Home / Opinião

Opinião

Banco Alimentar o Banco

– Os bancos gostam dos bancos alimentares? – Na sei. Talvez. – Alimentam-se também deles? – Na me parece! Na se vê ninguém a comer uma sande num banco. Mas se o alimento dos bancos é dinheiro, nesse sentido sim, alimentam-se. – E os hipermercados alimentam-se das campanhas dos bancos alimentares? – Que jeite! Até odeiem. Quer-se-dizer, agora que falas nisso… – Então não vendem mais? – Na tou a olhar prás registadoras. Mas devem vender. Se pessoa sai de casa com um rol de com-pras e gasta mais do que tinha pensado, os supermercados vendem mais. – E o …

Ler Mais »

Os Enganos da Regionalidade

Silves adormece à luz do dia, entre algumas reconstruções e obras nem acidentais nem remotas. Nascido em Silves, como alguns vizinhos e amigos ou senhores ainda sabem ou podem confirmar, aí sempre voltei ao ritmo da vida, nos tempos em que o trabalho é suspenso. Enquanto activo e apesar da minha profissão de docente em Belas Artes (Lisboa), sempre que me foi possível aceitei participar em exposições na cidade e fiz, eu mesmo, individualmente, duas exposições em salas de Silves, na primeira galeria de arte dos “Amigos de Silves”, associação quem presta apoios sociais e culturais à população interessada. Por …

Ler Mais »

Viandante

Na saga das viagens, desta vez em Lisboa. Estive na capital nos primeiros dias do mês de junho. Geralmente vou em trabalho, como foi o caso, mas desta vez decidi tirar um dia para percorrer Lisboa, em locais que jamais tinha andado. Por isso, durante um dia, numa quarta-feira, fui um andante, provavelmente mais movimentado do que o Johnnie Walker, do uísque escocês, numa tradução livre, o João Andante. Não o encontrei pelas ruas da nossa capital, mas provavelmente no mesmo dia à mesma hora andaria, no seu passo apressado, pelas ruas de Edimburgo. Gosto de passar por locais com …

Ler Mais »

O Abstencionista Indignado

Em 25 de Abril de 1975 realizaram-se as primeiras eleições para o Parlamento Português. A taxa de abstenção ficou nesse ano nos 8.3%. A novidade, oferecida pela oportunidade de participar na escolha dos destinos do País, passados 48 anos a viver em ditadura, explicam facilmente este número. Sem surpresa, a abstenção tem subido progressivamente desde essa altura, alcançando 43% em 2015. Nas autárquicas de 2017, em Silves, chegou aos 48% e nas recentes europeias, em algumas regiões chegou aos 70% (embora tenha havido mais votantes que em 2014). Muitos vêem a abstenção como moralmente justificada. Sentem estar a castigar a …

Ler Mais »

Dissonâncias

Ao longo do tempo sempre suscitou estupefacção algumas posições dissonantes tomadas pelos eleitos e/ou dirigentes do PS e PSD ora no contexto da Câmara Municipal e da Assembleia Municipal ora também aos níveis local, regional e nacional, quando as matérias em debate são idênticas, transparecendo aos olhos do observador mais atento que “não bate a bota com a perdigota”, visto que, obviamente, os partidos políticos são entidades únicas, não se podendo promover o oposto e o seu contrário, sob pena de se ludibriar os eleitores e a opinião pública, cavalgando o oportunismo mais primário. No plano estritamente local as posições …

Ler Mais »

Bísaro

A criança perguntou, Vão cantar ópera? Eu pensei, De facto parecia um espetáculo de ópera cantada. Quando a criança atingir a idade dos espectadores da primeira fila, as melodias do José Afonso já acompanham a música clássica. Ofereceram-me um cravo, um cravo vermelho de Abril, coloquei-o numa jarra com água e decidi contar os dias até ao seu fenecimento. De início ainda floresceu mais, ficou mais vermelho e aberto para todos, durante vários dias, quase um mês, mas depois começou a murchar e acabou por perecer. Foi o último a murchar, de um grupo de quatro (alambazado), talvez por ter …

Ler Mais »

Um exercício vazio na democracia

Nas eleições europeias do passado dia 26 de Maio que coroaram o Partido Socialista como o grande vencedor da noite, apenas 31,01% dos portugueses acorreram às urnas para votar. Um tal número expressa bem o desinteresse dos portugueses perante as eleições europeias, ficando, a nível europeu, apenas atrás da Eslováquia, Eslovénia, República Checa, Croácia e Bulgária em termos de abstenção. A média da abstenção na Europa rondou os 50%, ainda assim. Este nível de abstenção apresenta vários problemas para aquela que é segunda maior experiência democrática do mundo. Que acontece para afastar tanto os europeus e, em especial, os portugueses …

Ler Mais »

Redes Sociais

O 25 de Abril de 1974 e a revolução dos cravos trouxe a liberdade de expressão, de opinião e de imprensa que são pilares fundamentais e imprescindíveis numa Democracia (política) que para ser plena de conteúdo deve integrar a Democracia Económica e Social, sob pena da própria Democracia, no seu todo, não resistir, subsistir e consolidar-se, à luz dos legítimos anseios e expetativas da sociedade. Vem o intróito a propósito das inúmeras opiniões que só muito benignamente assim poderão ser consideradas, que são veiculadas através das redes sociais (Facebook, WhatsApp, Instagram, Twitter), e por vezes, também na imprensa escrita (reporto-me …

Ler Mais »

A Cruz de Portugal

 “Todavia, apesar do valor incontestável e fragilidade do monumento não foi ainda encontrada uma solução que ponha fim ao estado de erosão precoce e de irreversível deterioração. Devido à fragilidade do calcário onde foi esculpida encontra-se em estado de desagregação, com algumas fissuras, faltam-lhe já alguns fragmentos de pedra e o relevo das figuras e dos ornamentos está muito desgastado. A agressividade dos agentes externos, nomeadamente, a humidade atmosférica, a chuva e a poluição são também principais agentes corrosivos do monumento que necessita de intervenção de modo a preservar-se uma das mais belas peças escultóricas do património algarvio” . E …

Ler Mais »

Mulher cega, Homem surdo

O ideal no casamento é que a mulher seja cega e o homem surdo. O aviso não é meu. É do Sócrates. O outro, o de Atenas. A certeza tem mais de dois mil anos. Quem somos nós, hoje, para duvidar? É de acrescentar, àquelas qualidades, a mudez. Sócrates não a tinha. Falava pelos poros todos. O homem era feio, gordo, desmazelado. Mas ninguém o calava. Andava descalço pelas vielas e praças de Atenas. Debitava avisos, conselhos, recomendações. Ouvia toda gente. Questionava. Esgrimia argumentos. Discutia muito. A sua missão de educador era tida como divina no século V antes de …

Ler Mais »