Opinião

Venho cantar as Janeiras

As festas natalícias decorrem entre vinte e cinco de dezembro e sete de janeiro, entre os natais católicos e ortodoxos. Este desfasamento de treze dias é explicado pela mudança ocidental de calendário, no século dezasseis, conhecido por calendário gregoriano. É por isto que o Natal no nosso país é em vinte e cinco de dezembro e em outros países, como por exemplo a Ucrânia e a Rússia, é comemorado a sete de janeiro, pelas circunstâncias da história e pela vontade dos homens. De qualquer forma muito próximo do solstício de inverno, em torno dos dias vinte e um e vinte …

Ler Mais »

Quem não tem cão caça com gato?

Foi retomada a discussão pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) para a implementação de uma taxa turística a nível regional que prevê a implementação da taxa no valor de dois euros por dormida, a maiores de 16 anos, em todos os concelhos da região e para todas as tipologias (hotéis, alojamento local, parques de campismo e autocaravismos, etc.). A proposta prevê uma discriminação positiva na época baixa em que o valor cobrado será de €1, assim como a repartição das receitas entre os Municípios (90%), e um “fundo regional” para promoção e animação turísticas (com os restantes 10%). O modelo …

Ler Mais »

Desafios em tempo de crise

Portugal sofre de escassez de recursos humanos, mão-de-obra não-qualificada e qualificada em diversas áreas da atividade económica, do turismo e atividades afins até à construção civil e obras públicas. Este último setor é considerado um motor ou barómetro do crescimento económico, que incorpora uma cadeia de valor muito extensa e gera efeito multiplicador significativo a montante e jusante, com fortes repercussões no emprego e no produto. A dureza do trabalho e as remunerações pouco atraentes são um dos fatores da escassez de mão-de-obra, que levam os trabalhadores portugueses a procurarem outros empregos e a saída da emigração, a par de …

Ler Mais »

O último voo para o Cairo

Mehran Karimi Nasseri (1945-2022) merece esta pequena evocação no Dia Mundial da Tolerância. Conheci-o sem nunca ter chegado à fala com ele. A Maria Alexandra sim, foi quase íntima, por um instante. Quase nada. Devemos-lhe uma noite de insónia menos penosa no Aeroporto Charles De Gaulle, de Paris. Só anos depois ficámos a saber quem era. Conto tudo. Em 1989, estávamos no Terminal 1 do aeroporto, de regresso a Portugal. Eu tinha ido para uma reunião com o meu professor, Jean Delumeau, no Collège de France. Com a Júlia e o Rui, aproveitámos para passar uns dias à beira do …

Ler Mais »

De um tempo presente

Para a minha filha Marta De um tempo novo a crescer como esperança em ti e mais ameaçador do que nunca lá fora. Um planeta ameaçado, explorado nos seus recursos e beleza única, sem dó nem piedade. E uma guerra que parecendo longe nos bate à porta da consciência todos os dias. Sim, eu sei, há sempre aquelas explicações muito adultas e bem elaboradas da geoestratégia, da política internacional, das zonas de influência e dos interesses económicos Mas concordo contigo, filha, e para além da complexidade, há esse sentir justo, mais verdadeiro e jovem de quem não aceita e quer …

Ler Mais »

Ano Novo com problemas antigos

O final do ano é tempo para desejar Boas Festas, realizar um balanço, manifestar desejos e definir resoluções para o Novo Ano que está à porta. Afinal é uma nova oportunidade que se abre de recomeçar e olhar com renovada ambição, esperança e determinação para as contrariedades. O ano de 2022 ficará indubitavelmente marcado pela invasão da Ucrânia por parte da Rússia, num regresso a um passado que muitos julgavam distante, mas, enfim, esqueçamos isto. Portugal entrará em 2023 com um problema demográfico que se vem acentuando. Foram conhecidos há dias os resultados dos Censos 2021 que confirmam que Portugal …

Ler Mais »

Conto de Natal

Silves, dezembro 1972. O senhor padre já se deslocara àquela moradia para averiguar da ausência aos deveres religiosos do mancebo de quase dez anos que andava na escola pública. A mãe da criança, ocupada com mais dois catraios e os afazeres profissionais e domésticos, não tinha qualquer objeção ao cumprimento de tais deveres, para além da hora matinal do evento domingueiro: – A criança é pequena e gosta de dormir. Naquela manhã, após algum esforço, a criança lá foi, sozinha, à missa e, em consequência, à catequese. A espaçosa igreja, em tempos sede de bispado, estava lotada, mas a criança …

Ler Mais »

Natal dos Hospitais

E quando nos damos conta, é dezembro outra vez. Estamos de novo em plena época natalícia, já sem máscara, e com um atípico campeonato do mundo de futebol. Como há um ano escrevia nestas mesmas páginas, os jogos deste campeonato do mundo de futebol são acompanhados de filhós e outras iguarias que só comemos no Natal, algo tão estranho como ver estádios construídos sobre as areias do deserto, equipados com aparelhos de ar condicionado. E enquanto estamos envolvidos na habitual azáfama de compras de Natal e tentamos acompanhar aquele Brasil-Coreia do Sul ou o Portugal-Suíça ou a Serenela Andrade e …

Ler Mais »

A cada um o que é seu

A política fiscal, em conjunto com as políticas monetária e cambial, integram a política económica do governo, que a executa através do Orçamento de Estado (OE), que orienta a economia num determinado sentido, tendo em conta a conjuntura interna e externa e a estratégia adotada. O OE não deve perder de vista a justiça social, uma melhor repartição do rendimento nacional entre o trabalho e o capital e o desenvolvimento económico do país. Nada é neutro na política económica. Tudo depende de escolhas e conceções ideológicas ou da (in)existência de uma visão progressista e transformadora da sociedade contemporânea, cada vez …

Ler Mais »

Quanto vale a construção

O sector da construção é, provavelmente, o mais relevante para a economia da região, a seguir ao turismo. Um percurso de dependência entre os dois sectores, construído por mestres e serventes pedreiros, artesãos e aprendizes, carpinteiros e serralheiros que trabalharam uma vida inteira de forma a sobreviver num território onde a mobilidade social e o desenvolvimento urbano assumem diferentes condições daquelas que verificamos em outras áreas metropolitanas do pais ao longo dos últimos 50 anos. A construção e o turismo no Algarve, apesar da enorme expectativa dos consecutivos executivos políticos e produção académica, nunca deixaram de representar uma economia de …

Ler Mais »