Home / Opinião

Opinião

Eventos Virais

No mês passado, neste espaço, tratei do tema dos corredores aéreos e da sua importância para o turismo do Algarve. Hoje, abrem-se estes “corredores” entre os países, que não são mais do que acordos bilaterais, de forma a permitir os fluxos de pessoas e bens. Porém, as notícias não são animadoras; devido aos recentes resultados das infeções de Covid-19 no nosso país, estamos a ficar de fora das listas de viagens de vários países, visto que estas dependem de condições sanitárias semelhantes entre países. Na altura em que escrevo estas linhas, oito países colocaram um traço nas ligações aéreas com …

Ler Mais »

Democracia sob ameaça

A Democracia portuguesa conquistada com o 25 de Abril de 1974, num processo revolucionário que espantou o mundo, não é um direito imutável para todo o sempre. Necessita de ser alimentada e defendida permanentemente contra os seus adversários que espreitam na primeira esquina para a desfeitear e destruir. Em Portugal (e noutros pontos do mundo ocidental), estão em movimento forças populistas e de extrema-direita, que procuram cavalgar as imperfeições do sistema democrático, a crise económica, social e ambiental, o alastramento do desemprego, o futuro incerto dos jovens, o aprofundamento das desigualdades sociais, a exclusão social, o crime, revolta e insegurança …

Ler Mais »

Vítimas da Pandemia

Joaquim de Almeida Negrão A maldita pandemia matou-o aos 79 anos. Joaquim habitava com a família na Praia da Rocha. Tinha construído o seu ‘chalet Negrão’ para sentir os cheiros, rugidos e murmúrios do mar. E descansar o olhar na paixão de toda vida. Joaquim agonizou no leito e extinguiu-se no fim de Outubro de 1918. António Corte-Real Negrão, o seu filho, de 27 anos, também foi levado, poucas horas depois. Este filho varão deixou dois herdeiros de tenra idade. A viúva, ainda lutava contra a doença, quinze dias depois… Esta pandemia já, em 1918, assim era referida nos jornais. …

Ler Mais »

Os semáforos na entrada de São Marcos da Serra e a estrada dos Abrutiais em Messines

A população de São Marcos da Serra foi uma das felizes contempladas, há mais de 150 anos, com a construção da ferrovia para o Algarve, cujo traçado bordeja a aldeia desde então. Todavia, a distância a que foi construída a gare, as morosas décadas que aguardaram para a execução da estrada até esta, ou o estrangulamento provocado no caminho pelas casas da Companhia, constituíram motivos de muita insatisfação para aquelas gentes. De todos eles, perdura até hoje o estreitamento da via junto à estação, com apenas uma faixa de rodagem. Eis que agora, com o objetivo de acalmar o tráfego …

Ler Mais »

Um futuro mais sustentável?

Recentemente a União Europeia avançou com um plano de políticas ambiciosas que afetará, de um modo ou de outro, as nossas vidas, o Pacto Ecológico Europeu (ou “Green Deal”). (https://ec.europa.eu/info/strategy/priorities-2019-2024/european-green-deal_pt ) Não penso que se possa dizer que se trata unicamente de um conjunto de políticas ambientais. É, isso sim, um plano económico e social que finalmente reconhece o facto evidente de que vivemos num planeta com recursos limitados. Temos vivido, em particular desde a Revolução Industrial, com a ideia enganadora de que somos algo separado da natureza. Confiamos na capacidade aparentemente infinita dos ecossistemas para recuperarem, mas essa perceção …

Ler Mais »

E a Cultura

Como o tempo passa! Em 2009, em janeiro de 2009 (dois mil e nove), no tempo em que a Biblioteca Municipal de Silves ainda tinha atividades culturais, após a hora do jantar, assisti a uma conversa com a escritora Lídia Jorge sobre os livros que a tinham marcado. A escritora recordou a sua vivência de menina e moça no interior algarvio e o seu apego pelo Serviço de Bibliotecas Itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian e falou sobre um único livro (segundo a minha memória), um livro de Ernest Hemingway. Na época fiquei um pouco desiludido por não ter desfolhado um …

Ler Mais »

Corredores aéreos

Ao fim de alguns meses começa-se a dissipar o nevoeiro e começámo-nos a aperceber do real impacto da pandemia. Os mais recentes números do INE demonstram o grau de gravidade com que o sector do turismo, esse sector fulcral do país e da região do Algarve, desmoronou com o Covid-19. Durante o mês de Abril de 2020, o número de dormidas no país decaiu uns impressionantes 97,1% face aos do período homólogo. As dormidas de não-residentes diminuíram 98,3%, enquanto as dormidas de residentes terão diminuído 92,7%. Trata-se de números que já suspeitávamos, mas obter a confirmação oficial em nada reduz …

Ler Mais »

Contributos para uma discussão pública no Vale de Alcantarilha

O Vale de Alcantarilha ilustra de forma compreensiva a história de uma dinâmica entre aglomerados ou povoações e a exploração de recursos em torno da agricultura, pesca e finalmente o Turismo. Em entrevista recente, Vítor Neto, presidente da Associação Empresarial da Região do Algarve (NERA), falou da fragilidade de uma região que não soube equilibrar e estruturar a convivência destas três atividades. Ao contrário de muitos agentes políticos na região, como arquiteto, acredito que esta fragilidade depende não só de políticas e investimento mas essencialmente da preservação dos recursos físicos e humanos de um território. A propósito dos inúmeros planos …

Ler Mais »

O corpo estranho de Hong Kong

Hong Kong e Macau são regiões que têm uma história cheia de ligações comuns. São vizinhas. Ambas foram colónias de países ocidentais. Ambas com sistemas políticos e estruturais diferentes da China continental. Ambas sujeitas a um processo de negociação muito peculiar para a transferência de soberania (aliás a principal razão pelos choques atuais entre Hong Kong e a China). Poderia continuar a traçar uma série de outras ligações comuns entre os dois territórios, mas a verdade, é que a principal ligação é o facto das pessoas de Macau e Hong Kong disporem de duas coisas importantes: Podem escolher como são …

Ler Mais »

Autarquias e a Covid-19

A pandemia da covid-19 criou uma situação de calamidade inesperada que tudo veio alterar na sociedade contemporânea, mudando radicalmente o quotidiano das populações, o relacionamento social, provocando crise económica de proporções épicas. O desfecho da pandemia permanece imprevisível. O que já é certo é a quebra acentuada do Produto Interno Bruto (PIB) que se aproximará dos dois dígitos em Portugal e na Europa, as dificuldades na retoma da economia, no processo de desconfinamento social e no funcionamento do tecido organizacional, os cortes salariais e a perda de rendimentos das famílias (1/3 do rendimento dos trabalhadores em layoff), o aumento do …

Ler Mais »