Home / Opinião (página 16)

Opinião

Investimento Municipal

Um dos objetivos fundamentais dos municípios consiste na realização de investimento, maximizando-o, fazendo uso das potencialidades orçamentais e financeiras, recorrendo ao crédito de forma racional e sustentada, e aos fundos nacionais e/ou comunitários, como condição e via para a satisfação das necessidades básicas e de desenvolvimento, das populações e do território. Associado a esse propósito, os municípios procuram garantir a coesão social e territorial, repartindo geograficamente o investimento com critério e ponderação. A enunciação daquele desiderato somente obterá expressão prática, com a constituição de equipas dirigentes competentes e solidárias, dotadas de visão estratégica, plenamente comprometidas com a defesa e reforço …

Ler Mais »

Um mês agitado

Creio que Janeiro nos trouxe dois assuntos verdadeiramente incontornáveis: Donald Trump e a votação da TSU. De Donald Trump poderíamos dizer que é um político que cumpre o que promete e fá-lo de uma forma muito rápida (não sei se eficaz). O que, dito desta maneira, até nem parece mal. Porém, quando vamos ao conteúdo daquilo que cumpre deixa-nos um calafrio terrível que nos recorda tempos passados. De facto Trump cumpre, mas o resultado desse cumprimento redunda num atroz atavismo que faz ressurgir os nossos piores receios enquanto sociedade. O completo encerrar-se ao outro, o começar a olhar apenas para …

Ler Mais »

Estado do Município

Em ano de eleições autárquicas, a avaliação de desempenho dos eleitos locais, com especial enfoque na gestão municipal, sujeitar-se-á a escrutínio reforçado, principalmente com origem na oposição partidária e nos cidadãos em geral, sendo útil e necessário para a qualidade da democracia que a crítica obedeça a critérios construtivos, objetivos e verdadeiros, o que nem sempre acontece, face a razões de ordem política e ideológica e também a alguma inexperiência, preconceito, facciosismo ou desconhecimento da realidade. A meu ver, o debate sobre o Estado do Município na última Assembleia Municipal de Silves veio demonstrar que a ação da atual liderança …

Ler Mais »

Neste 16º Ano do Século XXI

Findámos o Ano. Um ano em acontecimentos que a todos nos diz respeito, mas de opiniões diversas. As minhas seguem em leituras nossas e dos outros. Em opiniões políticas, religiosas, culturais e pessoais. Tivemos um turismo no “seu mais alto valor”, assim o diz a Secretária de Estado do Turismo, Ana Maria Godinho, por Lisboa. A Senhora do Governo fala de milhões de euros, de outro tanto, em número de turistas, afirmando que só no passado mês de Outubro, o Algarve registou, em proveitos, de 1,3 milhões de dormidas, ou seja mais de 65%, fora da época. Ao Aeroporto de …

Ler Mais »

Sem rumo

Iniciei o ano de 2017 em Armação de Pêra. Uma festa familiar com todos, desde crianças até idosos, passando por jovens, adultos e turistas ou residentes estrangeiros nas nossas terras. Todos presentes, todos festejando a chegada do ano de dois mil e dezassete, para o mundo ocidentalizado. Foi curioso presenciar (não necessariamente por esta ordem) a inquietude inicial dos mais idosos com a hora marcada para a abertura dos festejos, a alegria dos jovens adolescentes locais no reescrever de canções, alterando a letra d’ Os Filhos da Nação para Os Filhos de Armação, em função de vivências e de irreverências, …

Ler Mais »

Investimento público: necessário mas ponderado

Vivemos tempos estranhos. Temos uma taxa de juro historicamente baixa e no entanto, o investimento e o crescimento económico não aparecem. Face à ausência de actividade privada, algumas escolas de pensamento económico sugerem que, face à incapacidade do investimento privado em propulsionar a atividade económica, terá de ser o investimento público a assumir o papel de catalisador, promovendo políticas de carácter expansionista para que o motor económico volte a funcionar. A questão é que o erário público encontra-se depauperado; décadas de políticas expansionistas sem consideração pelo ciclo económico levaram à intervenção da Troika no nosso país e à imposição de …

Ler Mais »

Desafios

Sempre que chegamos a este momento das nossas vidas somos confrontados com uma série de balanços sobre o ano que finda (no meu caso, em virtude da minha profissão, serão mais balancetes que balanços, mas adiante). Os meios de comunicação social bombardeiam-nos com uma série de recolecções sobre os grandes temas que atravessaram 2016: alegrias (tivemos algumas); catástrofes (que, graças a Deus, não nos bateram à porta), atentados terroristas (que andaram perto, mas ainda longe), falecimentos (e este ano foram alguns de peso) e factos políticos (onde o mundo foi bastante fértil); e todos nós somos levados a olhar para …

Ler Mais »

Município de Silves baixa valores de taxas e licenças

Na senda das medidas de política autárquica no campo da arrecadação da receita que o Município de Silves, sob a liderança da Presidente Rosa Palma, vem aplicando desde o início do mandato, com o acento tónico no alívio do bolso dos cidadãos e dos contribuintes, e por esta via, impulsionar a economia local, como sucede com a adoção de valores mínimos em matéria de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), a redução do IMI a famílias com 1, 2 e 3 descendentes (IMI familiar), e a resistência ao aumento do tarifário da água, saneamento e resíduos sólidos que a tutela pretende …

Ler Mais »

2 Perros e 1 coche

Os meus pais, particularmente a minha mãe, possuíram alguns cães rafeiros, raramente mais do que um em simultâneo. Ao último cão, membro de uma ninhada de cães de uma cadela da minha tia Elvira, demos-lhe o nome de Felini (nome não ficcionado, associado ao cineasta italiano Federico Fellini). O Felini era um cão caseiro (fundamentalmente não o deixávamos fugir), com muito mau génio em relação aos estranhos, especialmente aos carteiros. Todos os cães que minha mãe possuiu já morreram faz algum tempo, mas ainda recordo as suas imagens rafeiras, especialmente a do penúltimo, um cão branco e preto muito dócil …

Ler Mais »

Continuidades

Chegados ao final de cada mês, fico sempre com a dúvida sobre o que irei escrever. Ao faze-lo procuro ter uma perspectiva de alerta, e chamada de atenção para aspectos da nossa vida que, no meu, entender possam estar menos bem. Creio que um consciente exercício de uma cidadania activa impõe que façamos estas chamadas de atenção, não pela crítica pela crítica, mas antes como cidadã que não desiste da sua “cidade”. Assim, cheguei a este fim-de-semana chuvoso e frio, bom para ficarmos em casa a pensar. E neste sereno afã, dei comigo a pensar no “fim-de-semana com sabor a …

Ler Mais »