Home / Opinião

Opinião

O Estado Mamã

Surgiram noticias recentemente de que o Secretário Geral de Protecção Civil estuda com as operadoras de telecomunicações a possibilidade de utilizar aplicações ou formas de diminuir ou inibir o sinal emitido pelas redes móveis nas estradas, retirando ao condutor a capacidade de usar o telemóvel. O Secretário Geral adianta que mesmo a utilização de kits mãos-livres para usar o telemóvel constitui uma distração e como tal, não resolveriam a questão de possíveis acidentes rodoviários. Embora considere que a sinistralidade rodoviária seja um problema sério, a solução apresentada parece-me, à falta de uma palavra melhor, idiótica. Se é verdade que a …

Ler Mais »

Interioridade

O fenómeno da desertificação económica e humana, a secundarização do investimento no interior do país e do Algarve, em especial, é tema que volta e meia, regressa à ribalta, num tempo em que a sua relação causa-efeito com o flagelo dos fogos florestais é por demais evidente e pertinente. A problemática do combate à interioridade e às assimetrias intra e interregionais tem integrado o discurso ministerial e de outros responsáveis políticos, ao longo dos anos, sendo vários os acrónimos e planos criados, os programas e medidas anunciadas, que, paradoxalmente, se revelam uma mão cheia de nada, incapazes de contribuir para …

Ler Mais »

Via do Infante: entre a espada e as portagens

Existe em Lisboa um problema de mobilidade, é a cidade ibérica onde se perde mais tempo no trânsito. É infernal, existe uma considerável taxa de acidentes e a poluição aérea é evidente. Este factor acontece não apenas porque as pessoas gostam de andar de carro, mas porque os transportes públicos não oferecem uma alternativa credível, nem em quantidade nem em qualidade. Ora no Algarve praticamente não existem transportes públicos (sérias lacunas no transporte rodoviário e uma linha ferroviária cada vez mais obsoleta e com poucas alternativas, ainda à espera da eletrificação, que é concretizada só este ano). Os algarvios, órfãos …

Ler Mais »

Instrumental

Conheces a sensação de identificar uma canção através da sua música? As canções, incluindo os fados, contam-nos uma estória (palavra controversa com a significação de narrativa) de amor, de amigo ou de mal dizer; as canções são pequenas estórias que se agarram à vida de cada um de nós e que, por vezes, são respiradas por uma comunidade, por um povo ou nação ou mesmo pelo mundo, nesta pequena aldeia global. Apenas uma melodia, o seu instrumental é suficiente para trautearmos a sua letra. Aos primeiros acordos d’A Internacional, o meu cérebro reage com, De pé! Ó vítimas da fome, …

Ler Mais »

Resoluções por via postal

O augúrio de um novo ano é muito recorrentemente acompanhado de vigorosas resoluções, objetivos que ambicionamos cumprir durante o novo ciclo de translação deste nosso planeta azul à volta do Sol. Estas resoluções surgem após ponderação e reflexão sobre o ano transato. Curiosamente, não são só as pessoas que as fazem; as empresas também o praticam, através da orçamentação e do planeamento estratégico para o ano posterior. Tal e qual como as pessoas, algumas empresas decidem emagrecer. Os CTT decidiram que seria altura de perder peso durante o ano de 2018. Perdoem-me a analogia algo rude, mas parece-me um pouco …

Ler Mais »

Pensar a internacionalização dos municípios

Vivemos cada vez mais numa sociedade e economia global, extremamente dependentes de tudo o que se passa em todos os lugares. Uma guerra civil num estado africano pode prejudicar um país asiático. As distâncias são hoje meras indicações geográficas, com cada vez menos importância no mapa económico e social. A tecnologia e a evolução dos transportes assim o permitiu. Ao mesmo tempo que este processo avança, aumenta a competição entre as várias economias locais, procurando mostrarem-se no mercado global e aumentar o seu valor em relação à concorrência. Este é um jogo dual, pois enquanto existe esta híper competição de …

Ler Mais »

A importância da paisagem

A dicotomia cidade/campo é tão antiga como o momento em que os homens decidiram juntar-se e viver em casas por detrás de uma muralha de pedra. Já os romanos exaltavam a vida citadina, contrastando a sofisticação das suas urbes com a simplicidade rústica dos campos. Atendendo à raiz latina da palavra, ser “urbano” é ser cosmopolita, moderno e progressista, em pleno contraste com a rudeza das gentes do campo. Viver na cidade é viver encadeado pela luz da civilização, é acompanhar a par e passo a modernidade, é estar na vanguarda do progresso. Dito isto, li recentemente num jornal on-line …

Ler Mais »

Dezembro

Aí está ele, o mês de dezembro. O mês dos dias pequenos e, em consequência, das noites grandes, o mês do meu aniversário, da dádiva natalícia e da despedida do calendário. Recordo aqueles calendários do mês de dezembro, em geral, apenas até ao dia de natal, em que, em cada dia, existia uma janelinha com um número e uma decoração e, por detrás da respetiva portada, de cada uma das aberturas, um pequeno bombom quadrangular, com uma espessura mínima, embrulhado numa pratinha colorida. Esses calendários eram tão bonitos que dificilmente se destapava cada dia e se comia o respetivo chocolate, …

Ler Mais »

Educação

A Educação é um setor vital para o desenvolvimento económico e social. Na ausência de escolas bem estruturadas e organizadas, dotadas dos necessários recursos humanos, financeiros e materiais, sem professores e profissionais motivados e capazes, defendidos na sua autoridade e dignidade, os resultados do processo de ensino-aprendizagem, dificilmente alcançarão patamares de excelência. O país necessita de uma escola pública forte e respeitada, evoluída e moderna, com capacidade para responder às necessidades do desenvolvimento socioeconómico – educando, preparando e formando a futura força de trabalho. A criação dos mega agrupamentos, vulgo mastodontes, decidida nos meandros da tecnocracia centralista e à revelia …

Ler Mais »

Memória

No recente filme Blade Runner 2049 (realizado por Denis Villeneuve), os humanoides, criados artificialmente, não se reproduzem e, naturalmente, não têm memória da sua infância, adolescência ou mesmo vida adulta, porque já nasceram adultos. Para serem mais humanos, as falsas memórias, produzidas por inventores de passados, como construtores de falsas fotografias ou imagens cinematográficas, são implantadas no seu cérebro, dando significado à sua falsa vida humana. A memória, que acabará sempre por se perder no tempo, dá sentido à existência humana. Esta meditação sobre a memória, tal como a memória dos computadores, levou-me a refletir sobre uma conversa tida com …

Ler Mais »