Editorial

Cidadãos da capital… e os outros não

Houve um tempo, não muito recuado, em que se ouvia dizer, com frequência, que o país se resumia a Lisboa e o “resto é paisagem”. Progressivamente esse sentimento foi ficando para trás. Não totalmente extinto mas já não tão gritante. O “resto” do país, pouco a pouco, começava a alinhar-se no rumo do progresso, com a construção de infraestruturas básicas, com o acesso mais facilitado à saúde, educação, cultura e lazer. É preciso combater as desigualdades territoriais, dizia-se. O que também significava combater as desigualdades sociais geradas por aquelas outras. Mais recentemente, estas questões voltaram a ser discutidas na praça …

Ler Mais »

Ameaçados pelo deserto

O concelho de Silves está ameaçado pelo deserto. Não falo da seca. Falo do deserto de notícias. Mais de metade dos concelhos em Portugal está, ou corre o risco de se vir a tornar, um “deserto” de notícias locais. Dos 308 concelhos existentes em Portugal, há 78 em “deserto total”, 24 em “semi- deserto” e 88 “sob ameaça”. Feitas as contas: 6,3% da população vive em algum tipo de deserto de notícias; enquanto 13,4% vive no “deserto total ou em comunidades em risco de se tornarem desertos”. É mais de um milhão e quatrocentas pessoas. Estes são dados do estudo …

Ler Mais »

O dinheiro do Costa

Alguns talvez me olhassem com rancor, outros ficariam ressentidos, com certeza. Mas é o que me tem apetecido fazer, interpelar quem, do alto do seu conforto, acha por bem ridicularizar o “dinheiro do Costa”… Ai, o Costa deu-me 125 euros, diz-se na rua e nas redes sociais, mesmo antes de se soltarem as gargalhadas, o escárnio e com frequência a maledicência… Não vou elogiar a medida do Governo, porque o que defendo é salários dignos que não necessitem de ajudas, apoios, solidariedades e muito menos caridades. Mas as coisas são como são e enquanto não as conseguirmos mudar temos que …

Ler Mais »

Esqueçamos o verbo gastar

A Internet não nos deixa mentir. Em dezenas de declarações, governantes e responsáveis políticos, desde o mais altíssimo nível ao regional, surgem a alertar para a necessidade de gastar bem o dinheiro da bazuca. GASTAR. Gastar melhor. Comparativamente à forma como gastamos anteriormente. E gastar rápido que o dinheiro é muito, a bazuca é grande e a nossa burocracia costuma ser exímia em deixar passar prazos, coisa que lá por fora não perdoam. É embalados nesta música agradável que entramos no Outono… a região algarvia começa a acalmar, há suspiros coletivos de alívio porque foi um verão muito bom, o …

Ler Mais »

A rentrée e o fim de abundância

O mês de setembro é associado à rentrée, no sentido de reabertura e recomeço, depois do agosto que associamos a férias. É também um tempo em que há uma espécie de acalmia… é quando os ritmos das rotinas voltam a estar alinhados, em que tudo volta “ao normal” … Nos últimos anos, no entanto, esta normalidade foi drasticamente quebrada pela pandemia e sem que saibamos o que aí vem, no próximo inverno, podemos desde já antecipar que não serão tempos fáceis para a grande maioria da população. Os sinais de uma grave crise económica, que ameaça seriamente a nossa estabilidade …

Ler Mais »

“O direito à preguiça”

Quando deveria estar a terminar a edição de julho, tive de enfrentar a doença por Covid-19. Por uns dias, debati-me com os sinais de uma gripe forte e uma tremenda vontade de não fazer nada, além de estar deitada. Há uns anos atrás, estar doente significava ausência no local de trabalho e inatividade profissional. Hoje, com o teletrabalho vulgarizado em muitos sectores e com as ferramentas de trabalho dentro da habitação, o direito ao descanso em caso de doença perdeu-se para muitas pessoas. Assim se passou comigo, a aproveitar os minutos de maior capacidade para ir mantendo ativo o site …

Ler Mais »

Museus para que vos quero (?)

Nesta edição ( do Terra Ruiva/junho)  publicamos uma notícia sobre a reconfiguração do projeto existente, de há quase duas décadas,  para a construção de uma albergaria/estalagem e de um museu do azeite em São Marcos da Serra, pela Câmara Municipal de Silves. Por vicissitudes várias, a obra foi abandonada em 2009 e assim tem permanecido. Recentemente, a autarquia decidiu inverter essa situação, propondo alterações ao projeto inicial, convertendo o espaço da albergaria num centro de acolhimento de idosos, considerado muito necessário na freguesia. Mas mantém a ideia da construção de um museu do azeite. E aqui se lança a questão, …

Ler Mais »

Os meus impostos são melhores do que os teus

A pandemia da Covid-19 levou a que muitas pessoas procurassem refúgio no campo, em casas de família ou noutras que alugaram e compraram. Para alguns foi um refúgio temporário, outros decidiram torná-lo permanente, muitas vezes dando concretização a um desejo que já alimentavam, de uma vida a outro ritmo. Mas o sonho idílico de viver no campo, ou em aldeias, que muitos citadinos têm, choca frequentemente com a realidade – e essa nada tem de idílico. Com surpresa (!) muitos descobrem que nesses locais as estradas são frequentemente más e de terra batida, não existe rede de água e de …

Ler Mais »

Já não se percebe nada

Não sei se o leitor estará como eu. Eu estou sem perceber nada. O que me vem à cabeça é aquela frase que usávamos antes dos exames, na escola, quanto mais estudo mais parece que nada sei.. Vem isto a propósito da composição do novo Governo. Vai uma pessoa à procura de uma cara conhecida, quer dizer, alguém que fale com sotaque algarvio e descobre que não há ninguém desse jeito nos corredores do poder central. Na capital fala-se “lisboeta” e pouco mais. Não há ninguém a trocar os “os” pelos “es” ou a ficar “marafado” com a oposição… Que …

Ler Mais »

O outro lado

Cito de memória uma cena que li num livro e que nunca mais esqueci… Num tribunal, o juiz pergunta a uma testemunha se confirmava que o caso se tinha passado em frente a uma casa branca. Ao que a testemunha respondia que o caso efetivamente se tinha passado em frente a uma casa com a fachada pintada de branco. Mas que não poderia dizer que era uma casa branca porque não vira a traseira, nem os seus lados. Esta procura da palavra exata, da descrição plena acompanha-me desde sempre. Essa procura trouxe uma evidência: que não é possível alcançarmos  a …

Ler Mais »