O céu de novembro de 2021 – com chuva de meteoros das Leónidas e eclipse da Lua

Logo no início do mês, tentem procurar o planeta Mercúrio, antes do amanhecer. Nos primeiros dias de novembro este planeta chega a estar 10 graus acima do horizonte, virado a Este, antes do brilho do nascer do Sol o ofuscar. No dia 3 podem procura-lo a 5 graus de uma finíssima Lua, que no dia seguinte atinge a lua nova. No entanto, de dia para dia Mercúrio vai-se aproximando do Sol, no céu, e lá para o meio do mês deixa mesmo de se ver.

Com a mudança da hora e com o aproximar do inverno, a noite chega mais cedo e dura mais tempo. No início de novembro o Sol põe-se por volta das 17h30, enquanto no final do mês já passa abaixo do horizonte lá para as 17h15.

O céu virado a Sul, às 18h30 dos dias 10 e 11 de novembro de 2021, com a posição da Lua junto aos planetas Júpiter e Saturno. (Imagem: Ricardo Cardoso Reis /Stellarium)

Nos dias 7 e 8, o nosso satélite, já em quarto crescente, estará visível ao anoitecer, a cerca de 5 graus do planeta Vénus, “atrás” deste planeta no dia 7 e “à frente” no dia 8. Vénus parece uma “super-estrela” que se vê na direção do pôr-do-Sol.
Nos dias 10 e 11 a Lua vai formar um triângulo retângulo com os planetas Júpiter (mais brilhante) e Saturno (um pouco menos brilhante). No dia 10 a Lua estará a cerca de 5 graus de Saturno e no dia 11, altura em que atinge a fase de quarto crescente, estará a cerca de 5 graus de Júpiter.
Os planetas Vénus, Júpiter e Saturno estarão visíveis logo ao anoitecer durante todo o mês, aproximadamente virados a Sul. Vénus é o que se põe mais cedo, passando abaixo do horizonte por volta das 19h45. Já Saturno e Júpiter põem-se, respetivamente, às 23h00 e 00h00 no início de novembro, mas no dia 30 já se põem, respetivamente, às 21h30 e 23h00.

No dia 17 ocorre o pico da chuva de meteoros das Leónidas, mas com a lua cheia a ocorrer apenas dois dias depois, este ano a observação desta chuva não será muito propícia. Se quiserem arriscar, o radiante (ponto de onde parecem emanar os meteoros) fica na constelação do Leão, que nasce por volta da uma da manhã.

O céu do zénite (indicado com uma cruz), às 21h00 do dia 15 novembro de 2021, com indicação da localização da galáxia de Andrómeda. (Imagem: Ricardo Cardoso Reis /Stellarium)

Dia 19 é dia de lua cheia e também de eclipse da Lua. Infelizmente, em Portugal o eclipse parcial começa ao nascer do Sol, praticamente à mesma hora que a Lua se está a pôr. Ainda assim, têm aqui o desafio de observação do mês: tentar observar a sombra da Terra a começar a tapar a Lua, durante cerca de 10 minutos antes da Lua se pôr. Para o fazer, é essencial ter o horizonte completamente desimpedido a Oeste, e recomenda-se usar uns bons binóculos.

Quase a acabar o mês, dia 27 a Lua atinge a fase de quarto minguante.
Quase no zénite (o ponto por cima das nossas cabeças), ao início da noite, encontram as constelações de Andrómeda, Pégaso, Cassiopeia e Perseu. Na mitologia grega, Andrómeda era a filha do rei Cefeu e da rainha Cassiopeia. A princesa foi sacrificada ao monstro Cetus (a baleia), mas acabou por ser salva pelo herói Perseu, que usando a cabeça da Medusa, transformou Cetus numa ilha.Uma gota de sangue da cabeça da Medusa ao cair no oceano deu vida ao Pégaso, o cavalo alado.
A constelação de Andrómeda parece um dente, que parte da constelação do Pégaso. Nesta constelação pode observar-se a galáxia de Andrómeda, visível a olho nu em céus escuros, ou com binóculos em céus mais iluminados.

Boas observações.

Texto: Ricardo Cardoso Reis (Planetário do Porto e Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço)

Ricardo Cardoso Reis é licenciado em Astronomia pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP). Atualmente está a completar o mestrado em Ensino e Divulgação das Ciências, também pela FCUP.

Trabalha há mais de 20 anos em comunicação de ciência, na promoção da cultura científica e em educação não-formal. Atualmente pertence ao Grupo de Comunicação de Ciência do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, a maior unidade nacional de investigação da área, e ao Planetário do Porto – Centro Ciência Viva, o maior planetário digital em Portugal.

É sócio efetivo da Sociedade Portuguesa de Astronomia, da associação Centro de Astrofísica da Universidade do Porto e da Rede SciComPT, tendo pertencido aos orgão sociais desta última no triénio 2017-2020.

 

Este texto foi publicado no âmbito do programa “Cultura, Ciência e Tecnologia na Imprensa”, promovido pela Associação Portuguesa de Imprensa.

Veja Também

Câmara de Silves investe nos recreios das escolas do 1º ciclo

As escolas do 1º ciclo de Tunes, Amorosa, Armação de Pêra e São Marcos da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *