Home / Opinião (página 2)

Opinião

A falta de investimento público

A discussão dos meios de comunicação nos últimos meses incidiu, de uma forma directa ou indirecta, sobre investimento público, ou nomeadamente, a falta dele. O nível de investimento público está ao nível mais baixo desde há quarenta anos. E o que é o investimento público? É o montante que o Estado gasta em infraestruturas como estradas, ferrovias, saneamento, hospitais ou outros investimentos que o Estado faz para melhorar o estado do país. O investimento público cria empregos e estimula a inovação e a atividade económica; capacita o país para outros níveis de produtividade. Se assim é, porque gastamos tão pouco? …

Ler Mais »

Questão demográfica e economia

A questão demográfica está diagnosticada como um dos principais bloqueios ao desenvolvimento do país. A população portuguesa, hoje com 10,3 milhões de pessoas, em 2080, prevê-se que passe para 7,5 milhões, reduzindo-se em 2,8 milhões. Além disso, Portugal é o sexto país mais envelhecido do mundo, sendo que na União Europeia do futuro, mantendo-se o rumo, o nosso país ocupará o segundo lugar. No concelho de Silves o índice de envelhecimento atinge os 162,7% (100 jovens para 162,7 idosos), acima da média do Algarve – 131% (censo de 2011). A média nacional é 148,7%, à data de 2016. Com a …

Ler Mais »

A emoção das reguadas

A minha escrita prazerosa, mesmo que sofrida, iniciou-se numa tentativa poética, reclamando um amor idealizado, próprio de um jovem no início da sua adolescência, num enquadramento campestre de uma árvore, já lá vão quarenta e três anos. Muito mais tarde, há dez anos, o primeiro poema foi reescrito, uma árvore que se reinventa e que majestosamente brota frutos na raiz. Ainda desejo os teus lábios pequenos, nessa tonalidade juvenil, que se afastam, impulsionados pelo tempo, na boca de uma mulher. Fiquei fundeado junto àquela árvore, que imagino frondosa e rendilhada de grafias no seu tronco. O vento esfriou a sombra …

Ler Mais »

A Parvónia

Sou natural da Parvónia. Parvo, portanto. Nado e criado. Mal criado. Deixo aqui já escrito o registo de interesses. A Parvónia é aqui onde me não calo. Lugar duvidoso. Excesso de mar a dar à costa. Barrocal alteado, em bicos de pés, a fugir do mar. Serra encarquilhada, cabeluda, a fugir do Barrocal. Barlavento altaneiro a fugir das Américas. Sotavento areento, a fugir de Espanha. Paisagem feia. Imprópria para viver. E vive-se. A Parvónia é habitada por gente esquisita. Gente atoleimada. Pouco inteligente. Poucochinha. Como eu. Dizem que há pior. Não conheço. A Parvónia já foi reino. Reino dos Algarves. …

Ler Mais »

A Descentralização do Estado Central

A questão da descentralização é um assunto caro aos portugueses. Trata-se de algo que tem pairado sobre o imaginário colectivo da sociedade portuguesa desde há décadas. A regionalização, uma forma de descentralização, está prevista na nossa Constituição desde a sua elaboração, muito embora não tenha sido colocada em prática em todos estes anos. Não há ano que não se passe sem que não se debata a necessidade de uma regionalização. As pessoas gostam de proximidade e este assunto da descentralização volta sempre à baila porque sentem que há um distanciamento crescente entre as suas necessidades e as prioridades do Estado. …

Ler Mais »

Promessas

Em ano de consultas populares, nomeadamente, as eleições de deputados para a Assembleia da República, torna-se fundamental que o eleitor se cuide com alguns políticos e forças partidárias, que nas vésperas do escrutínio, não se coíbem de fazer promessas que correspondem a puras ações de propaganda. É neste contexto que entendemos as declarações do primeiro-ministro António Costa quanto ao lançamento de concurso público para a aquisição de 22 comboios para as linhas regionais da CP, no valor global de 170 milhões de euros, que convêm ser correlacionadas com outros anúncios no passado recente e pela mesma força política. Curiosamente, em …

Ler Mais »

A minha alegre casinha

Ela é uma acompanhante de luxo. Ele tem-na contratada há mais de dez anos, Ela é fina. Não é universitária. Nem operária. Apenas operadora. Supostamente, de telecomunicações. Comunicações ao longe, portanto. E nunca está por perto. Ele, cada vez que precisa dos seus bons ofícios, ela não atende. Põe-no em espera. Espera interminável. De imediato, a Luisinha começa a entoar-lhe a melopeia “as saudades que eu já tinha / da minha alegre casinha, / tão modesta quanto eu”. A Luisinha repete o trecho. E repete. E nunca mais se cala. Ele desespera. É claro que tem saudades da Luisinha. Ele …

Ler Mais »

Juízo do Ano

Comemora-se em 2019 o 90º aniversário do «Almanaque Borda D’ Água», «Reportório útil a toda a gente», publicação que aqui homenageamos plagiando o título para esta nossa crónica. Na verdade, nos últimos anos, embora a «Folhinha», como também é designado, mantenha na última página o título em epígrafe, este deixou de ter o carácter profético e também divertido que o caraterizava. A velocidade do nosso mundo não se coaduna com vaticínios, mas há tendências cada vez mais evidentes que nos preocupam, seja a nível mundial, nacional ou mesmo local. Propensões que a maioria dos cidadãos parece ignorar. A comunicação social …

Ler Mais »

Berliques & Berloques

Alguém sabe o que são artes de berliques e berloques? O dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia de Ciências de Lisboa refere que artes de berliques e berloques são ações por magia ou por processos misteriosos. Foi assim que me senti no último sábado (4 de janeiro de 2019) à tarde na Biblioteca Municipal de Silves. Mas retomemos ao início da história, como na televisão, no cinema ou mesmo na literatura, vejamos tudo o que aconteceu até ao presente momento e, como o filme não acaba onde começou, ainda alguns momentos posteriores aos berliques e berloques. Claro que a …

Ler Mais »

Montanha Russa no Algarve

Nas “páginas” do Sul Informação, um jornal on-line algarvio, deparei-me com uma notícia deveras curiosa. Durante uma gala da Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa, o seu presidente indicou que haveria um certo interesse de alguns dos associados em desenvolver e construir um parque de diversões no Algarve, ao estilo da Disneyland Paris, devidamente dimensionado ao tamanho da região. O parque, que não seria aquático para se destacar dos já existentes no Algarve, serviria para atrair pessoas ao Algarve na época baixa, de forma a reduzir a forte sazonalidade que se sente no Algarve. Vou ser franco; não me parece …

Ler Mais »