Arquivos Tags: editorial

Um olhar sobre o associativismo

Por estes dias de fevereiro e março, em que uma série de associações e coletividades do concelho, algumas delas octogenárias e outras nonagenárias, têm o seu aniversário, vale a pena avaliar a sua situação nas presentes circunstâncias marcadas pela pandemia. O que se verifica é que o movimento associativo em geral viu agravada a sua periclitante situação económica. Muitas coletividades têm parte da sua sobrevivência dependente do funcionamento de um bar/ café e da realização de atividades sociais e de entretenimento, sendo que tudo se encontra suspenso, total ou parcialmente, desde há um ano. Segundo os dados da Confederação Portuguesa …

Ler Mais »

Os novos povoadores

-E como é que é a internet aqui?- perguntou o homem/ empresário de Lisboa em busca de casa no Algarve/ preferindo uma zona mais tranquila/ interessado em São Bartolomeu de Messines pela sua centralidade e facilidade de acesso à capital. -Pois aqui não temos fibra a não ser para empresas e por vezes a ligação é bastante lenta e difícil- responde o vendedor que não está ali para enganar ninguém. E o empresário de Lisboa que procurava um lugar tranquilo, com bons acessos à capital e no centro do Algarve, de onde pudesse facilmente gerir os seus negócios, foi comprar …

Ler Mais »

O esgoto de Silves

Escrever o texto do mês de outubro, colocou-me um dilema inicial: quando encaramos algo mau é preferível ignorar ou combater? Sendo que, neste caso, ao denunciarmos estamos simultaneamente a divulgar… Esta tem sido uma questão debatida nas redes sociais a propósito de ideias fascistas que estão a ganhar expressão na sociedade. Quando alguns as denunciam publicamente, logo outros dizem que, com esta atitude, só estão a divulgá-las ainda mais, ao arrepio da intenção original. Dando razão a uns e a outros, porque não está no meu feitio nem na minha consciência ficar calada perante o que considero errado, mas também …

Ler Mais »

O Verão do nosso descontentamento

Este será muito provavelmente o pior verão das nossas vidas coletivas e quiçá individuais. Presos a uma realidade que não antevimos, somos confrontados com limitações e receios causados por um mundo que mudou drasticamente sem que saibamos até quanto. E até quando. Por várias décadas, algarvios bem avisados, como o empresário messinense Vítor Neto, alertaram os poderes políticos, empresariais e os cidadãos para o perigo do Algarve se encontrar cada vez mais dependente do turismo, atividade económica sujeita “a modas” e extremamente influenciada por fatores externos e situações internacionais que não controlamos. Não se pode por todos os ovos no …

Ler Mais »

20 anos, com a razão e o coração

No passado mês de abril – no dia 25 – o Terra Ruiva comemorou o seu 20º aniversário. Para a ocasião estava a ser preparada uma edição especial e uma festa de aniversário, que fosse uma grande reunião de todos os que têm construído e apoiado este projeto de informação concelhia. A situação de pandemia no país e no mundo não permitiu festejar este aniversário significativo, daqueles com um número redondo, que sempre apelam a comemorações especiais. Também não foi possível fazer sair a edição em papel, não só porque nos encontrávamos em isolamento social mas também porque uma grande …

Ler Mais »

A água que nos falta

No mês passado, Silves recebeu um importante debate sobre a água no Algarve. Vários intervenientes debateram não só os problemas, mas também algumas das soluções possíveis para minimizar o problema da falta de água e da seca que a região atravessa – sendo certo que com as alterações climáticas (todos os estudos o apontam) o Algarve será muito afetado. Deste debate, que foi replicado noutras cidades algarvias, saiu a chamada “Solução Guadiana” que propõe recorrer à água do Guadiana, que seria conduzida, através de conduta, até à barragem de Odeleite. Uma obra que custará entre 20 a 25 milhões de …

Ler Mais »

Paradoxos à algarvia

Este mês duas notícias diferentes chamaram-me a atenção. Na sua essência, ilustram os paradoxos que caracterizam a região do Algarve. Falo em primeiro lugar do projeto “Bayline”, que já foi notícia no Terra Ruiva em 2018, quando se anunciou que a urbanização Lagoa das Garças, em Armação de Pêra, iria sair da situação em que encontrava – com as obras paradas há uma década – e que um novo promotor avançava com a sua reconversão e construção. Milhões, luxo, falava-se na peça. E volta o assunto nesta edição de fevereiro de 2020, quando as obras começaram. E o projeto “Bayline” …

Ler Mais »

O que (n)os distingue?

Dizia-me há tempos um amigo: as pessoas agora têm mais dificuldade em votar porque já não há ideologia. “Antigamente”, a pessoa que votava no PCP defendia um modelo de sociedade, quem votava no CDS sabia que queria o oposto, o votante no PS não votaria no PSD porque eram partidos com posições muito diferentes. Agora, andamos baralhados porque se perdeu a ideologia, pouca importância se dá aos programas eleitorais, os partidos estão subordinados às figuras dos líderes, é mais importante a performance do líder e a frase certeira na televisão do que as linhas programáticas, tudo se confunde, a CDU …

Ler Mais »

Tolerância

Começa o ano de 2019 com uma discussão acesa acerca da entrevista feita na TVI a Mário Machado, conhecido neonazi. Perante a indignação de muitas pessoas e entidades, entre as quais o Sindicato de Jornalistas, veio aquela estação defender a entrevista argumentando que todas as opiniões devem ser respeitadas e que defende a liberdade de expressão. Poucos valores são mais preciosos do que a liberdade de expressão, pela qual tantas pessoas deram a vida e lutaram durante séculos, numa batalha que está longe de estar ganha em muitos pontos do globo e até aqui em Portugal. Mas Mário Machado é …

Ler Mais »

O valor da verdade

Entre 2004 e 2006 a Câmara Municipal de Silves, liderada pela presidente Isabel Soares e por uma maioria absoluta do PSD, entendeu dar à empresa Viga d’ Ouro, de Tunes, um enorme número de empreitadas. Na azáfama de tanta obra, a autarquia esqueceu-se de cuidar do bem comum. Os relatórios oficiais são arrasadores: neste período foram feitas obras sem concurso, no valor de quase cinco milhões de euros, todas pela mesma empresa, que cobrou pelo seu trabalho cerca de cinco vezes mais do que o preço normal de mercado. Esta é a essência do caso Viga d’ Ouro, foi assim …

Ler Mais »