Exposição de Tatiana Silva em Messines

A Casa Museu João de Deus acolhe, de 21 de outubro a 30 de novembro, a exposição de artes plásticas “Apagamento e revelação da paisagem”, de Tatiana Silva.

A mostra foi inaugurada no dia 21 de outubro, no Dia Internacional da Paisagem, efeméride que visa celebrar a importância da paisagem como “componente essencial do ambiente humano, expressão da diversidade do seu património comum cultural e natural e base da sua identidade”.

“Através desta exibição, a jovem Tatiana Silva, descortina, a partir de aparecimentos da linha, da mancha e do volume, um processo contínuo incessantemente temporal, que anuncia para a inevitável interatividade da forma na paisagem; num procedimento de exploração plástica e conceptual que atravessa, apaga, realça e subverte o contexto, abstrato e concreto, a natureza.

Tatiana Silva é natural de Faro. Formada em arquitetura, esta artista algarvia frequentou, ainda, o mestrado da Faculdade de Belas Artes, estando, atualmente, a desenvolver um projeto de doutoramento afirmando um pouco mais a experimentação procurada e a interdisciplinaridade entre as artes, investigando a categoria da Escultura, continuando a ter como pontos de interesse o estudo de diversos territórios e paisagens e a investigação sobre formas, espaços e tempos ocupados.

E ainda, a questão que Tatiana Silva considera estrutural na sua produção, que são as das relações e fronteiras diversas existentes entre: arte, público e ecologia; academia e sociedade; espaço privado e público; galeria e paisagem; política e espaço ecológico, social e cultural; e por fim, entre as diversas categorias da Arte, em especial o Desenho, a Escultura, a Arquitetura e a Pintura.

 

+ sobre a exposição “Apagamento e revelação da paisagem”

a partir de aparecimentos da linha, da mancha e do volume, um processo contínuo incessantemente temporal, avisa para a inevitável interatividade da forma na paisagem.

procedimento de exploração plástica e conceptual que atravessa, apaga, realça e subverte o contexto, abstrato e concreto, a natureza.

contingente à matéria, ao suporte e ao lugar, ocupa o espaço e estuda o apagamento e aparecimento, o recorte, a memória e a cor.

verde, amarelo, laranja, azul e branco, e também o negro, predominam.

investigação para propostas ao que vem a ser e ao que foi em tempos o mundo e cada uma, a água, a terra, a luz e a extinção.

Veja Também

Fundação Calouste Gulbenkian aprova projeto de Participação Climática para Silves

A Fundação Calouste Gulbenkian aprovou 11 projetos de “Participação Climática” que irão ser desenvolvidos em …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *