António Eugénio

Natural de São Bartolomeu de Messines, nascido em 1983. É licenciado em Economia e Mestre em Marketing pela Faculdade de Economia da Universidade do Algarve, tendo efectuado pós-graduações na área das Finanças Empresariais e da Fiscalidade. É membro efetivo da Ordem dos Economistas e da Ordem dos Contabilistas Certificados. Gestor de profissão, interessa-se especialmente por desenvolvimento regional e territorial e é doutorando em Gestão de Inovação e do Território na Universidade do Algarve.

O sopro de vida para os territórios

Há algum tempo atrás li um artigo sobre uma iniciativa caricata por parte de um presidente da Câmara de uma vila italiana medieval chamada Sessia tendo em vista o combate da desertificação. A solução encontrada por este autarca foi simples: incapaz de suturar a crescente diminuição da sua população e de promover a natalidade, o autarca emitiu um decreto a proibir a morte dos habitantes do seu concelho. Obviamente que o decreto não teve grande impacto, até porque a morte geralmente não é um ato voluntário, mas o autarca admitiu que o decreto serviu para criar notoriedade para um estilo …

Ler Mais »

O perigo da globalização para o nosso turismo

Tem surgido recentemente na imprensa alguns artigos sobre uma preocupação crescente na cidade de Lisboa: o fenómeno da “Gentrificação”. Este fenómeno traduz-se pela alteração da composição económica e social de espaço, em que lojas e habitantes locais são “empurrados” para fora do local originário por novos habitantes e negócios que nada têm a ver com o local. Traduzindo por miúdos, o que sucede em Lisboa é que esta está a ser vitima do seu sucesso enquanto destino turístico; mais e mais turistas chegam à cidade, atraídos pela sua atmosfera e beleza. Ora esta procura turística leva a que esta área …

Ler Mais »

O risco do sucesso

Há umas semanas, num evento de empreendedores de tecnologia e da área criativa da região do Algarve, ouvi algo que me deixou a reflectir. Quando confrontado com a questão de se alguma vez pensou em instalar a empresa no Algarve, um dos empreendedores indicou que dificilmente o faria, dado que o Algarve não lhe proporcionava condições para crescer o negócio e indicou mesmo que começava a achar que mesmo Lisboa lhe começava a parecer “pequena”. O receio parece-me legítimo. O sucesso, aparentemente, é tão malicioso como o insucesso. Será que todo o empreendedor tecnológico de sucesso estará fadado a ter …

Ler Mais »

Sedentarizar os nómadas

Sempre que se fala da economia do Algarve, um dos pontos mais sublinhados é a nossa exagerada dependência no turismo de “sol e mar”. Os diversos relatórios apontam para a necessidade de diversificação da nossa base económica, tanto em termos de outras atividades económicas, como em termos de outros tipos de turismo, por razões de combate à sazonalidade que o turismo tradicional envolve e para uma maior resiliência do tecido económico algarvio. E é verdade que temos assistido à ascensão de novos tipos de turismo no Algarve, embora de forma tímida, tais como o turismo de saúde, ornitologia e mais …

Ler Mais »

Ouro negro ou maré negra?

Para aqueles que tem andado um pouco distraídos nos últimos tempos, um dos temas que mais se tem debatido nos últimos tempos é a possibilidade de exploração de petróleo no Algarve, tanto na sua costa como no seu interior. È uma daquelas questões recorrentes: haverá petróleo em Portugal? Desde 1938 que se fazem prospecções com esse intuito. Agora o assunto é levantado no Algarve. Recentemente, o Estado português firmou contratos de prospecção de petróleo com algumas empresas com o intuito de averiguar se o ouro negro poderá brotar do nosso território. Surge alguma desconfiança no meio da população algarvia no …

Ler Mais »

Espumante, passas e mudanças

A passagem de ano é o momento mais esperançoso do ano. O encerrar de um ano é percebido como um fecho de um capítulo e este traz consigo a esperança de um futuro mais radioso. Fazem-se resoluções de ano novo; menos peso, mais exercício, mais dedicação à família ou ao trabalho, a promessa de mudar algum aspecto que queiramos alterar. O inicio do ano de 2016 não se afastou deste caminho, não só a nível individual, mas também colectivo. Entramos no novo ano com um governo acabadinho de sair do forno, ainda sem ter tido tempo de empreender qualquer mudança …

Ler Mais »

A identidade da Vila

No momento em que escrevo estas linhas, a vila de São Bartolomeu de Messines prepara-se para iniciar a sua 10ª Semana Gastronómica. Esta Semana Gastronómica é um excelente exemplo do caminho que a vila terá de trilhar para a sua afirmação regional. O evento tem a particularidade de, não só atrair gentes de fora da vila e do concelho que se procuram deliciar com as iguarias preparadas pelos nossos restaurantes, como também envolver as pessoas de Messines, que nesta altura, aproveitam para conhecer e provar novos pratos. Por outro lado, a Semana Gastronómica celebra os sabores mais tradicionais e únicos, …

Ler Mais »

O fim da eficiência e a eficiência como fim.

As ruas das vilas e das cidades de interior esvaziam cada vez mais, um pouco de cada vez. A tendência é assinalada não só por políticos locais e académicos, atentos aos indicadores demográficos e económicos, mas também pelas gentes que calcorreiam essas ruas diariamente, cujos filhos e netos abandonam essas mesmas ruas para as grandes cidades no litoral. É uma tendência verificada a nível mundial: é cada vez mais a concentração da população juntos dos centros urbanos. Esta é uma realidade reconhecida e muitas vezes, incentivada por políticas públicas, não obstante o facto de ouvirmos regularmente atores políticos repudiarem publicamente …

Ler Mais »

A secessão de Espanha

No tempo em que escrevo estas linhas, a Catalunha prepara-se para as eleições autonómicas da região. Os independentistas, no entanto, pretendem fazer destas eleições um plebiscito para a independência da região face a Espanha, procurando ter uma maioria absoluta que legitime as suas pretensões. Os partidos assumem posições diferentes nos dois lados da barricada: uns defendem o status quo, mantendo a ligação a Espanha; outros defendem a independência; há ainda uns que defendem maior poder para o governo autonómico catalão, transformando Espanha num estado federalista. O sentimento nacionalista da Catalunha tem vindo a exacerbar-se nos últimos anos, e muitos catalães …

Ler Mais »