Opinião

Desmascarar a poluição

A pandemia tem sido uma oportunidade para perceber um pouco melhor a sociedade e as pessoas que a constituem, e para analisar os seus sentimentos. Muitos dos sinais, acerca dos movimentos das sociedades, transparecem nas redes sociais. No início havia algum receio acerca deste vírus desconhecido. Depois as redes foram invadidas por um otimismo crescente, fundamentado na ideia de que perceberíamos, finalmente, que somos um grupo de indivíduos – a espécie humana – iguais, interdependentes e dependentes do planeta que habitamos. Viram-se imensas fotografias de animais a “regressar” a locais antes muito perturbados devido ao decréscimo da pressão humana (algumas …

Ler Mais »

Tudo é território mas também paisagem

No âmbito da apresentação pública da revisão do PDM de Silves, com transmissão online, dois intervenientes lançam um debate: por mensagem, alguém interroga os responsáveis pelo plano acerca de uma pretensa desclassificação de parte da EN124 reduzindo a zona de servidão non aedificandi de 20m para 6m do eixo da estrada, permitindo potenciar a re-aproximação de novas construções à estrada… outro propunha à consideração dos responsáveis uma possível política de incentivo à relocalização de construções perto do limite de estradas como a EN264 para zona mais afastada da mesma protegendo assim bens e pessoas. O exposto neste confronto representa temas …

Ler Mais »

Alergia Breve

Alergia breve. É sempre a mesma coisa. Todos os anos, Primavera alta e Verão baixo, lá vem ela. Breve, gostaria que fosse. Este ano, parece o romance quase homónimo de Virgílio Ferreira, Alegria Breve. Nunca mais acaba. 275 páginas. Ou dias. A alergia breve começa pelo pingo doce. Presumo. Ainda não o provei. Um após outro, o pingo vai empapando lenços de papel, a devastar hectares de eucaliptal. Seca a terra. Seca o rechonchudo que me abriga. A seguir, vem o espirro tonitruante. Uma ventania saída da alma. Revolve a atmosfera. Infinitas gotículas suspendem-se da nuvem gigantesca. Diz quem sabe …

Ler Mais »

Gaitinhas

A contagem das laranjas era feita pelo Gaitinhas, que sabia os números todos até mil, segundo afiançara Sagui, o que causava a admiração dos companheiros. Esteiros (1941), Soeiro Pereira Gomes   João da Fonseca, o Gaitinhas dos Esteiros, tem 91 anos e vive num lar de idosos em Vila Franca de Xira, não muito longe de Alhandra. O senhor João da Fonseca sofre de uma das formas de demência, denominada de doença de Alzheimer. Conversa com as funcionárias da instituição de solidariedade social, com os outros utentes e com os familiares, principalmente com um neto, professor na margem sul, que …

Ler Mais »

PDM: o itinerário de um concelho

O novo Plano Director Municipal (PDM) do Concelho de Silves entrou em discussão pública até ao dia 30 de setembro de 2020. Trata-se muito simplesmente do documento que define a abordagem urbanística para o Concelho, em todas as suas dimensões. Conceptualmente, o Plano Director Municipal é o documento que define o uso que é dado aos solos do território e quais as regras pelas quais se pautam essas utilizações. O PDM gere onde podem ser efetuadas as construções e quais são as condicionantes que delimitam o território. O PDM reflete quais os territórios aptos para uso agrícola e quais os …

Ler Mais »

Investimento ambicioso

O país necessita de recuperar e regressar ao crescimento económico, sabendo-se, contudo, que este processo é indissociável da (in)eficácia do plano estratégico, das políticas adotadas pelo Governo e dos resultados dos compromissos estabelecidos no seio da União Europeia, designadamente, a aplicação da “bazuca financeira” que tarda a chegar ao terreno, cujas condicionalidades, capacidade nacional de absorção dos fundos no período de 3 anos, equidade e justiça na sua repartição, nos levanta fundadas dúvidas, dado o neoliberalismo europeu vigente e o passado histórico. As consequências da pandemia de Covid-19 que a todos toca, embora, de forma assimétrica, afetando com intensidade superior …

Ler Mais »

O momento para repensar o Algarve é hoje

Agora que nos libertamos de um ‘Estado de Calamidade Pública’, como poderemos nós manter a mobilização de todos. Para lá da crise pandémica e do impacto em nossas casas, escritórios e espaço de recreação há temas como a acção climática e a transferência energética que devemos discutir antes de voltar a um ‘Estado de Emergência”. Como tem sido amplamente anunciado e exigido por muitos, num contexto pós-pandemia não está em causa o regresso às praias e ao quotidiano, pois há muito tempo que os nossos hábitos ultrapassaram a consistência do equilíbrio ambiental e da coesão territorial. Enquanto nos libertamos do …

Ler Mais »

A menina Pulquéria

A menina Pulquéria foi a última governanta de Coco Chanel. Tinha sido criada de servir da nossa avó Violante. Veio da Gralheira da Amorosa para Portimão, aos sete anos. Nasceu, em Setembro de 1929. Ficou órfã de pai e mãe. Pulquéria nunca frequentou a escola. O capelão da família ensinou-lhe as primeiras letras, a tabuada, e uns rudimentos da língua francesa. Conservou-se em casa da avó, uns poucos de anos. Tratada como se fosse da família. Com nove anos, já servia à mesa. Era diligente. Foi aprendendo as lides da casa. Mantinha as camas irrepreensivelmente feitas, lençóis bem engomados, colchas …

Ler Mais »

Abaixo a Estátua

As estátuas tentam glorificar o passado ou, pelo menos, alguns antepassados, neste eterno presente. São marcas das gerações pretéritas para as futuras procriações. Chamo estátuas às representações de alguém em concreto ou de alguém em abstrato, não estou incluindo os ícones religiosos que tradicionalmente apelidamos de santos. A interessante relação entre as imagens religiosas e a nossa representação mental e social das figuras bíblicas, nomeadamente do novo testamento, e dos santos, sejam populares ou eruditos, é, porventura, um segredo divino. Em Silves ainda existem algumas estátuas, incluindo estátuas de corpo inteiro e bustos, figurativos de uma personagem, e grupos escultórios. …

Ler Mais »

Conhecer os nossos vizinhos naturais

Enquanto biólogo uma das coisas que me espanta mais é o enorme desconhecimento que o público em geral tem acerca das espécies animais que constituem a nossa fauna. Acho estranho porque, afinal de contas, são estes os nossos vizinhos. Quer queiramos quer não, quer o saibamos ou não, dependemos destas espécies, numa rede complexa de interdependências. Há tempos, falando para uma turma de crianças da primária fiz uma experiência para tentar saber se este fenómeno era verdadeiro, ou se era só a minha perceção. Será que as crianças tinham mais conhecimento acerca da fauna africana do que da nossa? Mostrei …

Ler Mais »