Opinião

Ciclos iguais, ciclos diferentes

Setembro de 2021 tem um sabor muito especial. Para muitos, é o regresso ao trabalho e à escola de um forma presencial, numa altura em que se pretende que volte a verdadeira normalidade, depois de quase dois anos de pandemia. Nós, que vivemos cá no destino de férias, tivemos um pequeno gostinho de ”back to normal”, ao vermos as “hordas” de turistas que nos invadiram em agosto. Depois de um junho e julho algo tépidos, as filas e as enchentes no litoral algarvio do mês de Agosto salvaram muitos negócios e relembraram os algarvios de como eram os verões pré-pandémicos. …

Ler Mais »

Aos novos autarcas: um mandato complexo e extremamente exigente num “aterrador mundo novo”

Aos novos autarcas, quadriénio 2021-2025: um mandato complexo e extremamente exigente num «aterrador mundo novo» O país prepara-se, por estes dias, para mais um novo ciclo autárquico, agendadas que estão as eleições para o próximo dia 26 de Setembro. Quando a pandemia parece dar tréguas, diante a vacinação e sem novas mutações no vírus, eis que a natureza tem presenteado a Europa e o mundo com a sua fúria, patente em fenómenos extremos raros. Importa referir que as alterações climáticas não nos trazem fenómenos novos, mas tão somente o aumento da sua frequência, com consequências incalculáveis em termos sociais e …

Ler Mais »

Escolhas autárquicas

A campanha eleitoral para as autárquicas, com o escrutínio marcado para 26 de setembro, desenvolve-se em crescendo, com várias candidaturas, promovendo as suas ações junto das populações, usando o contacto direto, as plataformas digitais e outros canais de comunicação, almejando convencer e ganhar o voto dos munícipes. Até aqui tudo bem e normal numa disputa democrática, não fosse a realização de “campanhas negras”, o chorrilho de disparates e a difusão de mensagens caluniosas sob anonimato, sobretudo, por intermédio das redes sociais, tema já abordado em edições anteriores do “Terra Ruiva”. Numa sociedade democrática é salutar o debate de ideias e …

Ler Mais »

Convocatória para uma Agenda Climática e Ambiental nas ARU de Silves

É urgente pensar no futuro do tecido edificado para além da dimensão turística e social das ARU (Áreas de Reabilitação Urbana) que têm sido celebradas por todas as sedes de freguesia. O tema maior que hoje se impõe a proprietários, promotores, construtores e projectistas é o da pobreza energética. Um tema que ganha maior complexidade com as metas ambientais que nos impõe a obrigação de atingir maior eficiência do ponto de vista energético no âmbito de uma descarbonização total até 2050. Conforme definido na directiva comunitária EPBD (Energy performance of buildings directive), a verificação e responsabilidade destas competências será cada …

Ler Mais »

Uma gaivota voava, nevava

Uma gaivota, voava, voava, / asas de vento, coração de mar. A canção tem um título esperançoso – «Somos Livres!» Integrava a peça de teatro «Lisboa 72/74», dirigida por Luzia Maria Martins, no Teatro Estúdio de Lisboa, na Feira Popular. Esteve muitos meses em cena, num tempo em que, à saída do escuro, se via em cada rosto igualdade. Espero que a Ermelinda Duarte, que fez letra e a música de «Somos Livres!», e o José Cid, que garatujou os arranjos, me perdoem. Tenho um problema. Não com os autores. Muito menos com o 25 de Abril, de que a …

Ler Mais »

A cavalo da opinião

A grande maioria das opiniões é transportada naqueles enormes sacos reutilizáveis dos hipermercados. Traze-las nas mãos não dão jeito nenhum, são tantas, depois é a chave do carro, o telemóvel, o álcool gel; uma maçada! E são a grande maioria porque a verdadeira, a mais pura, a peneirada, aquela que escorre da pena sob a luz de um candeeiro indolente, essa, reclama do seu autor uma profunda reflexão, horas, dias, sacrifícios: uma dedicação rara e quase absoluta devoção ao tema, à matéria, ao substrato da ideia, e por fim, bem vistas as coisas, após tal depuração, é redutor, quase ofensivo, …

Ler Mais »

Tempos voláteis

Os tempos que correm estão muito voláteis. Um exemplo disso mesmo é o meu texto publicado no mês passado, que versava sobre a importância da vacinação e do papel que os turistas britânicos teriam sobre o futuro do Algarve. Escrito e enviado para a redação, o texto rapidamente ficou ultrapassado, numa questão de horas, quando foi anunciado o fim do corredor aéreo do Reino Unido com Portugal. Num ápice, milhares de reservas foram canceladas e regressos foram abruptamente antecipados pelos turistas que já cá estavam. Apenas alguns dias antes, recebíamos alegremente os turistas ingleses para a final da UEFA Champion’s …

Ler Mais »

Aprendizes

A disputa das próximas eleições autárquicas agita-se, sobretudo nas redes sociais e nos bastidores das forças políticas intervenientes. É um tema incontornável da política local, que vai suscitando comportamentos useiros e vezeiros e também perplexidades, notadas pelo cidadão mais atento e informado. Nas redes sociais, boa parte dos registos escritos não se afasta do trivial, ou seja, contêm boçalidades e inverdades, apimentadas de ignorância e descontextualização da matéria comentada, sendo igualmente percetível o cumprimento de uma agenda partidária, amesquinhando os adversários, que são visíveis nalgumas plataformas digitais em Silves, cujos escribas se revelam de uma notável mediocridade. São meras descargas …

Ler Mais »

Felicidade

Sou feliz quando extravaso as minhas fronteiras. Sou infeliz quando se retraem as minhas fronteiras. Na generalidade dos dias, meses e anos, sou eu, nas minhas fronteiras, nem feliz nem infeliz, fazendo o que deve ser feito, segundo o meu saber e as minhas competências. Se vivo ou trabalho materializando as minhas utopias, aí não conta, porque sou feliz. Este extravasar ou retrair dos limites, acontece, por vezes, inesperadamente, em pequenos instantes de felicidade ou de infelicidade, raramente previsíveis. Por isso, vive-se a felicidade ou a infelicidade no reviver desses momentos ou na rememoração de tempos em que hipoteticamente fomos …

Ler Mais »

O direito ao futuro

Para descarbonizar o concelho não chega pensar em baterias, painéis e ventoinhas. A habitação de custo e renda acessível, e a inclusão territorial, são prioridade social do PRR e uma oportunidade para transformar e regular o mercado da especulação imobiliária e reindustrializar a construção civil. Assumir que a população está cada vez mais concentrada no espaço urbano coloca no futuro de cidades portuguesas como Braga ou Lisboa, a descarbonização como uma prioridade. No entanto, em territórios de grande dispersão demográfica, como o de Silves, a preservação da biodiversidade e inclusão do espaço rural serão provavelmente um contributo de maior relevância, …

Ler Mais »