deriva para a direita, também com mais privatizações, da TAP à EFACEC. Não é pois surpreendente que a jornalista Ana Sá Lopes tenha defendido recentemente que “não é fácil ser-se oposição de direita por estes dias”, ao considerar que o governo do PS se teria apropriado do seu programa em matéria de finanças públicas. Porém, nada que contrarie a lógica do mercado único e da moeda única da União Europeia, espaço onde …

Ler Mais »

O Direito à Habitação é universal

A Habitação é um dos problemas mais agudos da sociedade portuguesa, que exclui do seu acesso a maioria da população portuguesa, desde as camadas com mais baixos rendimentos até às chamadas classe média e classe média baixa, que não auferem rendimentos do trabalho suficientes para suportar os preços exorbitantes que grassam no mercado imobiliário e do arrendamento. É um problema nacional que não se resolve localmente, nomeadamente através dos municípios, como se procura fazer crer,  que na verdade só o podem mitigar através de estratégias próprias, dada a magnitude dos recursos que é necessário mobilizar. É ao Estado que incumbe …

Ler Mais »

Papa Francisco

A vinda do Papa Francisco a Portugal, no âmbito da Jornada Mundial da Juventude, trouxe para a ribalta a sua visão progressista sobre questões fundamentais do mundo contemporâneo, num conjunto de intervenções públicas que perfaz cerca de meia centenas de páginas, cujo conteúdo mais profundo passou despercebido à opinião pública, desmerecendo o devido relevo por parte da comunicação social. Disse o Papa: “Reparai, quando alguém tem de levantar ou ajudar uma pessoa a levantar-se, que gesto faz? Olha-a de cima para baixo. Trata-se da única ocasião, do único momento em que é lícito olhar uma pessoa de cima para baixo: …

Ler Mais »

Movimento associativo, uma força necessária ao desenvolvimento local

O movimento associativo nas áreas da solidariedade social, recreio, artes, saúde, património, ambiente, religião, cultura e desporto, bem como no âmbito das Associações Humanitárias de Bombeiros, exerce papel fundamental na resposta alternativa para a supressão de necessidades e problemas locais, em articulação e parceria com as câmaras municipais e juntas de freguesia. O trabalho nas associações sem fins lucrativos assenta, sobretudo, no regime de voluntariado, que não invalida, necessariamente, boas regras de gestão, organização e planeamento, sendo curial que os dirigentes se foquem exclusivamente no interesse coletivo e bem-estar da comunidade, servindo as instituições e não se servindo das mesmas, …

Ler Mais »

Desafios dos fundos europeus

A execução do vasto pacote financeiro colocado à disposição de Portugal, constituído pelo que resta do Programa 2020, pelo Plano de Recuperação de Resiliência (PRR) e o novo Quadro Comunitário Portugal 2030, representa um desafio único para a competitividade, a transição climática e o desenvolvimento do país. São cerca de 50 mil milhões de euros que implica um ritmo de execução de mais de 7 mil milhões por ano, notoriamente um objetivo altamente exigente, se comparado com os últimos quadros comunitários que foram executados à média de 2,5 mil milhões por ano. É requerido neste processo, articulação e foco, desburocratização …

Ler Mais »