Home / Opinião (página 21)

Opinião

Traições

Vivemos, de facto, tempos históricos! Pela terceira vez na nossa história democrática tivemos de pedir ajuda internacional para prover às nossas necessidades. Fomos sujeitos a medidas de grande dureza e, no termo do prazo previsto, conseguimos, enquanto país mostrar que somos credíveis, honestos e cumpridores dos nossos acordos. Mostramos a todos que somos capazes de, enquanto nação, de resolver os nossos problemas. Logo este foi um bom facto, que depõe a nosso favor. Porém, o momento é histórico por outro singelo facto da nossa democracia. A coligação PSD/CDS conseguiu obter mais votos que cada um dos outros partidos que se …

Ler Mais »

Educação, Cultura, essas beneméritas!…

E quem de direito está, verdadeiramente, interessado nelas? Em desenvolvê-las, em promovê-las, em proporcioná-las, como direito, a cada um dos cidadãos a governar? O analfabetismo e a ignorância permanecem, entre nós… E tem havido várias experiências, entre elas a de Bento de Jesus Caraça. Lá pelas décadas 30 e 40, bem lutou contra isso, resolveu pôr em prática, palestras ensinando matemática na chamada Universidade Popular, a operários e pessoas com pouca instrução, para terem consciencialização crítica e desafiarem a ditadura do Estado Novo. Após o 25 de Abril, por sondagem realizada, havia 42% dos portugueses não sabiam ler nem escrever. …

Ler Mais »

Processo Viga d´Ouro, de novo na ordem do dia!

O processo Viga d´Ouro cujas origens remonta a 2004, numa época em que o PSD governava o concelho de Silves, não sai da agenda da política local por razões objetivas. A primeira deve-se ao Tribunal de Contas, que desde Abril de 2013, promove a fiscalização sucessiva das contas do Município de Silves, relativas ao período 2005-2011, com o foco no apuramento das responsabilidades financeiras dos eleitos envolvidos no processo Viga d´Ouro e na contratação dos serviços jurídicos da PLMJ (2006-2013), aguardando-se a receção do Relatório Final (foram pagos honorários à PLMJ em montante superior a 1 milhão de euros através …

Ler Mais »

Lanterna Mágica

Fui a Lisboa à Cinemateca Júnior (serviço educativo da Cinemateca) com os alunos do primeiro ano da licenciatura em Ciências da Comunicação e com um dos seus professores, o meu colega Vítor. O Vítor, aos vinte anos, era refugiado político na Suécia, quando aconteceu Abril. As suas recordações do tempo revolucionário são mais presentes do que as minhas, na época, eu era aluno do atual 2.º ciclo do ensino básico e tinha doze anos. Os meios audiovisuais são também construtores de memórias, por isso recordo acontecimentos que nunca vivi, mas memorizo-os como fragmentos da nossa vida coletiva. Entrámos na zona …

Ler Mais »

Silves, por aí há poetas…

Dizem que no século XII, Silves sob o domínio mouro, era terra de poetas, mote que se dissesse a alguém, logo provocava uma quadra. Seria, será (por aí há poetas…) pelas tonalidades de beleza, que nimbam Silves, do amanhecer ao alvorecer, talvez das ainda irradiantes influências de heranças, dos muitos povos que nos antecederam, na região. No seu livro, o nosso filósofo, José Gil, “Portugal Hoje. O Medo de existir”, afirma que um dos nossos dramas é mantermos o medo, ajudando a esquecer, a esfacelar a possibilidade de inscrição na nossa mente, na nossa memória, dos acontecimentos que muito amarguraram …

Ler Mais »

O sangue dos outros

Todos somos responsáveis por tudo perante todos” Dostoievski O mundo mergulhou no caos. Perdeu-se a humanidade que havia em cada um de nós. Estamos cada vez mais próximos, nesta grande aldeia global, e no entanto tão afastados. Cada um alienado no seu próprio smartphone, enquanto se transformam valores outrora considerados universais e essenciais. Todos somos o Zé Ninguém do Reich. De repente todos parecem ser capazes de corroborar com sistemas autoritários, se esse for o preço a pagar para prevenir a entrada de migrantes na abençoada instituição que é a União Europeia. De repente, o recurso à violência parece boa …

Ler Mais »

Fazer mais com menos

O exercício do mandato autárquico 2014-2017 no Município de Silves sob maioria CDU, após dezasseis longos anos de liderança PSD, dois dos quais com maioria absoluta, tem-se revelado um complexo desafio para os novos governantes, que se explica por um lado – com a múltipla herança do passado, e por outro – com o tempo de vacas magras, agudizado pela paranoia da austeridade e submissão ao mundo das finanças, confisco dos rendimentos do trabalho e cortes nas pensões, no contexto do programa de resgate da troika, assinado pelos partidos do bloco central (PS, PSD e CDS) cujos resultados infrutíferos e …

Ler Mais »

Outros Gastos

Foi com entusiasmo que li uma nota de imprensa da Câmara Municipal de Silves dando conta que a Feira Medieval de Silves, na sua Edição de 2015, contou com 132 000 visitantes. Os meus parabéns ao Município, por garantir o sucesso desta feira, em boa hora criada pela Dr.ª Isabel Soares, que já se tornou uma referência no quadro de eventos da região algarvia. Maior o sucesso pois, na entrevista que a Senhora Presidente da Câmara concedeu à Rádio RUA, referiu que a feira teria um custo total de cerca de 200.000€. Ora, se a Feira teve 132 000 visitantes, considerando …

Ler Mais »

A MENINA DO BALÃO VERMELHO

A menina disse a sua mãe que só os balões vermelhos é que fazem voar! Voar para além da destruição das casas e dos lares, das linhas imaginárias, as trincheiras, nomeadas de fronteiras entre estados, destacadas por altos muros de forte betão e imensos rolos de arame farpado. Como eu queria ter farpas para esfarrapar todo aquele arame que nos isola da humanidade, que nos isola dos outros, nossos iguais. Quantas fronteiras justificam uma criança morta, como quem sonha, pendida nas águas do nosso mar? Quantos milhares de mortos no mar mediterrâneo, no âmago da terra, são bastantes para ensanguentar …

Ler Mais »

A secessão de Espanha

No tempo em que escrevo estas linhas, a Catalunha prepara-se para as eleições autonómicas da região. Os independentistas, no entanto, pretendem fazer destas eleições um plebiscito para a independência da região face a Espanha, procurando ter uma maioria absoluta que legitime as suas pretensões. Os partidos assumem posições diferentes nos dois lados da barricada: uns defendem o status quo, mantendo a ligação a Espanha; outros defendem a independência; há ainda uns que defendem maior poder para o governo autonómico catalão, transformando Espanha num estado federalista. O sentimento nacionalista da Catalunha tem vindo a exacerbar-se nos últimos anos, e muitos catalães …

Ler Mais »