Home / Opinião (página 18)

Opinião

Parábola sobre a Idade da Razão

Nascer e crescer fazem parte de duas das mais complexas situações da Natureza. Os sons e as imagens ganham dia a dia maior nitidez e mobilidades selectivas nos polos receptivos do pequeno ser. Os principais símbolos que adquirem maior consistência nos tempos iniciais da consolidação do ser humano, ainda que dependam da grande selectividade física de especiais alentos a emergir, começam desde muito cedo a codificar o mal e o bem, escolhas por vezes compulsivas e sem sentido. A actividade das crianças torna-se rapidamente muito agitada nos fluxos miméticos e dinâmicos, certamente quando a gestualidade assenta, precoce, nas atitudes do …

Ler Mais »

Ter quinze anos aos cinquenta e três

Ter quinze anos aos cinquenta e três parece uma total idiotice, mas aconteceu-me no último dia do passado mês de janeiro.   Revi no canal Memória da RTP o filme Summer of ’42 (1971), com direção de Robert Mulligan, tal como o tinha visto no dia 1 de janeiro de 1978, ainda no cinema em Silves. Nessa data tinha quinze anos e decidira iniciar um diário que anotou um ano e oito meses da vida deste jovem que vos fala trinta e oito anos depois. Parece que o tempo e o espaço são relativos e por isso consegui ter quinze …

Ler Mais »

A democracia americana

Donald Trump ganhou no Nevada, mais uma vitória para o candidato mais improvável da campanha americana. A política americana é complexa, uma miscelânea de cruzamentos para se chegar à escolha final do presidente, é um processo demorado e intricado. As máquinas partidárias trabalham os seus candidatos até ao pormenor, tudo está pensado e analisado. Tudo menos Trump. Trump é imprevisível, incrivelmente populista e, surpreendentemente, agregador da América branca e conservadora. O próprio Partido Republicano não estava à espera da tempestade que Donald Trump trouxe consigo. Os Estados Unidos são, em si, complexos, um país que foi construído por emigrantes, e …

Ler Mais »

Sedentarizar os nómadas

Sempre que se fala da economia do Algarve, um dos pontos mais sublinhados é a nossa exagerada dependência no turismo de “sol e mar”. Os diversos relatórios apontam para a necessidade de diversificação da nossa base económica, tanto em termos de outras atividades económicas, como em termos de outros tipos de turismo, por razões de combate à sazonalidade que o turismo tradicional envolve e para uma maior resiliência do tecido económico algarvio. E é verdade que temos assistido à ascensão de novos tipos de turismo no Algarve, embora de forma tímida, tais como o turismo de saúde, ornitologia e mais …

Ler Mais »

Lar

Portugal, entre os muitos sobressaltos que tem vivido, nos últimos tempos, foi acordado para a dura realidade da violência no seio da sociedade. Ao falar deste tema, não me quero dirigir à violência da sociedade no geral, mas tão-somente àquela violência que ocorre dentro das quatro paredes do lar. Ao dizer esta palavra – lar – neste contexto, pareceu-me estranha e despropositada. Se lar é o nosso refúgio, o local onde encontramos poiso seguro e repouso, para quem vive a violência dentro do local onde reside, tal espaço pode ser tudo menos um lar. Temos vindo a ser confrontados com …

Ler Mais »

Estado do Município ( Parte II)

“Dois anos de mandato autárquico é um período demasiado curto para concretizar objetivos, transformar e melhorar o funcionamento de estruturas organizativas, preparar projetos, lançar e executar obra, assegurar financiamentos, verificando-se que os desafios são incomparavelmente superiores e de complexidade redobrada quando uma nova liderança municipal (CDU) sucede a uma outra (PSD) que permaneceu ao leme da autarquia durante 4 mandatos autárquicos sucessivos, deixando o legado que deixou e em tempo de “vacas magras”!” (Estado do Município – Parte I) Sendo verdadeiro o transcrito, o mesmo não impede que no quadro do orçamento para 2016, o Município de Silves apresente um …

Ler Mais »

História com pinças

Numa reunião para coordenar as comemorações do aniversário do poeta e pedagogo João de Deus, que animam Messines no mês de março, ouvi falar da relutância de algumas professoras em trabalharem João de Deus, com os seus alunos. Aparentemente, João de Deus é chato. Poupem-se as criancinhas! Em Silves, numa altura em que dava aulas na Escola Secundária, constatei, sem surpresa mas com tristeza, que os alunos não tinham qualquer conhecimento sobre o passado da sua cidade e sobre as diversas fases que esta atravessou, nem identificavam figuras grandes da nossa história local. Agora vou às reuniões de Câmara, reuniões …

Ler Mais »

A feira acabou

Os apregoadores da qualidade de suas próprias fazendas descansam desiludidos, no cansaço de tanta verbosidade, quantas vezes sem interesse, ineficaz. E o que melhor pensou a publicitação, vendeu e lucrou, não poderá, nem pensar, sentar-se e descansar, cheio de si próprio. Qual história ilusória! Luzes de uma nova época estão, por aqui e por ali, a surgirem, e as velhas estão se apagando. Até as antigas cartilhas já não estão a dar para encantar, impor, salvar… Na área municipal, -aliás, não só-, vão se notando realizações de evolução de que todo o país está faminto. Por exemplo, no nosso concelho, …

Ler Mais »

Compromisso pessoal de mudança II

Dando continuidade ao tema de partilha do mês anterior, recordo algumas ideias aí referidas. Para realizar um processo de mudança pessoal é preciso entender este mecanismo e criar uma estratégia para substituição do comportamento inadequado por outros hábitos que sejam válidos para a pessoa como um todo, e que satisfaçam as necessidades inconscientes que possam existir. É necessário que a pessoa realize um esforço de autoconhecimento, análise e meditação. Através deste processo, o individuo poderá percorrer um caminho que o levará a operar as mudanças necessárias na sua vida. Identifiquemos então algumas etapas que é necessário identificar e ultrapassar: Etapa …

Ler Mais »

Não há planetas eternos nem utopias sem fim

Os Açores sofreram uma das tempestades que o aquecimento do planeta reflecte, quer pelas grandes quantidades de CO2 que a actividade industrial humana produz aos biliões de toneladas, quer por metamorfoses cíclicas inerentes à vida dos vastos ecossistemas confrontados. Desde Kyoto que a humanidade tenta encontrar linhas de contensão no sentido de se começar a corrigir os erros da produção, consumos e desperdícios, embora a teimosia gananciosa dos poluidores resista enquanto não chegar ao limite. A poluição, cada vez mais generalizada, da atmosfera do planeta, chegando a níveis preocupantes, envolveu há dois meses quase todos os países da Terra no sentido de …

Ler Mais »