Home / Opinião (página 20)

Opinião

Tem mais encanto

Estive de novo em Coimbra, desta vez (a terceira no espaço dum ano) por razões académicas, no primeiro congresso do Espaço Matemático em Língua Portuguesa. A Universidade de Coimbra e o Departamento de Matemática continuam gravativos e áridos, como os conheci no início dos anos oitenta do século XX. Para mim, a cidade e a universidade sempre assumiram uma dupla face de regozijo e de frustração, tal como celebra a Balada da Despedida do 6.º Ano Médico de 1958 (Coimbra tem mais encanto), «Não me tentes enganar com a tua formosura/Que para além do luar/Há sempre uma noite escura». Há …

Ler Mais »

Natal de 2015

Está pertinho… os melhores desejos para todos vós. Aliás, em Natal, não vivamos só para comprar, sim, amando verdadeiramente. Em casa chaminé apareça, enfim, jóia preciosa iluminando cada ser humano, pois é tamanha a escuridão que por ali e aqui se espalha que me aflige e desestimula. E nós estamos carecidos de luz, cada vez mais, como de pão para a boca, não tenham dúvidas. Na verdade, uns indiferentes, outros a isso juntando ambição desvairada, e outros mantidos cegos, sei lá há quanto. O certo, é que temos de avançar, autenticamente, evoluir, parar a decadência criminosa em que vamos caindo. …

Ler Mais »

Depois de Paris

Não seremos os mesmos depois de Paris. Sentimentos de revolta e de incompreensão invadiram as mentes europeias. Os acontecimentos do passado dia 13 de Novembro em Paris só vieram consolidar os piores medos dos franceses e dos europeus. A actuação francesa na Síria contra o autoproclamado Estado Islâmico pode ser apontada como a causa primeira destes horríveis ataques, mas muitos anos de hipocrisia ocidental convidam a uma redefinição do pensamento. O problema do terrorismo é de uma complexidade enorme. Mas o que é isto de terrorismo? Se o conceito só é aplicado quando se tratam de ataques contra o Ocidente, …

Ler Mais »

Estranho

Vivemos estranhos tempos, neste início de século. Olhamos para o mundo e vimos, sem qualquer margem para dúvidas, que um enorme muro invisível se levantou entre nós e um estado, que ninguém sabe muito bem onde fica, mas que todos sabem bem o poder da sua acção destruidora. Assalta-me uma dúvida, como se destrói aquele estado, cujos membros habitam ao nosso lado, e connosco partilham uma nacionalidade? Como se destrói esta ideia que nada tem a ver com religião? Creio que são proféticas as palavras de Malala Yousafzai, Prémio Nobel da Paz no ano de 2014, quando refere que “o …

Ler Mais »

A questão social

Uma das fronteiras ideológicas entre esquerda e direita perpassa pela perspetiva de análise e abordagem às questões sociais, quer no estabelecimento das causas que lhe estão subjacentes quer na definição e implementação de medidas de política, tendentes à sua resolução. Na verdade, contrariamente às posições de determinados setores do espectro político, situados à direita, e até mesmo de alguma opinião pública, as ideologias não acabaram (o capitalismo em que vivemos representa ele próprio uma ideologia política historicamente decadente), sendo que, quem professa tal entendimento, não persegue outro propósito, senão a defesa de uma dada linha de orientação ideológica que prega …

Ler Mais »

A identidade da Vila

No momento em que escrevo estas linhas, a vila de São Bartolomeu de Messines prepara-se para iniciar a sua 10ª Semana Gastronómica. Esta Semana Gastronómica é um excelente exemplo do caminho que a vila terá de trilhar para a sua afirmação regional. O evento tem a particularidade de, não só atrair gentes de fora da vila e do concelho que se procuram deliciar com as iguarias preparadas pelos nossos restaurantes, como também envolver as pessoas de Messines, que nesta altura, aproveitam para conhecer e provar novos pratos. Por outro lado, a Semana Gastronómica celebra os sabores mais tradicionais e únicos, …

Ler Mais »

A cultura e a política

    A cultura, no seu sentido mais intenso, define e diferencia os indivíduos e as suas comunidades, continuando por vezes a ser um baluarte de elites, porque o efeito transformador de 41 anos de democratização da cultura ainda não teve tempo de se fazer verdadeiramente sentir na sociedade portuguesa, ficando por debater: o que é que a política pode fazer pela cultura, tendo presente as expetativas criadas no período pós 25 de abril. O deficit público, a crise económica, a dívida soberana, e as suas consequências na debilitada economia portuguesa, fizeram da cultura uma das vítimas mais visíveis, sendo …

Ler Mais »

Traições

Vivemos, de facto, tempos históricos! Pela terceira vez na nossa história democrática tivemos de pedir ajuda internacional para prover às nossas necessidades. Fomos sujeitos a medidas de grande dureza e, no termo do prazo previsto, conseguimos, enquanto país mostrar que somos credíveis, honestos e cumpridores dos nossos acordos. Mostramos a todos que somos capazes de, enquanto nação, de resolver os nossos problemas. Logo este foi um bom facto, que depõe a nosso favor. Porém, o momento é histórico por outro singelo facto da nossa democracia. A coligação PSD/CDS conseguiu obter mais votos que cada um dos outros partidos que se …

Ler Mais »

Educação, Cultura, essas beneméritas!…

E quem de direito está, verdadeiramente, interessado nelas? Em desenvolvê-las, em promovê-las, em proporcioná-las, como direito, a cada um dos cidadãos a governar? O analfabetismo e a ignorância permanecem, entre nós… E tem havido várias experiências, entre elas a de Bento de Jesus Caraça. Lá pelas décadas 30 e 40, bem lutou contra isso, resolveu pôr em prática, palestras ensinando matemática na chamada Universidade Popular, a operários e pessoas com pouca instrução, para terem consciencialização crítica e desafiarem a ditadura do Estado Novo. Após o 25 de Abril, por sondagem realizada, havia 42% dos portugueses não sabiam ler nem escrever. …

Ler Mais »

Processo Viga d´Ouro, de novo na ordem do dia!

O processo Viga d´Ouro cujas origens remonta a 2004, numa época em que o PSD governava o concelho de Silves, não sai da agenda da política local por razões objetivas. A primeira deve-se ao Tribunal de Contas, que desde Abril de 2013, promove a fiscalização sucessiva das contas do Município de Silves, relativas ao período 2005-2011, com o foco no apuramento das responsabilidades financeiras dos eleitos envolvidos no processo Viga d´Ouro e na contratação dos serviços jurídicos da PLMJ (2006-2013), aguardando-se a receção do Relatório Final (foram pagos honorários à PLMJ em montante superior a 1 milhão de euros através …

Ler Mais »