Home / Arquivos Tags: Aurélio Nuno Cabrita

Arquivos Tags: Aurélio Nuno Cabrita

Aurélio Nuno Cabrita apresentou nova obra sobre a freguesia de Messines

“Este é um dia emblemático para esta terra”, disse a professora e historiadora Maria João Raminhos Duarte, na apresentação do livro “São Bartolomeu de Messines e o Concelho de Silves, Dos alvores do liberalismo ao 5 de outubro de 1910”, de Aurélio Nuno Cabrita. A apresentação decorreu no dia 29 de junho, no auditório do Crédito Agrícola de São Bartolomeu de Messines, com a presença do autor, da historiadora Maria João Raminhos Duarte, do presidente do Conselho de Administração do Crédito Agrícola, Carlos Vargas, além do editor Fernando Mão de Ferro, das Edições Colibri. No público, que encheu a sala, …

Ler Mais »

Aurélio Nuno Cabrita apresenta novo livro sobre a história de São Bartolomeu de Messines

No próximo dia 29 de Junho, pelas 16h00, vai ser lançado, em São Bartolomeu  de Messines, no auditório da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo, o livro “São Bartolomeu de Messines e o concelho de Silves desde os alvores do Liberalismo ao 5 de outubro de 1910”, da autoria de Aurélio Nuno Cabrita, nosso colaborador. A apresentação da obra será efetuada pela Prof. Doutora Maria João Raminhos Duarte. O livro resulta da dissertação de mestrado do autor em História do Algarve, e teve como finalidade traçar a história da freguesia de São Bartolomeu de Messines, em articulação com o concelho de …

Ler Mais »

Quando Pêra pediu “o divórcio” de Silves!

A 5 de Março de 1892, há precisamente 127 anos, subiu à Câmara dos Deputados, em Lisboa, pelas mãos do parlamentar farense José Bento Ferreira de Almeida, uma representação dos habitantes de Pêra, na qual solicitavam que aquela freguesia fosse «annexada ao concelho e comarca de Albufeira, para todos os effeitos civis, administrativos, judiciaes e políticos». A freguesia tinha então uma população de 1 975 pessoas, dos quais 313 habitantes subscreveram a petição. Este número pode parecer diminuto, mas na época constituía a «parte valida e sui juris da referida freguesia», até porque em 1892 o número de eleitores limitava-se …

Ler Mais »

Juízo do Ano

Comemora-se em 2019 o 90º aniversário do «Almanaque Borda D’ Água», «Reportório útil a toda a gente», publicação que aqui homenageamos plagiando o título para esta nossa crónica. Na verdade, nos últimos anos, embora a «Folhinha», como também é designado, mantenha na última página o título em epígrafe, este deixou de ter o carácter profético e também divertido que o caraterizava. A velocidade do nosso mundo não se coaduna com vaticínios, mas há tendências cada vez mais evidentes que nos preocupam, seja a nível mundial, nacional ou mesmo local. Propensões que a maioria dos cidadãos parece ignorar. A comunicação social …

Ler Mais »

Recordar Salvador Gomes Villarinho – “O Trabalhador Imortal”

A área do mercado municipal de Silves tem registado nas últimas semanas um movimento pouco usual de operários e máquinas, concretamente no edifício da velha fábrica Villarinho, agora em obras para instalar uma superfície comercial. Construída em 1870 por Salvador Gomes Villarinho, laborou desde logo com 500 operários, para em 1890 constituir uma das maiores fábricas de Portugal. Destruída por um violento incêndio em 1891, foi elevada à categoria de Real Fábrica Villarinho & Sobrinho em 1897. Cessada a atividade corticeira em 1915, conheceu diferentes ocupações, entre as quais a de quartel de bombeiros. Na década de 1960 seria amputada, …

Ler Mais »

Requalificação do Centro Histórico de Messines – Carta aberta à Sr.ª Presidente da Câmara de Silves

Noticiou o “Terra Ruiva” na última edição que a autarquia se prepara para levar a efeito um vasto conjunto de obras, consideradas estratégicas, de entre as quais a requalificação do centro antigo da vila de Messines. Na verdade tal intenção não é recente, tendo mesmo amiúde integrado algumas promessas ao longo das últimas campanhas eleitorais. Em setembro de 2010, por exemplo, a presidente Isabel Soares, em entrevista ao “Jornal do Algarve”, já elencava como objetivo a supracitada intervenção. Meses antes, neste mesmo espaço, face às obras que se pré-anunciavam, alertávamos nós para as singularidades do centro histórico de S. B. …

Ler Mais »

Dr. Carlos Alberto Lucas da Lança Falcão – o presidente Falcão

Dr. Carlos Alberto Lucas da Lança Falcão – o presidente Falcão Nasceu em Coimbra a 04/11/1919, filho de pai odemirense, José Maria Lança Falcão e de mãe coimbrã, Maria Guilhermina Lucas, aquele que viria a ocupar um dos mais profícuos mandatos à frente dos destinos da Câmara Municipal de Silves, durante o Estado Novo. Um quinquénio, entre 1955 e 1960, marcado pela concretização/conclusão de várias obras estruturantes na cidade e no concelho. A sua relação com Silves foi, no entanto, casual. Tal como o pai, licenciou-se em Direito, curso que concluiu em 1942, vindo a tornar-se posteriormente conservador do registo …

Ler Mais »

S.B. Messines foi elevada à categoria de Vila há 45 anos, Um breve olhar sobre as tentativas de emancipação da aldeia

A 7 de março de 1973 os messinenses rejubilaram com a publicação do decreto que elevava a aldeia a vila. Ainda assim um regozijo embaçado, pela não promoção simultânea a sede de concelho. A freguesia, depois da elevação de Monchique e Lagoa a municípios, em 1773, até então pertencentes ao termo de Silves, tornou-se na segunda mais importante do concelho, e em várias épocas mesmo a mais relevante. O bairrismo messinense está no sangue das sucessivas gerações e não raras vezes, ou melhor, sempre que se consideram lesados nos seus interesses, opuseram-se à edilidade silvense, por exemplo em 1825, aquando …

Ler Mais »

Os festejos em Silves e Alcantarilha, em 1896, pela captura de Gungunhana

Os primeiros dias de janeiro de 1896 foram vividos em Portugal com enorme entusiasmo e regozijo. Os portugueses vinham nos últimos anos, quase sempre com resistências locais, a tornar efectiva e integral a sua soberania em África, recorrendo a campanhas militares de ocupação colonial. Terminava assim a relação vaga, que até então existia, com os poderes indígenas locais. As expedições tinham como objetivo subjugar os povos sublevados, sendo preparadas e equipadas em Lisboa, quando estavam em causa áreas cuja insubmissão poderia colocar em perigo o domínio português na colónia ou em grande parte dela. Neste campo inscrevem-se as campanhas levadas …

Ler Mais »

Cabrita Neto – calou-se a voz do Algarve!

Figura incontornável da história recente do Algarve, Joaquim Manuel Cabrita Neto faleceu no passado dia 13 de Novembro, aos 77 anos de idade, no Hospital de Faro. Afastado da vida pública desde 2007, por motivos de saúde, Cabrita Neto foi empresário, presidente da Comissão Regional de Turismo (1976-79), deputado à Assembleia da República (várias legislaturas entre 1979 e 1999), Governador Civil (1985-95), e também presidente do Conselho Directivo da Federação da Restauração, Cafés, Pastelarias e Similares de Portugal (1999), Vice-presidente da Assembleia Geral da Federação da Indústria Hoteleira e do Alojamento Turístico de Portugal (1999), Vice-presidente e depois Presidente da …

Ler Mais »