Home / Opinião

Opinião

Mathilde

A minha avó materna foi exposta, aquando do seu nascimento. Assim reza a história de que fora abandonada pelos pais após o nascimento ou com pouca idade. Os chamados enjeitados, numa palavra mais popular e menos erudita, pouco própria para as escrituras das paróquias das cidades e das vilas do nosso país. Sempre assumi, com alguma certeza, três ou quatro factos a propósito desta minha avó que já era sexagenária quando nasci. Que tinha sido enjeitada, no ano da graça de mil oitocentos e noventa e oito (estava errado), que fazia anos em março, que foi deixada à porta da …

Ler Mais »

Época de fogos na província

Não é uma afirmação gratuita nem uma graçola de mau gosto. Portugal tem sido um país demoradamente votado a épocas de incêndios nas zonas florestais. Quase tudo acontece no interior, espaços da chamada província, (mito dos sítios pobres e abandonados, hoje dividido entre algumas cidades de razoável ou bom perfil e as aldeias meio perdidas, meio abandonadas, por vezes vazias) – afinal todo um território de esplendorosa e poeirenta interioridade, tão subitamente amado pelos nossos políticos da Assembleia da República e da nossa cristã bancada do CDS. Com efeito, desde os terríveis e virgens incêndios do ano passado, que se …

Ler Mais »

De comboio para a capital

Numa viagem recente à nossa capital, decidi trocar o meu habitual meio de transporte. Ao invés de calcorrear a estrada que separa o Algarve de Lisboa, comprei um bilhete e percorri as linhas de caminhos-de-ferro que serpenteiam para a cidade à beira Tejo. Admito, há anos que não andava de comboio no território nacional. A viagem decorreu sem grandes sobressaltos e foi deveras confortável, admito. No entanto, a primeira hora e meia de viagem foi conduzida por alguma consternação e surpresa. À medida que o comboio avançava pelas linhas, não podia deixar de pensar em quando é que o comboio …

Ler Mais »

Descentralização ou transferência de encargos

O governo do PS prepara, através de negociações à direita com o PSD, o novo pacote legislativo do processo de descentralização de atribuições e competências (educação, saúde, cultura, ação social, praias, florestas), assumindo relevância extraordinária o que se congemina para endosso aos municípios. Numa primeira abordagem a ideia é boa, num país excessivamente centralizado, que representa forte óbice e inegável constrangimento à coesão social e territorial e ao desenvolvimento. É comummente aceite que o poder mais próximo dos cidadãos, como é o caso do Poder Local, se traduz em condições mais favoráveis para responder com superior eficiência e eficácia aos …

Ler Mais »

Algarve a ver passar comboios

Os comboios no Algarve, sobretudo no Barlavento, são transparentes. Não se veem. Raramente se ouvem. O ronco tonitruante, lá muito de vez em quando, indicia que existem. O material rolante circula com enormes graffitis, mal amanhados, borrados com spray nas estrias metálicas das carruagens. As automotoras são feias, porcas e lentas. Ficam histéricas e aos guinchos quando travam. Máquinas arcaicas, emporcalhadas de fuligem, arrastam caixotes trepidantes. No seu interior os passageiros sentam-se em bancos surrados e ensebados. Espreitam a paisagem pelas janelas embaçadas pelo pó. Às vezes chegam a horas ao seu destino. O Barlavento algarvio continua à espera de …

Ler Mais »

O mapa de baixa densidade

Há cerca de três anos escrevi uma opinião neste jornal sobre a não-inclusão do concelho de Silves no mapa de territórios considerados como “territórios de baixa densidade”. Nessa altura, salientei o meu desacordo com o mapa apresentado, dado que o mesmo apresentava o concelho de Silves com não estando incluído nessa categoria. Dado que a não-inclusão no mesmo significava a impossibilidade de aceder a uma serie de benefícios no âmbito dos fundos comunitários, e dada a importância dos mesmos para a atração de investimento, revelei nestas páginas a minha preocupação com a questão. Posteriormente, aparentemente por pressão dos municípios, o …

Ler Mais »

Aviãozinho

No passado mês de maio, fui duas vezes de Portimão até Bragança, ida e volta, num aviãozinho de dezoito lugares. Não tinha ideia da dimensão do avião e, por isso, estava na expetativa de como seria a viagem. Curiosamente, um avião de menor dimensão parece ser mais assustador do que um avião comercial de grande porte. Não tenho conhecimentos de engenharia aeronáutica, mas acredito que são ambos seguros (ou inseguros) dependendo das nossas crenças sobre a natureza das viagens. Antes do dia da partida, falaram-me de utentes descontentes e de utentes maravilhados. Tinha de decidir por mim. Apresentei-me à hora …

Ler Mais »

Património

A conservação, restauro e valorização do património histórico-cultural do concelho, sobretudo, o da cidade de Silves, pelo seu volume e riqueza, é uma das linhas de orientação estratégica assumida publicamente pelo Município de Silves, que se impunha que fosse acompanhada pelas políticas e medidas da Administração Central que é portadora de competências e obrigações acrescidas e substantivas nesta matéria. A tutela não se pode limitar, boa parte das vezes, à emissão de pareceres e recomendações. Fundamentalmente, devia proporcionar e disponibilizar linhas de financiamento para a execução dos projetos. O Estado não se pode eximir de responsabilidades quando o património é …

Ler Mais »

Duas bofetadas

1974. Janeiro. Escola Industrial e Comercial de Silves. Começara a dar aulas. Era um pouco menos imberbe do que a gente bonita e cordata que se sentava à sua frente. Como não tinha sido santo, cedo aprendeu a lidar com ela. Tentava espevitá-la. Matéria dada em verbo solto, esquemas e desenhos jeitosinhos a giz na ardósia que soltavam rictos de pasmo, bocejos e embirrações afectuosas. Fazia o que podia com o pouco que sabia. Um dia, atravessando um dos corredores femininos, viu um aluno e uma aluna trocando risinhos, a dois metros de distância um do outro. O director que …

Ler Mais »

O Zig Zag das Estradas

A Secretária de Estado da Indústria, Ana Lehman visitou recentemente o Algarve numa viagem que a levou a conhecer algumas empresas incubadas no CRIA- Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Tecnologia da Universidade do Algarve. Durante a visita, a Secretária de Estado exortou a qualidade e potencial das empresas visitadas, indicando que o Algarve tem “condições muito especiais para a Agroindústria” e manifestou o seu desejo de que a mesma “floresça”. Em tudo concordo com as declarações da Secretária de Estado; creio que o Algarve apresenta condições ímpares para o sector da Agroindústria, nem que seja pelo facto de ser …

Ler Mais »