Arquivos Tags: Aurélio Nuno Cabrita

À conversa com Teresa Sousa Uva Paul, trineta de José Joaquim de Sousa Reis- o Remechido

A família «Remechido» tem vindo a alienar nos últimos anos o património urbano que ainda detém em São Bartolomeu de Messines, como recentemente aconteceu na rua 25 de Abril (números de polícia 14 a 18). A memória física de uma família que marcou a terra está a desaparecer com as novas gerações, hoje residentes nos grandes meios urbanos, nomeadamente Lisboa e Porto. Nesta sequência, marcámos encontro com a Dr.ª Teresa Sousa Uva Paul, que conhecemos pessoalmente há alguns anos. Nascida em Faro em 1939, filha do Prof. José de Sousa Uva Júnior e de Maria Zulmira Remechido Mendes (bisneta do …

Ler Mais »

A prisão na Portela de Messines ou a parca estratégia dos agentes políticos do concelho

Tem sido amiúde notícia, nos últimos anos, a pretensão de vários partidos políticos de Silves em concretizarem a construção do estabelecimento prisional do Algarve, junto à Portela de Messines. O assunto remonta à década de 1980, quando o Estado pretendeu a edificação desta infraestrutura, procedendo à expropriação dos terrenos para o efeito, sob forte contestação popular. Esta foi de tal ordem que a referida prisão caiu no esquecimento. Até que, recentemente, diferentes forças políticas concelhias iniciaram diligências para a sua construção, como elemento que entendem primordial de desenvolvimento para a freguesia de São Bartolomeu de Messines. Ora, o concelho de …

Ler Mais »

A união dos povos de Alte, São Marcos da Serra e Messines para a criação de um concelho, em 1791 (conclusão)

A união dos povos de Alte, de São Marcos da Serra e de São Bartolomeu de Messines para a criação do concelho de Messines, em 1791 (conclusão) A publicação da Lei da Reforma das Comarcas, a 17 de julho de 1790, causou grande entusiasmo junto das povoações de São Bartolomeu de Messines, São Marcos da Serra e de Alte que, pouco depois em requerimento à rainha D. Maria I, pediram a criação do concelho de Messines. Recorde-se que aquela Lei se enquadrava no espírito da reforma que se vivia por aqueles anos e visava um reordenamento institucional, no caso concreto …

Ler Mais »

A união dos Povos de Alte, de S. Marcos e de Messines para a criação do concelho, em 1791

A ação ousada, transformadora e determinante dos messinenses constituem caraterísticas da comunidade desde há séculos. Às quais podemos adicionar uma outra, ainda que mais recente, o desejo de autonomia. Logo após a Proclamação da República, em março de 1911 surgiu na imprensa a intenção de constituição de um novo concelho protagonizado pelos messinenses, que de imediato receberam o apoio das vizinhas freguesias de Alte e São Marcos da Serra. Disso mesmo dava conta o «Aldeão», periódico altense, cujo diretor, João de Deus (homónimo do poeta messinense), se lamentava em outubro de 1912, que não obstante dois terços dos habitantes daquelas …

Ler Mais »

O concelho de Silves em 1867

As crises em Portugal são um pouco como as secas, cíclicas. É nesta sequência que, em 1867, com vista a promover várias reformas, entre as quais a administrativa e a tributária, o governo determinou que em cada distrito os governadores civis procedessem a uma observação direta da administração local. Em Faro, coube a tarefa ao Dr. Aires Guedes Coutinho de Garrido (1805-1874), que enquanto governador civil, percorreu todo o distrito, sintetizando num Relatório o que presenciou em cada concelho, bem como anotando as aspirações e ambições das edilidades algarvias. Sobre a antiga capital do Algarve escreveu: «a cidade de Silves …

Ler Mais »

Sociedade de Instrução e Recreio Messinense – a dinâmica dos primeiros anos

A Sociedade de Instrução e Recreio Messinense (SIRM) comemora por estes dias mais um aniversário, fundada que foi a 24 de Fevereiro de 1929. Na verdade, não terá sido a primeira existente na então aldeia de São Bartolomeu de Messines. Em 1906, por exemplo, temos notícia de uma «Sociedade Recreativa Messinense» e também de um clube, para em 1928 surgir na imprensa regional a notícia da inauguração, no dia 23 de Fevereiro, de «uma nova Sociedade de Instrução e Recreio». Seria esta coletividade a génese da atual SIRM, constituída oficialmente um ano depois? Onde se localizaram estas agremiações? São questões …

Ler Mais »

José Gregório de Figueiredo Mascarenhas, 24 anos na defesa dos interesses de Silves e do Algarve

Os portugueses preparam-se para as eleições legislativas, que terão lugar no próximo dia 30 de Janeiro. Uma prática frequente desde a Revolução Liberal em 1820, como já aqui recordámos, ainda que somente com o 25 de abril de 1974 o sufrágio se tenha tornado universal. Ora precisamente a 19 de Janeiro, mas de 1900, tomava posse como deputado, pelo círculo de Silves, José Gregório de Figueiredo Mascarenhas (1843-1904). Refira-se que os círculos eleitorais foram variando ao longo do tempo, sendo que Silves correspondia na época a um círculo eleitoral (presentemente o círculo de Faro engloba todo o distrito). O deputado …

Ler Mais »

O desassoreamento do Rio Arade em 2022?

A história de Silves encontra-se ligada umbilicalmente ao rio Arade. Este constituiu ao longo dos séculos a via privilegiada de acesso à velha capital algarvia, naquilo que poderíamos hoje classificar de o TGV de antanho. Como primordial via de comunicação, o seu assoreamento determinou, desde cedo, uma forte decadência da cidade. Em 1442 tinha apenas 271 fogos, num máximo umas 1000 pessoas. Nas palavras de Garcia Domingues, no seu «Guia Turístico da Cidade e do Concelho»: «a cidade despovoava-se. Vivia pobremente, e o paludismo resultante do assoreamento do rio causava muitas vítimas». O mais elevado centro de cultura do Garbe …

Ler Mais »

A Escola Velha dos Calvos e a sua história

O mês de Outubro é para as gerações mais velhas sinónimo de regresso às aulas, por a escola principiar na sua infância somente a sete deste mês. Foi também em Outubro que ocorreu a proclamação da República, constituindo o ensino uma prioridade para os republicanos. Afinal, era através de uma escola laica que pretendiam formar «um homem novo», cidadão consciente, patriota e participativo na sociedade. Para os republicanos, o atraso do país residia, em grande parte, nas elevadas taxas de analfabetismo, cerca de 75 % em 1910. Não é por acaso que, logo após implantação desta forma de governo, a …

Ler Mais »

Aos novos autarcas: um mandato complexo e extremamente exigente num “aterrador mundo novo”

Aos novos autarcas, quadriénio 2021-2025: um mandato complexo e extremamente exigente num «aterrador mundo novo» O país prepara-se, por estes dias, para mais um novo ciclo autárquico, agendadas que estão as eleições para o próximo dia 26 de Setembro. Quando a pandemia parece dar tréguas, diante a vacinação e sem novas mutações no vírus, eis que a natureza tem presenteado a Europa e o mundo com a sua fúria, patente em fenómenos extremos raros. Importa referir que as alterações climáticas não nos trazem fenómenos novos, mas tão somente o aumento da sua frequência, com consequências incalculáveis em termos sociais e …

Ler Mais »