Home / Arquivos Tags: António Guerreiro

Arquivos Tags: António Guerreiro

Nós Mastigamos Fome

O homem da bicicleta, sentado no paredão, olha para os barcos ou simplesmente para o vazio. Tudo em frente é oriente. Nas suas costas carrega África, desde esta linha fronteira entre a cidade de Maputo e o mar, o Oceano Índico (estive em Maputo, capital de Moçambique, antiga Lourenço Marques). O homem recorda as histórias do seu avô, da segregação de Mafalala (bairro de lata onde nasceu o Eusébio), que para trabalhar no porto ou nos caminhos de ferro tinha um salvo conduto para cruzar a fronteira entre o seu bairro de madeira e zinco (nas nádegas dos zincos, nas …

Ler Mais »

Síndrome do riso

Gosto da estética cinematográfica dos subúrbios mal iluminados, com prédios degradados e degradantes, com amontoados de lixo pelas ruas, com pichagens nas paredes, montras, transportes públicos, tudo está esteticamente pensado, no lugar certo, no grande plano da tela do cinema. O metro circula numa direção solitária, rasgando a cidade cinzenta de arranha céus, o autocarro transporta gente amargurada, preocupada com a sobrevivência diária, as ruas são a origem e o fim de tudo. Tudo começa nas ruas, tudo acaba nas ruas. É neste ambiente de exaltação da degradação urbana que acontece o filme Joker, de Todd Phillips, que conta com …

Ler Mais »

Cortina de Fumo

É com sentimento de fraude que vos falo sobre a ilusão dos cuidados de saúde em instituições privadas, salvaguardando todas as competências dos profissionais, mas não isentando os propósitos económicos e financeiros dos detentores do negócio da saúde. Como sabem, sendo professor numa escola pública, sou funcionário público e, por sua vez, tenho o sistema de saúde da ADSE, o qual tem as características de seguro de saúde para o utente, existindo muitos protocolos, com distintas entidades privadas de saúde, nomeadamente com hospitais e clínicas privadas que atuam na região algarvia. Como fiz um empréstimo de habitação a uma entidade …

Ler Mais »

Porém, Todavia, Contudo

Estava a almoçar com o meu amigo António Baeta, uma dose de costeletas de porco de cebolada com puré de batata, quando, a propósito da sonoridade da palavra puré, o António me contou que uma sua tia escrevia cartas por outros, em virtude de estes não saberem escrever. Algumas pessoas, quando tinham necessidade de se corresponder, na ausência do conhecimento necessário para redigirem meia dúzias de linhas, direitas ou tortas só Deus sabe, solicitavam a pessoas letradas, com conhecimento das letras, que, por si, escrevessem as referidas cartas e as lessem na volta do correio. O meu amigo contava que …

Ler Mais »

Viandante

Na saga das viagens, desta vez em Lisboa. Estive na capital nos primeiros dias do mês de junho. Geralmente vou em trabalho, como foi o caso, mas desta vez decidi tirar um dia para percorrer Lisboa, em locais que jamais tinha andado. Por isso, durante um dia, numa quarta-feira, fui um andante, provavelmente mais movimentado do que o Johnnie Walker, do uísque escocês, numa tradução livre, o João Andante. Não o encontrei pelas ruas da nossa capital, mas provavelmente no mesmo dia à mesma hora andaria, no seu passo apressado, pelas ruas de Edimburgo. Gosto de passar por locais com …

Ler Mais »

Bísaro

A criança perguntou, Vão cantar ópera? Eu pensei, De facto parecia um espetáculo de ópera cantada. Quando a criança atingir a idade dos espectadores da primeira fila, as melodias do José Afonso já acompanham a música clássica. Ofereceram-me um cravo, um cravo vermelho de Abril, coloquei-o numa jarra com água e decidi contar os dias até ao seu fenecimento. De início ainda floresceu mais, ficou mais vermelho e aberto para todos, durante vários dias, quase um mês, mas depois começou a murchar e acabou por perecer. Foi o último a murchar, de um grupo de quatro (alambazado), talvez por ter …

Ler Mais »

Na minha terra

Fui de comboio a Santarém. Até Lisboa fui no Alfa Pendular das sete horas e vinte e nove minutos da manhã (a partir de Tunes). Desci em Lisboa Oriente e esperei por um comboio regional com destino a Santarém. Verdadeiramente o comboio regional tinha como destino Tomar. Fiquei pensando, quais seriam as estações até Santarém e, o mais importante de tudo, qual seria a estação imediatamente anterior a Santarém. Gosto de antecipar as situações e de me precaver em relação a acontecimentos futuros. Quando o revisor veio certificar-se do meu título de transporte, perguntei-lhe qual era a estação imediatamente anterior …

Ler Mais »

Regresso ao passado no futuro

Acredito que, ao lerem o título desta crónica, pensaram «lá está ele outra vez com as histórias do antigamente, estamos fartos daquelas historinhas do século passado». Tenho consciência dessa limitação, mas é mais fácil falar do passado do que tagarelar sobre o futuro, um futuro que raramente se concretiza daquele modo. Posso ilustrar esta minha afirmação com o visionamento de filmes de ficção científica em que tudo nos parecia moderno e agora, no nosso atual futuro, muito antiquado, com exceção do teletransporte. Desta vez, vou-vos falar do futuro, não necessariamente do meu, mas do futuro de alguns de nós, com …

Ler Mais »

A emoção das reguadas

A minha escrita prazerosa, mesmo que sofrida, iniciou-se numa tentativa poética, reclamando um amor idealizado, próprio de um jovem no início da sua adolescência, num enquadramento campestre de uma árvore, já lá vão quarenta e três anos. Muito mais tarde, há dez anos, o primeiro poema foi reescrito, uma árvore que se reinventa e que majestosamente brota frutos na raiz. Ainda desejo os teus lábios pequenos, nessa tonalidade juvenil, que se afastam, impulsionados pelo tempo, na boca de uma mulher. Fiquei fundeado junto àquela árvore, que imagino frondosa e rendilhada de grafias no seu tronco. O vento esfriou a sombra …

Ler Mais »

Berliques & Berloques

Alguém sabe o que são artes de berliques e berloques? O dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia de Ciências de Lisboa refere que artes de berliques e berloques são ações por magia ou por processos misteriosos. Foi assim que me senti no último sábado (4 de janeiro de 2019) à tarde na Biblioteca Municipal de Silves. Mas retomemos ao início da história, como na televisão, no cinema ou mesmo na literatura, vejamos tudo o que aconteceu até ao presente momento e, como o filme não acaba onde começou, ainda alguns momentos posteriores aos berliques e berloques. Claro que a …

Ler Mais »