Home / Editorial

Editorial

Toma lá 4 000 camas

No Algarve tão massacrado por um urbanismo descontrolado e à mercê de interesses privados existe um pequeno reduto, descrito como único na região. Existe, mas por pouco tempo mais. Este reduto natural está a ser comercializado como uma “oportunidade única de promoção turístico-imobiliária pela sua qualidade, localização e envolvência natural altamente conservada”. Então, no espaço “natural altamente conservado” precisamente porque tem estado a salvo de interesses imobiliários querem construir hotéis, aldeamentos, centros comerciais e campos de golfe. Camas, muitas camas: 4 000. O pontapé de saída para esta aberração é dado em 2007 pela Câmara Municipal e Assembleia Municipal de …

Ler Mais »

Populismos há muitos

Nos dias em que escrevo esta edição paira a incerteza sobre o resultado das eleições francesas e consequentemente sobre o futuro desta Europa comunitária a que nos habituámos nos últimos anos. No receio de que as alterações que possam vir a acontecer não se traduzam numa melhoria das condições de vida da generalidade da população, e que ameaças tenebrosas desencadeadas pelos nacionalismos ganhem expressão, vivemos um momento que só não inquietará quem anda totalmente distraído do mundo. Neste novo mundo de frágeis ligações à realidade do outro, caem por terra muitos dos tradicionais alicerces da nossa democracia e ao mesmo …

Ler Mais »

Um homem, uma pasta de cabedal, uma pistola metralhadora, algumas granadas e um rádio

Às 03h25 do dia 24, um homem dirige-se sozinho à unidade militar da Força Aérea, no aeroporto de Lisboa. Leva consigo uma pasta de cabedal, uma pistola metralhadora, algumas granadas e um pequeno rádio. No peito, o coração bate com força e na cabeça mil e um cenários atropelam-se, enquanto o homem tenta não pensar em nenhum deles, mas apenas na missão que tem de cumprir. Abre a porta da unidade militar, sobressaltando os dois oficiais que dormitavam no serviço e que, apanhados em falta, se assustam com a presença do superior. Não há nenhum problema, sossega-os o homem. É …

Ler Mais »

Altos e Baixos

Na edição anterior, publicamos um artigo dando voz a queixas relativas à qualidade da alimentação servida aos utentes do Centro Social e Cultural João de Deus. Pela repercussão que a notícia teve e pelos variados testemunhos que, pessoalmente e nas redes sociais, vieram a público, confirma-se que há uma situação que merece a atenção dos responsáveis da instituição mas também da comunidade. Há muitos indicadores que deverão ser tomados em conta quando se escreve sobre um assunto tão delicado como a qualidade da alimentação numa instituição (que entendeu solicitar a publicação de um esclarecimento que o Terra Ruiva publica nesta …

Ler Mais »

Os Amigos da Ermida

A história poderia começar da forma tradicional, “era uma vez uma ermida, situada no cimo de um monte, a poucos passos de uma pequena terra do concelho de Silves, chamada Algoz”. Contaríamos depois sobre os períodos áureos da bonita ermida, até chegarmos aos anos do abandono, da vandalização, da incúria e do desinteresse. Lamentavelmente, chegaríamos a um tempo muito recente, durante o qual a única voz pública que denunciou e se ergueu contra esta situação ( que tenha conhecimento), foi a do jornal Terra Ruiva que foi publicando artigos e fotos que revelavam o abandono e a degradação cada vez …

Ler Mais »

O canto da formiga

Ai cantaste durante o verão? Então dança agora, disse a formiga para a cigarra, na fábula de João de Deus. A cigarra levara o verão a cantar, a formiga passara os dias a trabalhar, pensando no duro inverno que se aproximava. E quando a cigarra pediu ajuda à formiga, foi essa a resposta que ouviu. Claro que hoje, nos dias do politicamente correto, a formiga repartiria com a cigarra os frutos do seu trabalho, porque, afinal, cantar também é trabalho que deve ser recompensado. Mas não à custa do formigueiro! – diria a formiga de João de Deus… Confesso que …

Ler Mais »

Com a saúde não se brinca

A destruição do Serviço Nacional de Saúde, a que se assistiu nos últimos anos e muito em particular na vigência do anterior governo, é um dos piores flagelos que a nossa sociedade enfrenta. Paradoxalmente, ao mesmo tempo que a medicina conhece progressos extraordinários, no nosso dia a dia o que ressalta é a carência de meios em todos os sectores, do pessoal às infraestruturas. Nesta edição, damos conta de dois protestos que aconteceram no nosso concelho, em Silves e em Messines. E o que reivindicavam as pessoas? Consultas disponíveis no tempo devido, horários alargados nas extensões de saúde, mais médicos, …

Ler Mais »

Todos temos direito à nossa terra

Perante um país empobrecido, frente a um futuro sem perspetivas e uma possibilidade bem real de nenhum sonho ser concretizado, o que fazer? Quero partir, diz uma personagem. Fica, responde a outra. Para quê?– pergunta a primeira. É preciso resistir, se todos partirem, este lugar – o lugar dos nossos avós, o lugar das nossas raízes – o sítio onde pertencemos por direito irá desaparecer… Já não há nada aqui, nada que nos permita cumprir os sonhos!– replica a primeira… Se todos partirem, nem a memória restará…, avisa a outra. Este é o tema do confronto que divide a personagem …

Ler Mais »

Repensar a mobilidade

Assinalou-se há dias a Semana da Mobilidade, que abrangeu o Dia Europeu Sem Carros. Sessenta municípios aderiram em Portugal, entre os quais o de Silves, embora o relevo dado a esse dia fosse praticamente nulo, resumindo-se a um convite/apelo da presidente da Câmara para que os funcionários da autarquia abdicassem do uso do automóvel nesse dia. Esta foi uma oportunidade perdida para pensar a mobilidade na cidade, sendo que esta é uma reflexão que urge fazer. Mais importante do que aderir a um dia sem carros, é a necessidade da autarquia pensar em como garantir e favorecer a mobilidade dos …

Ler Mais »

Entre o Facebook e as “sombrillas solitarias”

Para o bem e para o mal, o Facebook faz hoje parte integrante da rotina de muitos cidadãos, associações e empresas. Para os meios de comunicação social, a utilização desta rede social tornou-se um dilema diário – como encontrar um equilíbrio entre não ir atrás daquilo que se escreve por lá e, ao mesmo tempo, não perder de vista o fluxo informativo? Ainda há poucas semanas, um episódio recorrente em Armação de Pêra tornou-se notícia, através de um pequeno vídeo colocado no Facebook por um cidadão indignado. Protestava o dito contra o facto de muitas pessoas irem até à praia …

Ler Mais »