Bloqueios Emocionais

Todos nós, que passamos pela vida, sabemos que ações e reações são as ocorrências mais frequentes e mais reveladoras da importância da vida. Por vezes nem é necessário existir uma palavra ou um gesto, basta a ocorrência de um pensamento para suscitar uma reação, quer seja ativa ou passiva. Na realidade somos energia, ou seja, um campo vibratório. Cada campo vibratório atrai uma situação, é como se tivéssemos um íman no peito.

As experiências emocionais durante a vida, nem sempre são auscultadas internamente, percebidas, ou até que sejam reveladoras de uma atenção, mais delicada. Quando nos relacionarmos com as nossas emoções, devemos fazer os respetivos lutos, de peito aberto, para que a frequência vibratória emanada se torne mais elevada. Para que possamos atrair situações leves e tranquilas.

Os bloqueios emocionais revelam-se em nós quando sentimos a sensação de que temos uma barreira dentro, que nos impede de enfrentar uma dada situação, é aquilo que nos impede de avançar. É e uma espécie de barreira psicológica, que gera um conflito interno e que nos impede de interpretar alguns aspetos da vida a nosso favor.

Todos nós, seres humanos, sofremos de bloqueios emocionais, que provêm, na maioria das vezes, de experiências traumáticas. Trata-se de um mecanismo de defesa inconsciente, para que se evite o sentimento. Estas experiências podem ter ficado ocultas embora continuem a ser refletidas sem que nós nos apercebamos delas.
A vida é feita num equilíbrio entre o bom e o ruim. Na generalidade a dificuldade é lidar e confrontarmo-nos com o nosso ruim. É nesses momentos que surge a culpabilização, havendo sempre a necessidade de colocar a responsabilidade externamente. É nessas alturas em que se deve questionar, qual é a sua disponibilidade para olhar para dentro de si. Quando não encontramos essa predisposição vamos tapar as nossas dores com uma espécie de rolha, o que vai fazer com que o nosso campo vibratório seja mais denso, mais baixo, logo é essa energia que vamos emanar.
Desta forma vamos irritar-nos com mais facilidade, acabamos por ter tendências conflituosas através da raiva, ou suprimidos através do medo, o que nos faz atrair situações com energia semelhante.

A maioria das pessoas ergue os seus bloqueios em própria defesa, para que não haja sofrimento. Embora o procedimento esteja a ser efetuado inversamente, pois as lesões das emoções vão ser expelidas na matéria, no seu corpo.
Importante mesmo é cuidar da sua autoestima, dar o valor devido às suas emoções, chorar quando devemos chorar, para que a insegurança, o medo e a desconfiança das nossas próprias capacidades, não prevaleçam ou se sobreponham à real ação. Porque a dor, essa, vai ter mesmo que ser sentida e, talvez desta forma, consiga identificar melhor onde se encontram determinados bloqueios. Na maior parte das vezes o medo de enfrentar a própria dor, ainda bloqueia mais.

Você não tem necessidade de se tornar prisioneiro das suas ilusões destrutivas e negativas. A intenção é olhar em frente com a firmeza de que pode, no mundo em que vive, fazer mais por si.

Não dá para ser bom em tudo, mas dá sempre para ser bom em alguma coisa!
Permita-se!

Veja Também

Ação de consciencialização alerta para o enfarte agudo do miocárdio nas mulheres

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) está a promover uma nova ação nacional de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *