Home / Opinião (página 2)

Opinião

A atualidade do 25 de abril

Não deixa de impressionar a força com que o 25 de Abril se faz sentir em todo o país, 45 anos depois da revolução dos cravos, que trouxe a liberdade e a democracia, a descolonização e o desenvolvimento à nação portuguesa, após 48 anos de obscurantismo e feroz repressão sob regime fascista. É de registar o bom serviço prestado pela televisão pública na homenagem e divulgação do significado do 25 de Abril ou o categorizado e diversificado programa de comemorações do Município de Silves, sob liderança CDU, que faz jus ao lema “Silves, concelho de Abril”. A gesta heróica e …

Ler Mais »

Par de Córneas

Cego e surdo. Ninguém deseja correr o risco. Nem eu. Há quem vele por mim. Registo o cuidado. Não sei se quem ainda consegue ler estas linhas é notado. Ou se já tem deficiências visuais e auditivas graves. Oxalá, não. A cidade está pejada de estabelecimentos para venda de óculos para a boa vista e de aparelhos contra a má surdez. Ruas prevenidas. Em cada esquina um amigo. Em cada rosto bondade. Procuram, julgo, gente de vistas curtas e de surdez larga. Bata branca. Gravata ajustada. Sorriso ajustado a interpelar os passantes. O sorriso abre-se em representação da nacional ou …

Ler Mais »

Na minha terra

Fui de comboio a Santarém. Até Lisboa fui no Alfa Pendular das sete horas e vinte e nove minutos da manhã (a partir de Tunes). Desci em Lisboa Oriente e esperei por um comboio regional com destino a Santarém. Verdadeiramente o comboio regional tinha como destino Tomar. Fiquei pensando, quais seriam as estações até Santarém e, o mais importante de tudo, qual seria a estação imediatamente anterior a Santarém. Gosto de antecipar as situações e de me precaver em relação a acontecimentos futuros. Quando o revisor veio certificar-se do meu título de transporte, perguntei-lhe qual era a estação imediatamente anterior …

Ler Mais »

O Brexit para o Algarve

Sigo com uma certa curiosidade mórbida o desenrolar do Brexit desde que a saída britânica da União Europeia foi anunciada em meados de 2016. Confesso até um certo deleite ao assistir às contínuas tentativas frustradas da Primeira-Ministra britânica em conseguir um acordo que seja aceite pelos Parlamentos Britânico e Europeu. Comparo a tarefa ao castigo imposto a Sísifo, o lendário rei de Corinto, condenado pelos deuses a empurrar uma pedra por um monte acima, apenas para ver a pedra rebolar para baixo cada vez que se aproxima do cume. Theresa May vê todas as tentativas de acordo esbarrarem num parlamento …

Ler Mais »

Desmandos na Banca

Num processo infindável, a banca nacional continua a sugar milhares de milhões de euros aos cofres do Estado e aos contribuintes, na forma de empréstimos, linhas de crédito ou garantias, para cobrir a gestão irresponsável e aventureira, negociatas e tráfico de influências, bem como atos de promiscuidade e corrupção, que poderiam ser alocados ao investimento público em áreas fundamentais para o desenvolvimento do país, como por exemplo, na educação ou na saúde. O Governo não retira daí as devidas ilações, faltando-lhe coragem e convicção política para proceder ao controlo público da banca. Na verdade, o Governo encontra-se de mãos atadas, …

Ler Mais »

Regresso ao passado no futuro

Acredito que, ao lerem o título desta crónica, pensaram «lá está ele outra vez com as histórias do antigamente, estamos fartos daquelas historinhas do século passado». Tenho consciência dessa limitação, mas é mais fácil falar do passado do que tagarelar sobre o futuro, um futuro que raramente se concretiza daquele modo. Posso ilustrar esta minha afirmação com o visionamento de filmes de ficção científica em que tudo nos parecia moderno e agora, no nosso atual futuro, muito antiquado, com exceção do teletransporte. Desta vez, vou-vos falar do futuro, não necessariamente do meu, mas do futuro de alguns de nós, com …

Ler Mais »

Estraga- albardas

O estroina anda outra vez destrambelhado. Assim que lhe caíram uns cêntimos a mais no ordenado, desatou a fazer vida de rico. Ou a imitá-la. O número de famílias endividadas tem vindo a aumentar. Cresceu muito no ano passado. Houve 29.350 pedidos de ajuda ao Gabinete de Protecção Financeira da Deco. Mais 350 do que no ano anterior. Há quem não tenha conseguido pagar, em 2018, o empréstimo acabado de contrair… em 2018. Provavelmente porque 2018 não teve 24 ou 48 meses como seria devido. Em cada família super-endividada há pelo menos um estroina superlativo. Normalmente o superlativo é o …

Ler Mais »

A falta de investimento público

A discussão dos meios de comunicação nos últimos meses incidiu, de uma forma directa ou indirecta, sobre investimento público, ou nomeadamente, a falta dele. O nível de investimento público está ao nível mais baixo desde há quarenta anos. E o que é o investimento público? É o montante que o Estado gasta em infraestruturas como estradas, ferrovias, saneamento, hospitais ou outros investimentos que o Estado faz para melhorar o estado do país. O investimento público cria empregos e estimula a inovação e a atividade económica; capacita o país para outros níveis de produtividade. Se assim é, porque gastamos tão pouco? …

Ler Mais »

Questão demográfica e economia

A questão demográfica está diagnosticada como um dos principais bloqueios ao desenvolvimento do país. A população portuguesa, hoje com 10,3 milhões de pessoas, em 2080, prevê-se que passe para 7,5 milhões, reduzindo-se em 2,8 milhões. Além disso, Portugal é o sexto país mais envelhecido do mundo, sendo que na União Europeia do futuro, mantendo-se o rumo, o nosso país ocupará o segundo lugar. No concelho de Silves o índice de envelhecimento atinge os 162,7% (100 jovens para 162,7 idosos), acima da média do Algarve – 131% (censo de 2011). A média nacional é 148,7%, à data de 2016. Com a …

Ler Mais »

A emoção das reguadas

A minha escrita prazerosa, mesmo que sofrida, iniciou-se numa tentativa poética, reclamando um amor idealizado, próprio de um jovem no início da sua adolescência, num enquadramento campestre de uma árvore, já lá vão quarenta e três anos. Muito mais tarde, há dez anos, o primeiro poema foi reescrito, uma árvore que se reinventa e que majestosamente brota frutos na raiz. Ainda desejo os teus lábios pequenos, nessa tonalidade juvenil, que se afastam, impulsionados pelo tempo, na boca de uma mulher. Fiquei fundeado junto àquela árvore, que imagino frondosa e rendilhada de grafias no seu tronco. O vento esfriou a sombra …

Ler Mais »