Opinião

Admirável Ano Novo

Nos primeiros dias de cada ano temos sempre tendência para definir novos objetivos ou propósitos, alguns deles não realizados em anos anteriores. Este novo arranque que também nos acontece quando fazemos anos, um ano novo particular, repõe ilusoriamente o conta quilómetros a zeros. É assim que todos, ou quase, lidamos com as nossas insuficiências e reprogramamos as nossas ambições de felicidade. O tempo não para e ano a ano temos um novo ano que é vivido com sucessos e insuficiências, é a vida. Como podemos contrariar esta progressão no tempo? Como podemos ficar presos naquele ano que foi admirável e …

Ler Mais »

Voto útil com pés de barro

O povo português tem a oportunidade de redefinir os destinos do país em 30 de janeiro do corrente, através de sufrágio universal direto, elegendo os 230 deputados à Assembleia da República (AR), 9 deputados pelo Algarve, cuja composição e correlação de forças, determinará a força política que formará governo para os próximos 4 anos de legislatura. Aqui chegados, convém desmistificar mais uma vez, aquilo que as forças partidárias do “centrão de interesses” (PS e PSD) e a comunicação social dominante, procuram veicular até à exaustão, de que o escrutínio se destina à eleição do 1.º Ministro, promovendo a bipolarização da …

Ler Mais »

Cidades sustentáveis em rede

O estatuto de cidade no século XXI enfrenta hoje novos desafios e um papel determinante na tomada de acções concretas no âmbito das políticas sociais e ambientais. Na última Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP26) que decorreu em Glasgow no início de Novembro ficou clara a impotência de Governos em concretizar objectivos e a capacidade das cidades em promover acções concretas. Neste âmbito é cada vez mais importante entender políticas e estratégias municipais na região, assim como as ferramentas e instrumentos que devem ser implementados para estruturar planos de ação que considerem o desenvolvimento sustentável, redução …

Ler Mais »

O Menino

Nasci uma semana antes do menino. Nasci na baixa comercial da cidade de Silves, numa segunda-feira ao final da tarde, já noite, ainda a tempo da interrupção letiva. Dias pequenos, noites longas. As ruas iluminadas com decorações em filigranas concedem brilho às noites e festividade aos dias. O frio, que sempre chega, aconselha ao reforço de mais uma mantinha no aconchego da pequena criança. O catraio chora, ri e é amamentado por sua mãe, na companhia de sua tia. Ainda não tem idade para desejar um brinquedo, um carro de bombeiros, um livro de histórias, um perfume. Ainda não acredita …

Ler Mais »

Um Natal atípico outra vez!

E mal nos damos conta e já estamos novamente no Natal. O ano de 2021 voou e já nos preparamos para mais uma quadra natalícia, com tudo o que tal época reclama; mesas repletas de filhós, bolo-rei, bacalhau e outros ingredientes que polvilham o Natal com sabor que todos sabemos. No entanto, este Natal ainda não será o “típico” Natal a que estávamos acostumados antes da pandemia de Covid-19. A nova vaga de Covid-19 descolou o número de casos no nosso país nos últimos dias e foi levantado novo estado de calamidade no país. No período em que escrevo estas …

Ler Mais »

O desassoreamento do Rio Arade em 2022?

A história de Silves encontra-se ligada umbilicalmente ao rio Arade. Este constituiu ao longo dos séculos a via privilegiada de acesso à velha capital algarvia, naquilo que poderíamos hoje classificar de o TGV de antanho. Como primordial via de comunicação, o seu assoreamento determinou, desde cedo, uma forte decadência da cidade. Em 1442 tinha apenas 271 fogos, num máximo umas 1000 pessoas. Nas palavras de Garcia Domingues, no seu «Guia Turístico da Cidade e do Concelho»: «a cidade despovoava-se. Vivia pobremente, e o paludismo resultante do assoreamento do rio causava muitas vítimas». O mais elevado centro de cultura do Garbe …

Ler Mais »

Subversão e asfixia do Poder Local

O processo de transferência de competências para as autarquias, designadamente nas áreas da educação e saúde, aproxima-se do seu epílogo, com a publicação das respetivas Portarias e a entrada em vigor com início a 1 de abril de 2022, conhecendo-se no concreto, as responsabilidades e os encargos que passam da Administração Central para o Poder Local. Na verdade trata-se efetivamente de transferência de encargos, ao invés de uma verdadeira descentralização de competências, configurando um processo de desresponsabilização do Estado Central, incumprindo com direitos constitucionais, colocando em causa a sua universalidade e a coesão territorial do país, não garantindo as condições …

Ler Mais »

Crónica Biológica

Provavelmente esta crónica vai ser muita fraca em conteúdo, mas, uma coisa eu sei, o engodo do biológico é, por si só, um chamariz para chamar (perdoem-me o pleonasmo mas preciso de reforçar a ideia) a atenção de uma grande franja de leitores. Peço desculpa desde logo aos amantes de enlatados, carnes processadas e toda uma panóplia de produtos que teimam abnegadamente em incluir conservantes com nomes iguais aos modelos de vários Mercedes, como E330, E340 e por aí fora. Estes produtos fazem ainda gala das suas embalagens coloridas e vistosas, uma vez que, embalagens com ar de papel reciclado …

Ler Mais »

A Hora Mudou

A hora mudou. A luz do dia antecipou-se numa hora ao mecanismo do relógio. A alteração horária de inverno provoca em nós uma incomodidade inicial, especialmente ao crescer da noite, pelas cinco horas da tarde. Olhamos pela janela e, lá fora, está escuro e, naturalmente, como muitos dos restantes animais, fazemos tenção de recolher, mas consultamos o nosso engenho cultural, de medida do tempo, e pensamos, ainda é cedo, são só seis horas, são só sete horas. Hora da janta. E depois ainda vêm as notícias e outros programas televisivos, da chamada hora nobre, destinada à convivência familiar, como nos …

Ler Mais »

A COP26

Ouvimos, por estes dias, falar na COP26 ou 26ª Conferência das Partes. Reúne países, organizações não governamentais e cientistas, entre outros, para definir metas que minimizem os impactos humanos no clima, e decorre em Glasgow, na Escócia. Trata-se um tabuleiro político e diplomático, no qual se joga o nosso futuro comum. Devemos olhar de modo crítico para as ações dos líderes mundiais mais do que para as suas palavras. Serão, por estes dias, produzidos belíssimos e inspirados exemplos de oratória, mas não correspondem a políticas concretas e eficazes que ataquem o problema, visto que a situação continua a deteriorar-se. Podemos …

Ler Mais »