Home / Opinião (página 4)

Opinião

A minha alegre casinha

Ela é uma acompanhante de luxo. Ele tem-na contratada há mais de dez anos, Ela é fina. Não é universitária. Nem operária. Apenas operadora. Supostamente, de telecomunicações. Comunicações ao longe, portanto. E nunca está por perto. Ele, cada vez que precisa dos seus bons ofícios, ela não atende. Põe-no em espera. Espera interminável. De imediato, a Luisinha começa a entoar-lhe a melopeia “as saudades que eu já tinha / da minha alegre casinha, / tão modesta quanto eu”. A Luisinha repete o trecho. E repete. E nunca mais se cala. Ele desespera. É claro que tem saudades da Luisinha. Ele …

Ler Mais »

Juízo do Ano

Comemora-se em 2019 o 90º aniversário do «Almanaque Borda D’ Água», «Reportório útil a toda a gente», publicação que aqui homenageamos plagiando o título para esta nossa crónica. Na verdade, nos últimos anos, embora a «Folhinha», como também é designado, mantenha na última página o título em epígrafe, este deixou de ter o carácter profético e também divertido que o caraterizava. A velocidade do nosso mundo não se coaduna com vaticínios, mas há tendências cada vez mais evidentes que nos preocupam, seja a nível mundial, nacional ou mesmo local. Propensões que a maioria dos cidadãos parece ignorar. A comunicação social …

Ler Mais »

Berliques & Berloques

Alguém sabe o que são artes de berliques e berloques? O dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia de Ciências de Lisboa refere que artes de berliques e berloques são ações por magia ou por processos misteriosos. Foi assim que me senti no último sábado (4 de janeiro de 2019) à tarde na Biblioteca Municipal de Silves. Mas retomemos ao início da história, como na televisão, no cinema ou mesmo na literatura, vejamos tudo o que aconteceu até ao presente momento e, como o filme não acaba onde começou, ainda alguns momentos posteriores aos berliques e berloques. Claro que a …

Ler Mais »

Montanha Russa no Algarve

Nas “páginas” do Sul Informação, um jornal on-line algarvio, deparei-me com uma notícia deveras curiosa. Durante uma gala da Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa, o seu presidente indicou que haveria um certo interesse de alguns dos associados em desenvolver e construir um parque de diversões no Algarve, ao estilo da Disneyland Paris, devidamente dimensionado ao tamanho da região. O parque, que não seria aquático para se destacar dos já existentes no Algarve, serviria para atrair pessoas ao Algarve na época baixa, de forma a reduzir a forte sazonalidade que se sente no Algarve. Vou ser franco; não me parece …

Ler Mais »

2019

Nacional. No novo ano realizar-se-ão três consultas populares – eleições gerais para o Parlamento Europeu e para a Assembleia da República, e eleições regionais na Madeira. Há quatro anos atrás, para surpresa geral dos comentadores, e em especial para o espectro partidário situado à direita, o governo minoritário do PS foi formado, graças ao corajoso repto lançado por Jerónimo de Sousa (PCP), que desencadeou os acordos à esquerda, logo na noite das eleições de 2015. E contrariando também as expetativas do vasto leque de comentadores políticos e da opinião pública que auguravam futuro periclitante aos acordos, o governo cumprirá a …

Ler Mais »

Cidade

Coimbra, sábado, treze e trinta, hora de almoço, um jovem musculoso em tronco nu, tipo gladiador romano, passa por mim em passo de corrida, na mesma direção, mas em sentido oposto. Aquela imagem inesperada, num contexto urbano, junto ao estádio municipal, e outonal, meados de novembro, podia constituir parte de um vídeo promocional de algum perfume, nesta época natalícia, mas, em mim, materializou uma das personagens centrais do livro «O caso Sparsholt», que estou a ler, nas últimas quarenta das quinhentas e quarenta e quatro páginas, do escritor inglês Alan Hollinghurst, em que quase todos os intervenientes são homossexuais. Nas …

Ler Mais »

Violência doméstica benigna

É muito mais velho do que eu. Tem a idade do meu filho. Não é apenas o tal amigo de peito nas redes sociais. Quando se cruza na rua, cumprimenta-me. Não olha para o lado com trejeitos de distraído. Nada disso. É afável. Sabe parar. Estender o bacalhau. Convidar para um cafezinho. Conversar ao vivo. Não é um amigo da onça. Muito menos amigo da anca. Sim. De qualquer anca que se bamboleie à sua frente. Tem esposa extremosa. Dois filhos pequenos, ainda não extremados. É um chefe da família dedicado. Presumo. Dentro da face translúcida, esconde-se uma alma lúcida, …

Ler Mais »

Orçamento imóvel

Esta altura do ano tem algo de especial. Para além dos presentes, das filhós e das ceias de Natal, o final do ano é sempre pautado pela discussão do Orçamento do Estado. Este ano tem a particularidade de ser o último orçamento de estado antes das legislativas do próximo ano e como tal, poderá ter influência no desenrolar das futuras eleições. Um dos pontos mais discutidos nos últimos tempos, e que tanto tanta tinta tem feito correr, é a questão da habitação. Todos os dias surgem notícias do aumento selvagem dos preços da habitação; do aumento do número de despejos; …

Ler Mais »

O seu a seu dono

Investimento e financiamento são duas faces da mesma moeda. Investimento que não garanta suporte financeiro, é inviável, não passa do papel, queda-se pela intenção ou pelo projeto técnico na melhor das perspetivas. Na vida familiar, atividade empresarial ou autárquica, os projetos e os investimentos para se tornarem realidade, carecem de meios financeiros ou de dotação orçamental. O exemplo dos orçamentos municipais é paradigmático. Já lá vai o tempo em que era possível a elaboração de documentos previsionais altamente inflacionados que alimentavam a ilusão, facilitavam o incumprimento de compromissos e o endividamento irresponsável e galopante do passivo corrente, das dívidas a …

Ler Mais »

Rebeldia

Quando eu era um jovem adolescente, no final dos anos setenta do século vinte, escrevinhava umas pequenas histórias de confronto moral de um jovem revolucionário contra a burguesia reinante, muito arreigada numa sociedade basicamente tradicional e salazarista. As minhas rebeldias eram idealizadas numa mudança de mentalidades, longe de confrontos físicos ou distúrbios materiais. Fundamentalmente era um jovem idealista que adotara uma chave de bocas (de prata) num fio de prata, em lugar do tradicional crucifixo num fio de oiro. Acredito na construção moral dos indivíduos e no poder das utopias de rebeldia na (r)evolução da sociedade. Os escritos repousam algures …

Ler Mais »